Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Artigos sobre ‘Vasco’

O Campeonato Gaúcho é o mais tradicional do Brasil

February 12th, 2017 | 2 Comments | Filed in América, América-MG, Atlético-GO, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Botafogo-SP, Chapecoense, Clubes, CO, Corinthians, Coritiba, Criciúma, Criciúma, Cruzeiro, Estaduais, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Friburguense, Futebol, Goiás, Grêmio, INTERIOR, Internacional, Ituano, Ituano, Linense, MG, Náutico, Números, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, PR, PR, RJ, RJ, RS, RS, Santa Cruz, Santo André, Santos, São Paulo, SC, SC, SP, SP, Sport, Tupi, Vasco, Vitória

Os campeonatos estaduais começaram e uma pergunta não saía do cabeça do uma pessoa do Brasil: qual estadual é o mais tradicional do Brasil?
Pelo sistema de datas, fica fácil demais: o Campeonato Paulista é o mais antigo, de 1902. Mas o que seria dos campeonatos se fossem considerados os times ATUAIS que o disputam, considerando a fundação de cada um, qual seria o campeonato mais tradicional do Brasil, a saber, o que possui os TIMES mais tradicionais? Daí foi ir às contas. Como critério, usei estaduais que tenham, em 2017, que é o ano que nos interessa, um time a menos na Série A do Brasileirão.

Rio de Janeiro:

Bangu 1904
Boavista 2004
Bonsucesso 1913
Botafogo 1904 *
Cabofriense 1997
Campos 1912
Flamengo 1895/1912
Fluminense 1902
Macaé 1990
Madureira 1914
Nova Iguaçu 1990
Portuguesa-RJ 1924
Resende 1909
Tigres do Brasil 2004
Vasco da Gama 1898/1915
Volta Redonda 1976

O Carioca é um dos campeonatos mais tradicionais e um dos mais complexos de fazer a conta. Devido à fundação dos clubes no remo diferir (e estar bem documentada) da do futebol, podemos usar datas de fundação do futebol, como 1911 para o Flamengo, 1918 para o Vasco, etc. Porém, muitos outros clubes no Brasil apresentam datas de fundação controversas, anos no amadorismo, de desfiliação, etc. Portanto, resolvi usar as daas oficiais, menos para o Botafogo, que diferentemente dos co-irmãos cariocas, não apenas introduziu o futebol mais tarde como o fez a partir de um clube associado e posterior fusão.

Média de idade de fundação: 1939,75

São Paulo

Audax 2013*
Botafogo 1918
Corinthians 1910
Ferroviária 1950
Ituano 1947
Linense 1927
Mirassol 1925
Grêmio Novorizontino 2010
Palmeiras 1914
Ponte Preta 1900
Red Bull Brasil 2007
Santos 1912
São Bento 1913
São Bernardo 2004
São Paulo 1935
Santo André 1967

*Foi usado o mesmo critério que com o Botafogo carioca. O Audax foi comprado e passou a mandar os jogos na cidade de Osasco, usando um escudo parecido com o “irmão de fusão” Grêmio Osasco. Creio que foram muitas mudanças para se considerar a continuidade do clube.

Média da idade de fundação: 1949,5

Minas Gerais

América-MG 1912
América-TO 1936
Atlético-MG 1908
Caldense 1925
Cruzeiro 1921
Democrata-GV 1932
Tombense 1914
Tricordiano 2007
Tupi 1912
Uberlândia 1922
URT 1939
Villa Nova 1908

Média: 1928

O tradicionalismo dos times do campeonato mineiro é impressionante. Apenas o Tricordiano destoa, sendo todos os clubes que não ele fundados antes de 1940!

Pernambuco

Afogados 2013
América-PE 1914
Atlético-PE 2006
Belo Jardim 2005
Central 1919
Flamengo de Arcoverde 1959
Náutico 1901
Salgueiro 1972
Santa Cruz 1914
serra Talhada 2011
Sport 1905
Vitória de Santo Antão 2008

Média 1960,583

O Náutico, como o próprio nome indica, entra na mesma situação dos cariocas. A diferença é pouca, já que o Timbu introduziu o futebol em 1905. No entanto, foi considerado o ano de sua fundação global como com seus pares do remo pelo Brasil.

Goiás

Anápolis 1946
Aparecidense 1985
Atlético-GO 1937
CRAC 1931
Goianésia 1955
Goiás 1943
Iporá 2000
Itumbiara 1970
Rio Verde 1963
Villa Nova 1943

Média da idade de fundação: 1957,3

Santa Catarina

Atlético Tubarão 2005
Almirante Barroso 1919*
Avaí 1923
Brusque 1987
Chapecoense 1973
Criciúma 1947
Figueirense 1921
Inter de Lages 1949
Joinville 1976
Metropolitano 2002

Média da idade de fundação: 1960,2

*O Almirante Barroso recebeu o mesmo tratamento dos demais clubes náuticos do Brasil.

Bahia

Atlântico 2000
Bahia 1931
Bahia de Feira 1937
Flamengo de Guanambi 2009
Fluminense de Feira 1941
Galícia 1933
Jacobina 1993
Jacuipense 1965
Juazeirense 2006
Vitória 1899*
Vitória da Conquista 2005

Média: 1965,364

*Vitória com o mesmo tratamento dos clubes de remo cariocas, catarinenses, pernambucanos, etc.

***
Rio Grande do Sul

Brasil 1911
Caxias 1935
Cruzeiro 1913
Grêmio 1903
Internacional 1909
Juventude 1913
Novo Hamburgo 1911
Passo Fundo 1986
São José 1913
São Paulo-RS 1908
Veranópolis 1992
Ypiranga 1924

Média: 1926,5

Por muito pouco, a média de idade de fundação dos clubes gaúchos supera a dos mineiros em pioneirismo e assim sendo, o Gauchão é o campeonato com os times mais tradicionais do Brasil em 2017. MG e RS se destacam nesta conta, podendo variar a “liderança” a depender dos clubes que sobem ou descem. Vemos que este ano apenas Passo Fundo e o incaível Veranópolis destoam da grande tradição dos outros clubes do Rio Grande do Sul.

E o menos tradicional?

Analisando as médias dos campeonatos segundo o critério de possuir um representante ao menos na Série A, vemos que o campeonato “menos tradicional” é o Paranaense, com uma média de 1974,67, apesar da grande tradição de clubes como o Coritiba, o primeiro verdão do Brasil, a grande quantidade de clubes montados no século XXI, que costumam muitas vezes ser taxados de “clubes-empresa”, acaba subindo a média paranaense. Dos participantes de 2017, mais de 50% foram fundados após 1990.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Eliminações precoces em Libertadores

April 11th, 2016 | 2 Comments | Filed in Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Copa Libertadores 2016, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Números, Palmeiras, Paraná, Paulista de Jundiaí, Santo André, Santos, São Paulo, Vasco

Todo ano, um ou mais times se classificam para a erroneamente chamada “pré-libertadores” (existiu uma pré-libertadores, mas era um grupo com 2 mexicanos e 2 venezuelanos de onde saíam 2 para a verdadeira Libertadores), e isso não foi um grande problema até 2011, quando o Corinthians dos “galáticos” Ronaldo e Roberto Carlos, displicente na “pré” como todo brasileiro até então – a ponto da torcida corinthiana colocar apenas 23 mil pagantes no jogo da ida contra o Tolima, algo impensável hoje – foi defenestrado sem nem ao menos marcar um gol e na 37ª posição da Libertadores, entre 38 participantes. Desde então, os clubes têm tomado muito mais cuidado, e a “pré” tem se tornado um grande estorvo pelo calendário ou mesmo pela dificuldade. Pode ser muito facilmente suplantada, como foi pelo Corinthians em 2015, que abriu 4 a 0 no Once Caldas logo na ida, ou muito angustiante, como para gremistas e atleticanos, que precisaram dos pênaltis para avançar aos grupos contra LDU e Sporting Cristal, respectivamente.

Mas uma coisa são dois jogos, onde zebras devem mesmo ocorrer, outra coisa é a fase de grupos, onde o clube brasileiro, de muito investimento, tem SEIS jogos para reverter intempéries (ajuda também o fato de os juízes ainda não estarem tão na seca para eliminar os brasileiros, como invariavelmente ocorre em todo mata-mata). Mesmo assim, com 6 jogos, alto investimento e juizes menos malandros que nas fases agudas, alguns clubes brasileiros conseguem a façanha de serem eliminados nesta fase.

É inevitável a pergunta: o que é mais vexaminoso? Ser eliminado na Pré, ou na Fase de Grupos? Ante tantas subjetividades, vieses, torcida de jornas e imponderabilidade da Libertadores, só nos resta uma arma: a incontestável matemática.

A Libertadores adotou o atual formato de mata-mata antes da fase de grupos em 2005, e o primeiro clube a enfrentá-la foi o Palmeiras, que superou o Tacuary, numa de suas únicas duas participações na Libertadores, e que hoje anda pelos PORÕES da Terceira Divisão paraguaya.

Desde então, ao menos um clube brasileiro participou da pré-libertadores (às vezes dois), e os resultados foram os seguintes:

2005: Tacuary 2 x 4 Palmeiras

2006: Palmeiras 6 x 2 Deportivo Táchira / Deportivo Cuenca 1 x 4 Goiás

2007: Blooming 0 x 6 Santos / Cobreloa 1 x 3 Paraná

2008: Cruzeiro 6 x 3 Cerro Porteño

2009: Palmeiras 7 x 1 Real Potosí

2010: Real Potosí 1 x 8 Cruzeiro

2011: Corinthians 0 x 2 Deportes Tolima / Liverpool 3 x 5 Grêmio

2012: Real Potosí 2 x 3 Flamengo / Internacional 3 x 2 Once Caldas

2013: LDU 1 x 1 Grêmio (4-5 p.) / São Paulo 8 x 4 Bolívar

2014: Sporting Cristal 3 x 3 Atlético Paranaense (5-6 p.) / Deportivo Quito 1-4 Botafogo

2015: Corinthians 5 x 1 Once Caldas

2016: Universidad César Vallejo 1 x 2 São Paulo

Em 18 oportunidades, apenas em 1 o clube brasileiro falhou em passar. O que dá uma percentagem de 5,56%.

 

Desde 2005 pois, eis o retrospecto dos clubes brasileiros na Fase de Grupos:

2005: Atlético-PR, São Paulo, Santos e Palmeiras classificados. Santo André eliminado.

2006: São Paulo, Goiás, Internacional, Palmeiras e Corinthians classificados. Paulista eliminado.

2007: São Paulo, Grêmio, Paraná, Santos e Flamengo classificados. Internacional eliminado (primeiro campeão da história a ser eliminado nos grupos)

2008: Cruzeiro, Flamengo, São Paulo, Fluminense e Santos classificados.

2009: Sport, Palmeiras, São Paulo, Cruzeiro e Grêmio classificados.

2010: Corinthians, Internacional, São Paulo, Cruzeiro e Flamengo classificados.

2011: Grêmio, Fluminense, Internacional, Santos e Cruzeiro classificados.

2012: Santos, Internacional, Fluminense, Vasco e Corinthians classificados. Flamengo eliminado.

2013: Palmeiras, Atlético Mineiro, São Paulo, Corinthians, Fluminense e Grêmio classificados.

2014: Cruzeiro, Atlético Mineiro e Grêmio classificados. Atlético-PR, Botafogo e Flamengo eliminados.

2015: Atlético Mineiro, Corinthians, São Paulo, Cruzeiro, Internacional classificados.

2016: por definir

Foram 53 vezes em que um brasileiro foi classificado, e apenas 7 eliminações. 13,21% de eliminações. O Flamengo foi o único a ser eliminado DUAS vezes dos grupos. Somente Inter, Botafogo e Flamengo foram os considerados grandes a serem eliminados.

Portanto, matematicamente falando, o vexame corinthiano ainda assim é o pior. Caso Grêmio e Atlético Paranaense tivessem perdido as suas disputas por pênaltis, teríamos 16,67% de eliminados na Primeira Fase (o que colocaria ser eliminado nos grupos como maior vergonha), porém ambos escaparam fedendo de tal vergonha.

Portanto, qual o maior vexame até então? Em termos de acontecimento, ainda é a vitória do Tolima contra o Corinthians. Em termos de clube, e claro, considerando eliminações em fases PRECÁRIAS, o Flamengo está bem na frente. Se um clube tem 13,21% de chances de ser eliminado nos grupos, as duas eliminações do Flamengo dão uma porcentagem de 1,74%.

Alguns podem dizer que os cálculos não são precisos, pois a edição de 2016 ainda não definiu seus classificados na fase de grupos. De fato. Nenhum brasileiro ainda está matematicamente dentro, e Palmeiras e São Paulo estão em risco, podendo igualar os co-irmãos Santo André e Paulista como únicos paulistas já eliminados na fase de grupos. Aguardemos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

PREVISÕES FUTEBOLÍSTICAS 2015

January 17th, 2015 | 23 Comments | Filed in Atlético-MG, Blablagolianos, Botafogo, Campeonato Brasileiro, Corinthians, Cruzeiro, Estaduais, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Libertadores, Miscelânia, Mundial de Clubes, Observatório, RJ, UCL, Vasco, Zueira

CBF, Parreira, Felipão e Globo vão insistir em esquecer o 7 x 1
Dunga vai insistir no discurso do comprometimento e bater boca nas coletivas
Eurico Miranda vai continuar com suas bravatas
Estaduais esvaziados, ingressos caros, média baixa de público e audiência em queda
Seleção brasileira continua jogando amistosos caça-níqueis
Gilmar Rinaldi continua falando besteiras
Jogadores, treinadores e a imprensa esportiva reclamam do calendário brasileiro
Vasco luta para não cair novamente à Série B
Botafogo passa sufoco na Série B
Clubes tem receitas bloqueadas na justiça, salários e direitos de imagem atrasados
O decadente Loco Abreu cava publicamente uma vaga no Botafogo e Gustavo Gaburah compra essa ideia
Narrações irritantes do Alex Escobar
Galvão Bueno fala demais e não deixa os comentaristas trabalharem nas transmissões
Milton Neves não consegue mais falar sobre futebol e faz o Terceiro tempo apenas programa de Merchan
Tiago Leifert segue mais idiota como nunca
Luis Roberto não vai segurar nas transmissões seus impulsos homossexuais
Arquibancadas centrais vazias
STJD tira pontos de algum clube
CBF tira o seu da reta e coloca a culpa os clubes pelos erros das inscrições dos atletas
Jogos do Botafogo sem torcida
Diretoria do Grêmio tenta repassar desesperadamente o Kléber Gladiador a todos os clubes brasileiros, inclusive ao seu rival Internacional
Diretoria Cruzeiro não consegue repassar Júlio Baptista e anuncia um pacote extra de jogadores como brinde
Torcedores do Fluminense passam o ano lamentando o fim da parceria com a Unimed
Algum clube perde pontos no STJD
De preferência por escalação irregular, especialmente se for pequeno/medio
Diretoria do Fluminense não consegue segurar seus jogadores e tenta reforçar seu time de advogados no STJD
Leandro Damião irrita os cruzeirenses e a diretoria tenta repassá-lo a outro clube
O irritante lateral Danilo continua titularíssimo da seleção do Dunga
Fora do mercado, Joel Santana volta a fazer comerciais
Pelé fala besteiras
Vasco é vice
Valdívia continua no departamento médico
Time entregando jogo na Copa do Brasil para ir à Sudamericana
Crise no Vasco, Eurico proíbe a entrada da imprensa em São Januário
Diretoria, jogadores e comissão técnica pedem o comparecimento da torcida do Botafogo nos seus jogos
Após o término do estadual, começa a novela da renovação do Léo Moura e o atleta escreve no seu instragam o drama de um ídolo não valorizado pela sua história no Flamengo
Fluminense continua sem zaga
Corinthians empata
Vascaínos fazem chororô sobre a arbitragem
Eurico não deixa ninguém falar nos debates esportivos
Jogadores reclamam do calor
Adriano se apresenta ao Le Havre, fala em volta por cima e toma gosto pela vida noturna francesa
Gaburah clama pela volta do Loco Abreu ao Botafogo
Um brasileiro chega na final da Libertadores, tendo eliminado outro brasileiro para isso
A maior felicidade nacional será a eliminação do Corinthians na Libertadores
Brasil perde a Copa América
Um europeu estupra um sulamericano no mundial de clubes outra vez
O Real Madrid não vence a Champions
Pensando bem, Brasil ganha a Copa América (mas a comemoração não chegará a um décimo da eliminação do SCCP na Libertadores)
Dunga vai continuar vencendo e a imprensa reclamando
Liga Europa e Sulamericana terão finais ineditas
Imprensa revoltada com os estaduais
Dirigentes dos clubes grandes omissos diante das atitudes da CBF
O Corinthians não terá o artilheiro do Brasileirão, nem da Libertadores, nem Copa do Brasil, nem Paulista e nem sequer da Copinha ou Brasileiro Sub-20
Um carioca não ganhará o Brasileirão
Fox Sports contrata alguém da Globo
Tiago Leifert segue mais idiota como nunca
Dunga chama Escobar de cagão (não vai acontecer mais seria sensacional)
Luis Roberto não vai segurar nas transmissões seus impulsos homossexuais
Fluminense vai inventar mais um “torcedor” ilustre na Wikipedia
Algum campeão invicto da Libertadores cai na primeira fase
Globo corta o áudio externo das transmissões do Galvão Bueno a fim de evitar o VTNC uníssono da torcida
Globo privilegia o audio de uma torcida visitante na Copa do Brasil, igual na final Cruzeiro x Atlético
Vascaínos culpam a Globo pela má fase

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

“Não foi um jogo que gostei”

May 21st, 2014 | 4 Comments | Filed in Futebol, Vasco

Precisamos melhorar. Nunca fui de ficar achando pretexto, como qualidade do campo, viagem, desgaste… Somos profissionais. Tem que estar preparado, precisamos nos expor um pouco mais. No dia a dia tentamos encontrar, fazer o que é importante, mas acho que, dentro da Série B, não foi um jogo que eu gostei

Avisou Adilson após a partida, Vasco 1 x 1 Sampaio Corrêa (15º colocado da série B).

Lamentável o técnico vascaíno utilizar pretextos para tentar diminuir a vergonha que foi a partida de ontem. Sim, porque foi isso que ele fez, e o claro subterfúgio de dizer “nunca fui de ficar achando pretexto” não muda isso.

Adilson Batista não deveria citar qualidade do campo, viagem, desgaste, nada disso. Uma vez que o próprio Vasco optou por jogar onde jogou. Se houvesse o mínimo de inteligência, a direção vascaína deveria ter marcado a partida em Santa Catarina, que por motivos óbvios traria muito mais dificuldades ao “perigoso” Sampaio Corrêa.

Aliás, é inaceitável que Adilson Batista e o Vasco tenham que ficar “achando pretextos” para justificar jogos na série B. É humilhante um clube como o cruzmaltino passar por isso. Cabe ao Vasco jogar e vencer.

Porém, é muito difícil jogar e vencer sem goleiro. O rebaixamento no ano passado ainda não ensinou isso ao treinador? Até quando este erro se repetirá? Até quando um jogador como Felipe Bastos será titular de um time como o Vasco? Quais são os pretextos do “professor” para repetir erros tão grotescos?

Não há dúvidas quanto ao retorno a série A ano que vem, mas fica claro que há deficiências no elenco que precisam ser corrigidas, e que o treinador atual não é suficiente para disputar campeonatos mais encorpados.  A hora de planejar é agora.

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Sempre um banana

April 15th, 2014 | 8 Comments | Filed in Vasco

Vasco vai tentar anular o resultado da final no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio (TJD/RJ)

O Vasco poderia escalar o time de juniores no campeonato que vem,

O Vasco poderia exigir exercer seu mando de campo no campeonato que vem, fazendo o que necessário fosse para isso.

Poderia ter se recusado a jogar quando anunciaram MLH, e o bandeirinha na final,

Poderia até, ter se recusado a jogar, depois que a mulher do MLH disse que o vice era certo,

O Vasco pode, ainda, externar todo seu repúdio a esta situação vexaminosa (que ele mesmo se permitiu chegar).

Pode repudiar os goleiros marginais do rival, pode até mesmo articular uma oposição à FERJ, enfim,

O Vasco pode muitas coisas.

O Vasco NÃO pode, submeter sua história, sua imagem, e sua torcida, a mais uma chacota.

Roberto Dinamite  pode ter sido o maior ídolo dentro de campo, e poderia ter sido um bom dirigente, mas…

Roberto Dinamite é um idiota como dirigente, ele envergonha a história do clube, é, e sempre será, um banana.

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Os valores do Prefeito de Niterói

April 13th, 2014 | 11 Comments | Filed in Campeonato Carioca 2014, Flamengo, Vasco
Olhos de lince

Com esse olha aguçado deve enxergar as qualidades de seus colaboradores e empresas prestadoras de serviços pela cidade

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Se português fosse esperto…

March 26th, 2014 | 22 Comments | Filed in Vasco

Por que diabos o Vasco não faz nada para jogar no seu estádio?

Vasco x Fluminense

Maracanã:  225 jogos – 79 vitórias – 76 empates – 70 derrotas

Engenhão:  10 jogos – 4 vitórias – 3 empates – 3 derrotas

São Januário:  45 jogos – 22 vitórias – 10 empates – 13 derrotas

Vasco x Botafogo

Maracanã:  195 jogos – 85 vitórias – 57 empates – 55 derrotas

Engenhão:  12 jogos – 4 vitórias – 3 empates – 5 derrotas

São Januário:  43 jogos – 17 vitórias – 14 empates – 12 derrotas

Vasco x Flamengo

Maracanã:  238 jogos – 70 vitórias – 73 empates – 95 derrotas

Engenhão:  11 jogos – 2 vitórias – 5 empates – 4 derrotas

São Januário:  34 jogos – 15 vitórias – 9 empates – 10 derrotas

Fonte Netvasco

 

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Pleno Pleito ao Direito Divino

March 10th, 2014 | 53 Comments | Filed in Botafogo, Campeonato Carioca 2014, Flamengo, Fluminense, Observatório, Vasco

Fluminense, Flamengo e Vasco (esse aqui eu não achei no site dos caras) estão jogando para galera em umas daquelas infindáveis brigas com FFERJ cheias de blá blá blá com regulamentos, repasses, negociações e tal do negócio que frequentam há mais de século.

Sem me alongar, seu JORNAS favorito (e o mais odiado também, porque em verdade será qualquer JORNAS) irá apoiar Fluminense, Flamengo e Vasco e ainda vai ficar a cornetar o Botafogo por não serguir a manada revolucionária que nada revoluciona. Só que isso pouco me importa, é problema de quem a essa altura ainda segue gurus.

O que me importa tão somente é registrar por aqui um pedacinho da demanda do trio Eugenista, sem me preocupar com os pormenores, de mais um pouco de Eugenismo oficial.

Direito Divino

Determinismo

Eu, Eugenista futebolero convicto apoio, especialmente porque acho que meu time é um dos mais beneficiados no Brasil com essa cultura Eugenista determinista de 12 Grandes. Só quero saber como fazem para dormir o sono dos justos a turma moralista que brada por critérios técnicos com o malfadado e casuístico Estatuto do Torcedor (aplicável somente em determinadas demandas e para o futebol) e que por certo para baterem na Federação (que é um inimigo deveras conveniente) apoiaram o pleito Eugenista que relega os nanicos a grandes centros de formação de atletas e descoberta de novos talentos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Chip na bola só é necessário em caso de dúvida

February 17th, 2014 | 54 Comments | Filed in Campeonato Carioca 2014, Flamengo, Vasco

Quando existe dúvida se a bola saiu de campo lá no Marieta, eu digo o que vi independente do time em que eu esteja jogando. Em algumas ocasiões, contudo, digo “não sei” já que não consegui ver com precisão necessária para dirimir a grande dúvida: foi gol ou não?

Não é incomum em alguns lances que fique todo mundo com cara de bunda sem saber direito o que ocorreu. Nessas horas, só algum recurso além da tradicional visão, marcações em campo, consenso da rapaziada e regra tácita que na dúvida para defesa. Pessoal da “de fora” não apita em nada pois os putos cagam para a partida e só apontam soluções pró-empate para saírem as duas equipes.

Fosse eu goleiro do Flamengo, dúvidas não haveriam pois por certo teria defendido o chute de Douglas. Contudo, caso meu papel fosse o de capitão do time, como é o de Leonardo Moura, é bem provável que gol tivesse sido validado uma vez que formada a confusão, não tivesse eu mesmo visto que a bola tinha entrado, teria perguntado ao goleiro Felipe, que apesar de ser uma cavalgadura, deveria, além de ser o mais bem posicionado entre todas as pessoas do Mundo aptas a ver o lance,  ter o QI elevadíssimo para acompanhar a trajetória completa da bola tendo em vista o cargo que ocupa e a experiência por repetição em treinos e jogos de lances como esse.

Sendo capitão e obtendo a palavra de meu goleiro, seria fácil avisar ao árbitro que a bola teria entrado e o jogo deveria seguir Vasco 1×0 Flamengo.

Todavia, essa é a ética do Futebol do Marieta, evidentemente diferente da ética do Futebol Eugenista. Sem prejuízo da normalidade entre seus pares, Leonardo Moura e Felipe colocaram o costume debaixo do braço, citaram o Pequeno Príncipe Mario Bittencourt e segue o jogo. É o regulamento.

gol douglas vasco x flamengo

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Nissan e Vasco – Você é o que consome 2

December 18th, 2013 | 14 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2013, Marketing, Publicidade, Vasco

Porradaria estancou na partida que selou o rebaixamento do Vasco para a Segunda Divisão do Brasileiro e Nissan aproveitou para tirar o time de campo. Assumindo-se a verdade oficial como verdade verdadeira, entende-se que a empresa repensou seus critérios  pelos últimos acontecimentos pois a violência da mesma torcida já estivera exposta durante o contrato.

Sem conseguir colocar a mão em dinheiro da Eletrobrás ou Caixa, reza a lenda que a grana da Nissan já tinha entrado com um empurrãozinho de Sergio Cabral e a montadora já se virava para justificar o patrocínio na Série B. De toda forma, mesmo que andasse cambaleando e com o intuito do fim, o fato público relevante foi o rompimento do contrato de publicidade de um ente esportivo justificado pelos danos à imagem do patrocinador causado por um sub-ente intimamente ligado ao vendedor do espaço publicitário.

Mais hora, menos hora, o dinheiro entra em São Januário. Ao longo do tempo ele não se importa muito com esses detalhes técnicos de imagem, basta se adaptar às situações e paradigmas gerais impostos. Se não chega mais pela Nissan, chega por outra história qualquer sendo provavelmente o mesmo dinheiro. A foda é que no determinado tempo t quando acontecem as merdas mexem-se as cadeiras e um bocado de gente cai do cavalo. Essa hora que é divertido de acompanhar e aproveitar para cagar regras.

A Nissan abriu o precedente (quem sabe facilitado por um contratinho mal ajambrado) para a Economia pressionar a turma que anda dando alteração no negócio Futebol e, por que não, ser pressionada a atuar com seu didático poder moralista.

Nissan x Vasco

 

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.