Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Artigos sobre ‘Fluminense’

O Campeonato Gaúcho é o mais tradicional do Brasil

February 12th, 2017 | 2 Comments | Filed in América, América-MG, Atlético-GO, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Botafogo-SP, Chapecoense, Clubes, CO, Corinthians, Coritiba, Criciúma, Criciúma, Cruzeiro, Estaduais, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Friburguense, Futebol, Goiás, Grêmio, INTERIOR, Internacional, Ituano, Ituano, Linense, MG, Náutico, Números, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, PR, PR, RJ, RJ, RS, RS, Santa Cruz, Santo André, Santos, São Paulo, SC, SC, SP, SP, Sport, Tupi, Vasco, Vitória

Os campeonatos estaduais começaram e uma pergunta não saía do cabeça do uma pessoa do Brasil: qual estadual é o mais tradicional do Brasil?
Pelo sistema de datas, fica fácil demais: o Campeonato Paulista é o mais antigo, de 1902. Mas o que seria dos campeonatos se fossem considerados os times ATUAIS que o disputam, considerando a fundação de cada um, qual seria o campeonato mais tradicional do Brasil, a saber, o que possui os TIMES mais tradicionais? Daí foi ir às contas. Como critério, usei estaduais que tenham, em 2017, que é o ano que nos interessa, um time a menos na Série A do Brasileirão.

Rio de Janeiro:

Bangu 1904
Boavista 2004
Bonsucesso 1913
Botafogo 1904 *
Cabofriense 1997
Campos 1912
Flamengo 1895/1912
Fluminense 1902
Macaé 1990
Madureira 1914
Nova Iguaçu 1990
Portuguesa-RJ 1924
Resende 1909
Tigres do Brasil 2004
Vasco da Gama 1898/1915
Volta Redonda 1976

O Carioca é um dos campeonatos mais tradicionais e um dos mais complexos de fazer a conta. Devido à fundação dos clubes no remo diferir (e estar bem documentada) da do futebol, podemos usar datas de fundação do futebol, como 1911 para o Flamengo, 1918 para o Vasco, etc. Porém, muitos outros clubes no Brasil apresentam datas de fundação controversas, anos no amadorismo, de desfiliação, etc. Portanto, resolvi usar as daas oficiais, menos para o Botafogo, que diferentemente dos co-irmãos cariocas, não apenas introduziu o futebol mais tarde como o fez a partir de um clube associado e posterior fusão.

Média de idade de fundação: 1939,75

São Paulo

Audax 2013*
Botafogo 1918
Corinthians 1910
Ferroviária 1950
Ituano 1947
Linense 1927
Mirassol 1925
Grêmio Novorizontino 2010
Palmeiras 1914
Ponte Preta 1900
Red Bull Brasil 2007
Santos 1912
São Bento 1913
São Bernardo 2004
São Paulo 1935
Santo André 1967

*Foi usado o mesmo critério que com o Botafogo carioca. O Audax foi comprado e passou a mandar os jogos na cidade de Osasco, usando um escudo parecido com o “irmão de fusão” Grêmio Osasco. Creio que foram muitas mudanças para se considerar a continuidade do clube.

Média da idade de fundação: 1949,5

Minas Gerais

América-MG 1912
América-TO 1936
Atlético-MG 1908
Caldense 1925
Cruzeiro 1921
Democrata-GV 1932
Tombense 1914
Tricordiano 2007
Tupi 1912
Uberlândia 1922
URT 1939
Villa Nova 1908

Média: 1928

O tradicionalismo dos times do campeonato mineiro é impressionante. Apenas o Tricordiano destoa, sendo todos os clubes que não ele fundados antes de 1940!

Pernambuco

Afogados 2013
América-PE 1914
Atlético-PE 2006
Belo Jardim 2005
Central 1919
Flamengo de Arcoverde 1959
Náutico 1901
Salgueiro 1972
Santa Cruz 1914
serra Talhada 2011
Sport 1905
Vitória de Santo Antão 2008

Média 1960,583

O Náutico, como o próprio nome indica, entra na mesma situação dos cariocas. A diferença é pouca, já que o Timbu introduziu o futebol em 1905. No entanto, foi considerado o ano de sua fundação global como com seus pares do remo pelo Brasil.

Goiás

Anápolis 1946
Aparecidense 1985
Atlético-GO 1937
CRAC 1931
Goianésia 1955
Goiás 1943
Iporá 2000
Itumbiara 1970
Rio Verde 1963
Villa Nova 1943

Média da idade de fundação: 1957,3

Santa Catarina

Atlético Tubarão 2005
Almirante Barroso 1919*
Avaí 1923
Brusque 1987
Chapecoense 1973
Criciúma 1947
Figueirense 1921
Inter de Lages 1949
Joinville 1976
Metropolitano 2002

Média da idade de fundação: 1960,2

*O Almirante Barroso recebeu o mesmo tratamento dos demais clubes náuticos do Brasil.

Bahia

Atlântico 2000
Bahia 1931
Bahia de Feira 1937
Flamengo de Guanambi 2009
Fluminense de Feira 1941
Galícia 1933
Jacobina 1993
Jacuipense 1965
Juazeirense 2006
Vitória 1899*
Vitória da Conquista 2005

Média: 1965,364

*Vitória com o mesmo tratamento dos clubes de remo cariocas, catarinenses, pernambucanos, etc.

***
Rio Grande do Sul

Brasil 1911
Caxias 1935
Cruzeiro 1913
Grêmio 1903
Internacional 1909
Juventude 1913
Novo Hamburgo 1911
Passo Fundo 1986
São José 1913
São Paulo-RS 1908
Veranópolis 1992
Ypiranga 1924

Média: 1926,5

Por muito pouco, a média de idade de fundação dos clubes gaúchos supera a dos mineiros em pioneirismo e assim sendo, o Gauchão é o campeonato com os times mais tradicionais do Brasil em 2017. MG e RS se destacam nesta conta, podendo variar a “liderança” a depender dos clubes que sobem ou descem. Vemos que este ano apenas Passo Fundo e o incaível Veranópolis destoam da grande tradição dos outros clubes do Rio Grande do Sul.

E o menos tradicional?

Analisando as médias dos campeonatos segundo o critério de possuir um representante ao menos na Série A, vemos que o campeonato “menos tradicional” é o Paranaense, com uma média de 1974,67, apesar da grande tradição de clubes como o Coritiba, o primeiro verdão do Brasil, a grande quantidade de clubes montados no século XXI, que costumam muitas vezes ser taxados de “clubes-empresa”, acaba subindo a média paranaense. Dos participantes de 2017, mais de 50% foram fundados após 1990.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Eliminações precoces em Libertadores

April 11th, 2016 | 2 Comments | Filed in Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Copa Libertadores 2016, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Números, Palmeiras, Paraná, Paulista de Jundiaí, Santo André, Santos, São Paulo, Vasco

Todo ano, um ou mais times se classificam para a erroneamente chamada “pré-libertadores” (existiu uma pré-libertadores, mas era um grupo com 2 mexicanos e 2 venezuelanos de onde saíam 2 para a verdadeira Libertadores), e isso não foi um grande problema até 2011, quando o Corinthians dos “galáticos” Ronaldo e Roberto Carlos, displicente na “pré” como todo brasileiro até então – a ponto da torcida corinthiana colocar apenas 23 mil pagantes no jogo da ida contra o Tolima, algo impensável hoje – foi defenestrado sem nem ao menos marcar um gol e na 37ª posição da Libertadores, entre 38 participantes. Desde então, os clubes têm tomado muito mais cuidado, e a “pré” tem se tornado um grande estorvo pelo calendário ou mesmo pela dificuldade. Pode ser muito facilmente suplantada, como foi pelo Corinthians em 2015, que abriu 4 a 0 no Once Caldas logo na ida, ou muito angustiante, como para gremistas e atleticanos, que precisaram dos pênaltis para avançar aos grupos contra LDU e Sporting Cristal, respectivamente.

Mas uma coisa são dois jogos, onde zebras devem mesmo ocorrer, outra coisa é a fase de grupos, onde o clube brasileiro, de muito investimento, tem SEIS jogos para reverter intempéries (ajuda também o fato de os juízes ainda não estarem tão na seca para eliminar os brasileiros, como invariavelmente ocorre em todo mata-mata). Mesmo assim, com 6 jogos, alto investimento e juizes menos malandros que nas fases agudas, alguns clubes brasileiros conseguem a façanha de serem eliminados nesta fase.

É inevitável a pergunta: o que é mais vexaminoso? Ser eliminado na Pré, ou na Fase de Grupos? Ante tantas subjetividades, vieses, torcida de jornas e imponderabilidade da Libertadores, só nos resta uma arma: a incontestável matemática.

A Libertadores adotou o atual formato de mata-mata antes da fase de grupos em 2005, e o primeiro clube a enfrentá-la foi o Palmeiras, que superou o Tacuary, numa de suas únicas duas participações na Libertadores, e que hoje anda pelos PORÕES da Terceira Divisão paraguaya.

Desde então, ao menos um clube brasileiro participou da pré-libertadores (às vezes dois), e os resultados foram os seguintes:

2005: Tacuary 2 x 4 Palmeiras

2006: Palmeiras 6 x 2 Deportivo Táchira / Deportivo Cuenca 1 x 4 Goiás

2007: Blooming 0 x 6 Santos / Cobreloa 1 x 3 Paraná

2008: Cruzeiro 6 x 3 Cerro Porteño

2009: Palmeiras 7 x 1 Real Potosí

2010: Real Potosí 1 x 8 Cruzeiro

2011: Corinthians 0 x 2 Deportes Tolima / Liverpool 3 x 5 Grêmio

2012: Real Potosí 2 x 3 Flamengo / Internacional 3 x 2 Once Caldas

2013: LDU 1 x 1 Grêmio (4-5 p.) / São Paulo 8 x 4 Bolívar

2014: Sporting Cristal 3 x 3 Atlético Paranaense (5-6 p.) / Deportivo Quito 1-4 Botafogo

2015: Corinthians 5 x 1 Once Caldas

2016: Universidad César Vallejo 1 x 2 São Paulo

Em 18 oportunidades, apenas em 1 o clube brasileiro falhou em passar. O que dá uma percentagem de 5,56%.

 

Desde 2005 pois, eis o retrospecto dos clubes brasileiros na Fase de Grupos:

2005: Atlético-PR, São Paulo, Santos e Palmeiras classificados. Santo André eliminado.

2006: São Paulo, Goiás, Internacional, Palmeiras e Corinthians classificados. Paulista eliminado.

2007: São Paulo, Grêmio, Paraná, Santos e Flamengo classificados. Internacional eliminado (primeiro campeão da história a ser eliminado nos grupos)

2008: Cruzeiro, Flamengo, São Paulo, Fluminense e Santos classificados.

2009: Sport, Palmeiras, São Paulo, Cruzeiro e Grêmio classificados.

2010: Corinthians, Internacional, São Paulo, Cruzeiro e Flamengo classificados.

2011: Grêmio, Fluminense, Internacional, Santos e Cruzeiro classificados.

2012: Santos, Internacional, Fluminense, Vasco e Corinthians classificados. Flamengo eliminado.

2013: Palmeiras, Atlético Mineiro, São Paulo, Corinthians, Fluminense e Grêmio classificados.

2014: Cruzeiro, Atlético Mineiro e Grêmio classificados. Atlético-PR, Botafogo e Flamengo eliminados.

2015: Atlético Mineiro, Corinthians, São Paulo, Cruzeiro, Internacional classificados.

2016: por definir

Foram 53 vezes em que um brasileiro foi classificado, e apenas 7 eliminações. 13,21% de eliminações. O Flamengo foi o único a ser eliminado DUAS vezes dos grupos. Somente Inter, Botafogo e Flamengo foram os considerados grandes a serem eliminados.

Portanto, matematicamente falando, o vexame corinthiano ainda assim é o pior. Caso Grêmio e Atlético Paranaense tivessem perdido as suas disputas por pênaltis, teríamos 16,67% de eliminados na Primeira Fase (o que colocaria ser eliminado nos grupos como maior vergonha), porém ambos escaparam fedendo de tal vergonha.

Portanto, qual o maior vexame até então? Em termos de acontecimento, ainda é a vitória do Tolima contra o Corinthians. Em termos de clube, e claro, considerando eliminações em fases PRECÁRIAS, o Flamengo está bem na frente. Se um clube tem 13,21% de chances de ser eliminado nos grupos, as duas eliminações do Flamengo dão uma porcentagem de 1,74%.

Alguns podem dizer que os cálculos não são precisos, pois a edição de 2016 ainda não definiu seus classificados na fase de grupos. De fato. Nenhum brasileiro ainda está matematicamente dentro, e Palmeiras e São Paulo estão em risco, podendo igualar os co-irmãos Santo André e Paulista como únicos paulistas já eliminados na fase de grupos. Aguardemos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

RONALDINHO GAÚCHO NO FLUMINENSE

July 12th, 2015 | 2 Comments | Filed in Fluminense, Futebol, RJ

torcedorflu

Pensamento de todos os torcedores do Fluminense que habitam até o segundo desvio padrão.

gaussiana

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

No meio do caminho havia uma Barriga

June 28th, 2015 | 4 Comments | Filed in Campeonato Carioca 1995, Fluminense

Há 20 anos o Fluminense campeonava o badalado Carioca de 1995 contra o Flamengo de Romário, Branco e Luxemburgo, o Botafogo de Túlio e, vá lá, o Tricampeão Vasco de Valdir Bigode.

Botafogo e Flamengo rivalizavam as atenções não apenas nos dois turnos iniciais como no 1º turno do Octogonal. Por bonificações, Flamengo e Botafogo entraram com pontos extras, Vasco não lembro e Fluminense e os demais sem nada.

De cara o Fluminense perdeu um jogo para o Botafogo talvez e empatou outro com o América ficando na 2ª rodada OITO pontos atrás do Botafogo com nove pontos. Daí o Botafogo vacilou contra o América e um outro pequeno e o Fluminense saiu papando os clássicos ficando ali na cola de Fla e Bota que lideravam.

A tabela era planejada rodada a rodada. Pois sim, o octogonal NÃO tinha tabela definida no turno de volta e entenderam que Botafogo x Flamengo deveria ser antes da última rodada apesar dos dois estarem à frente na tabela. O jogo não definia a sorte do Fluminense como um todo, mas o confronto direto com o Botafogo não mais ocorreria. A excepcional partida do goleiro Roger que viria a ser reserva de Rogério Ceni no São Paulo manteve o Flamengo na disputa e o manteve com vantagem sobre o adversário direto na última rodada, o ultra azarão Fluminense. Não houve final naquele campeonato, mas uma última rodada de Pontos Corridos com os postulantes se enfrentando.

Ainda que o campeonato tenha se bipolarizado entre Botafogo e Flamengo com Túlio e Romário brigando pela artilharia e título simbólico de Rei do Rio, a má campanha Tricolor levava um gás nos Fla x Flu. Renato Gaúcho desacreditado vindo de um bizarro Galo de 94 nem jogara muito o campeonato. Poucos gols fez, mas os fez justamente contra o Flamengo. O azarão Fluminense empatou em 0x0 na estréia de Romário com Lima parando o melhor do Mundo e depois só deu Flu. 3×1 no returno com Renato marcando e um prenúncio épico no turno do octogonal com um 4×3 com mais gol de Renato e virada após entrada do carrasco Ézio, o Super Ézio.

A pedra no sapato rubro-negro não era, apesar de uma campanha coadjuvante e precisando da vitória, azarão na “final” porque se tinha um time que batia aquele Flamengo era o Flu do decadente Renato. Romário nunca marcara gol no Fluminense e a Tricoloriedade não temia que marcasse.

A farra e a festa foi imensa na chuva do 1º tempo do Maraca com os 2×0 consagradores selando a 3ª vitória seguida, feito inédito para qualquer um dos times em 100 anos do clássico. Assim seria até o apito final não fosse o expatriado do outro lado, Branco, cobrar uma falta do meio da rua no travessão. Aquele chute empurrou o Flamengo aos seus dois gols e o resto é história que eu me recuso a completar.
A apresentação do plantel campeão após 9 anos de fila deixo por conta dos MC’s de contenção, MC Cadu e MC Marcio Costa.

Saudações Tricolores

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

PREVISÕES FUTEBOLÍSTICAS 2015

January 17th, 2015 | 23 Comments | Filed in Atlético-MG, Blablagolianos, Botafogo, Campeonato Brasileiro, Corinthians, Cruzeiro, Estaduais, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Libertadores, Miscelânia, Mundial de Clubes, Observatório, RJ, UCL, Vasco, Zueira

CBF, Parreira, Felipão e Globo vão insistir em esquecer o 7 x 1
Dunga vai insistir no discurso do comprometimento e bater boca nas coletivas
Eurico Miranda vai continuar com suas bravatas
Estaduais esvaziados, ingressos caros, média baixa de público e audiência em queda
Seleção brasileira continua jogando amistosos caça-níqueis
Gilmar Rinaldi continua falando besteiras
Jogadores, treinadores e a imprensa esportiva reclamam do calendário brasileiro
Vasco luta para não cair novamente à Série B
Botafogo passa sufoco na Série B
Clubes tem receitas bloqueadas na justiça, salários e direitos de imagem atrasados
O decadente Loco Abreu cava publicamente uma vaga no Botafogo e Gustavo Gaburah compra essa ideia
Narrações irritantes do Alex Escobar
Galvão Bueno fala demais e não deixa os comentaristas trabalharem nas transmissões
Milton Neves não consegue mais falar sobre futebol e faz o Terceiro tempo apenas programa de Merchan
Tiago Leifert segue mais idiota como nunca
Luis Roberto não vai segurar nas transmissões seus impulsos homossexuais
Arquibancadas centrais vazias
STJD tira pontos de algum clube
CBF tira o seu da reta e coloca a culpa os clubes pelos erros das inscrições dos atletas
Jogos do Botafogo sem torcida
Diretoria do Grêmio tenta repassar desesperadamente o Kléber Gladiador a todos os clubes brasileiros, inclusive ao seu rival Internacional
Diretoria Cruzeiro não consegue repassar Júlio Baptista e anuncia um pacote extra de jogadores como brinde
Torcedores do Fluminense passam o ano lamentando o fim da parceria com a Unimed
Algum clube perde pontos no STJD
De preferência por escalação irregular, especialmente se for pequeno/medio
Diretoria do Fluminense não consegue segurar seus jogadores e tenta reforçar seu time de advogados no STJD
Leandro Damião irrita os cruzeirenses e a diretoria tenta repassá-lo a outro clube
O irritante lateral Danilo continua titularíssimo da seleção do Dunga
Fora do mercado, Joel Santana volta a fazer comerciais
Pelé fala besteiras
Vasco é vice
Valdívia continua no departamento médico
Time entregando jogo na Copa do Brasil para ir à Sudamericana
Crise no Vasco, Eurico proíbe a entrada da imprensa em São Januário
Diretoria, jogadores e comissão técnica pedem o comparecimento da torcida do Botafogo nos seus jogos
Após o término do estadual, começa a novela da renovação do Léo Moura e o atleta escreve no seu instragam o drama de um ídolo não valorizado pela sua história no Flamengo
Fluminense continua sem zaga
Corinthians empata
Vascaínos fazem chororô sobre a arbitragem
Eurico não deixa ninguém falar nos debates esportivos
Jogadores reclamam do calor
Adriano se apresenta ao Le Havre, fala em volta por cima e toma gosto pela vida noturna francesa
Gaburah clama pela volta do Loco Abreu ao Botafogo
Um brasileiro chega na final da Libertadores, tendo eliminado outro brasileiro para isso
A maior felicidade nacional será a eliminação do Corinthians na Libertadores
Brasil perde a Copa América
Um europeu estupra um sulamericano no mundial de clubes outra vez
O Real Madrid não vence a Champions
Pensando bem, Brasil ganha a Copa América (mas a comemoração não chegará a um décimo da eliminação do SCCP na Libertadores)
Dunga vai continuar vencendo e a imprensa reclamando
Liga Europa e Sulamericana terão finais ineditas
Imprensa revoltada com os estaduais
Dirigentes dos clubes grandes omissos diante das atitudes da CBF
O Corinthians não terá o artilheiro do Brasileirão, nem da Libertadores, nem Copa do Brasil, nem Paulista e nem sequer da Copinha ou Brasileiro Sub-20
Um carioca não ganhará o Brasileirão
Fox Sports contrata alguém da Globo
Tiago Leifert segue mais idiota como nunca
Dunga chama Escobar de cagão (não vai acontecer mais seria sensacional)
Luis Roberto não vai segurar nas transmissões seus impulsos homossexuais
Fluminense vai inventar mais um “torcedor” ilustre na Wikipedia
Algum campeão invicto da Libertadores cai na primeira fase
Globo corta o áudio externo das transmissões do Galvão Bueno a fim de evitar o VTNC uníssono da torcida
Globo privilegia o audio de uma torcida visitante na Copa do Brasil, igual na final Cruzeiro x Atlético
Vascaínos culpam a Globo pela má fase

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Fred cirúrgico

August 24th, 2014 | 1 Comment | Filed in Campeonato Brasileiro 2014, Fluminense, Torcidas Organizadas

Fred é cirúrgico em escolher seu inimigo na mitologia futebolera. Organizadas são o que de mais pernicioso existe no futebol e são nessas que Fred, com toda razão, aponta sozinho suas armas.

Os caras são tão imbecis que conseguem a proeza de esvaziar a plausível corneta torcidal que inegavelmente ocorreria dentro do estádio pelos simples resultados recentes do time. Escória, e escória burra.

Bom dia, pessoal! Em nome de todo o grupo de jogadores, estou aqui para pedir um grande favor a vocês: apoiem o nosso time durante os 90 minutos hoje contra o Sport. Esse tipo de pressão que vem sendo feita não ajuda em nada a nossa equipe. Pelo contrário! Só atrapalha e muito. O nosso pedido é dedicado ao verdadeiro torcedor do Fluzão; aquele que comemora os títulos conquistados, mas também dá força nos momentos difíceis. E agora, mais do que nunca, estamos precisando dos gritos de incentivo vindos das “arquibancadas”. O jogo nada mais é do que a prática dos treinamentos realizados durante a semana. Então, como poderemos superar nossos adversários se não estamos tendo tranquilidade para realizar um trabalho bem-feito no dia a dia? Pensem nisso. A história demonstra que juntos somos muito mais fortes: 2009, 2010 e 2012 estão aí para confirmar o que digo. Cheguei aqui há pouco mais de cinco anos e, ao lado dos meus companheiros, contribuí para a fuga épica do rebaixamento, em 2009, além da conquista de dois títulos brasileiros, feitos que não ocorriam há quase 30 anos no clube. Por isso, acredito ter conquistado o carinho e o respeito de quase toda a nação tricolor. Digo quase toda a nação, porque sei que o respeito dos membros de algumas torcidas organizadas do clube nunca mais terei, tendo em vista que fui o maior responsável pelo corte dos subsídios (dinheiro e ingressos) repassados a essas facções. Contudo, o respeito dessas pessoas que utilizam a violência como forma de manifestação também não me interessa. Prefiro canalizar todo o meu carinho para o torcedor do bem, que, para mim, é o verdadeiro tricolor de coração. Venham pro Maraca de coração aberto, pois nosso Time de Guerreiros estará pronto para encarar mais uma batalha ao lado de vocês. Um abraço do Capitão!

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Fred pós-Copa

August 18th, 2014 | 17 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2014, Fluminense

O principal Barbosa de 2014 tirou uns dias para beber seus caipisaquês após a Copa e foi finalmente escalado no banco na partida do Fluminense contra o Flamengo Esmeraldino. Com o time jogando bem e ganhando por 2×0, Fred entrou para ir pegando ritmo de jogo e ser recebido bem por quem finalmente torceria por ele nos estádios brasileiros. Bobagem das bobagens, alardearam que o Barbosa de 2014 estaria no Fluminense na condição de reserva. JORNAS que ganham para confundir ao invés de elucidar.

Viajando para Natal, o “reserva” Fred começa entre os 11 poupando o “titular” Sóbis e traz um 3×0 de vantagem na bagagem para o Rio de Janeiro encaminhando a classificação para as oitavas da Copa do Brasil.

Sentado no banco contra o Flamengo Celso Rothiano no Maracanã, mas com a garantia pública de Cristóvão que entraria no decorrer do jogo, Fred viu tanto a fratura de Gum levar seu técnico errar a contagem de substituições quanto o empate em 1×1 sem ter ele tido qualquer participação naquela partida.

Novamente no escrete inicial, Fred termina o 1º tempo da partida de volta da Copa do Brasil com uma pancada na coxa, mas vitória parcial de 2×1 e um agregado de 5×1. Fred deixa o confronto tendo jogado 3 dos 4 tempos com uma vantagem de pelo menos 3 gols. O time sem Fred leva 4 em 45 minutos.

Finalmente, Fred deixa de ganhar uma partida no clássico contra o Flamengo Que Quase Disse Adeus, perdendo por 2×0 e batendo um pênalti bizonhamente. O clima mesaredondista pós-jogo é tão somente que Fred deve mudar de ares e que o Fluminense está passando dificuldades para adaptar o esquema para um centroavante como Fred.

A contagem é simples:

  • Com Fred: 3×0 e 2×1 contra o América-RN e 0x2 contra um Flamengo em Brasília.
  • Sem Fred: 0x4 em 45′ contra o América-RN e 1×1 contra um Flamengo no Maracanã.

JORNAS, procurem outro bode expiatório para a crise Tricolor. O cone que é centroavante do Fluminense segue sendo melhor que os demais centroavantes dos 19 Flamengos do Campeonato e os reservas de fato do próprio time. Se o Flu está ruim com Fred, pior estará sem ele.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

A murcha chacota Tricolor

August 14th, 2014 | 4 Comments | Filed in América-RN, Copa do Brasil 2014, Fluminense

A falta total de lógica mata-mateira que é um time eliminado de uma competição jogar outra eventualmente melhor fez com que eu não pudesse vivenciar na PLENITUDE a sapatada que o Flu levou ontem.

A egrégora de torcedores tricolores dividiu-se na desconfiança e pouco reagiu.

Só a eliminação do Santos hoje ressarciria um pouco o direito inequívoco à chacota, mas ainda assim com perda de carga.

Mata-Mata de Mosaico.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Depressão Pós-Copa

July 17th, 2014 | 14 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2014, Criciúma, Fluminense


Tricoloriedade aficionada me fez lembrar via Whatsapp que o Fluminense jogaria, Mais do que isso, fizeram-me lembrar que havia Campeonato Brasileiro e mais até, que havia futebol no País off-Copa.

Malditos.

Eu sabia que não aconteceria uma partida bem jogada, não tinha essa ilusão, mas esperava contudo ver ao menos a emulação do comportamento Copal. Porra nenhuma. Transcorreu-se um jogo com faltas de ataque em escanteio, jogador simulando um cai-cai de meio-campo a todo o instante, catimbas pseudo-intimidadoras, um gordo no ataque de um time e um velho no de outro trançando as pernas e conseguindo pênalti.

Dormi forte no intervalo, abri o olho quando estava 3×0 para um dos times e vi que acabou 3×2. Foi até bom o 2º tempo. Agora é esperar as alternativas que as outras depressões pós-Copas mostraram existir:

  1. Anestesiar-se e aos poucos ir assimilando essa bosta tal qual convivemos com Skol, Antartica, Heineken, Brahma e Itaipava depois de conhecer cerveja boa.
  2. Ir catar os campeonatos da Europa naqueles horários em que não se deve estar em casa.
  3. Copa América vem aí.

Besta que sou, penso que tenho opção. Em breve estarei eu vendo a merda do Brasileiro, uma vez que é necessário como mínima base de relacionamento familiar, social e profissional. Futebol é pior que religião. PQP. Achar que me livrarei do futebol zeropontista por conta de um faniquito previsível é acreditar que não terei de encarar Pilsens brasileiras nos diversos churrascos que virão.

Urso da Copa da Rússia

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

O ídolo próximo

July 6th, 2014 | 6 Comments | Filed in Fluminense

A galera na arquibancada vai sentir falta daquele ídolo tão presente na vida do clube, mas o Fluminense Celestial está fortíssimo com o Casal 20 novamente junto. Telê vai dar um jeito de encaixar a dupla com Super Ézio no ataque.

Casal 20

Por Marcelão, no Facebook

O Assis era o ídolo mais próximo da galera que já vi. Cansei de encontrar no maraca… um dos poucos que me fez passar pelo papel de “tiete”.

Voltando dos EUA logo depois que o Flu ganhou do Palmeiras em 2012, encontrei o Carrasco no aeroporto e gritei la do outro lado do saguão:

“ASSISSSSS , É TETRA CARALHOOOO”

Ele sempre simpático olhou pro maluco que gritava o nome dele e acenou.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.