Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Artigos sobre ‘CO’

O Campeonato Gaúcho é o mais tradicional do Brasil

February 12th, 2017 | 2 Comments | Filed in América, América-MG, Atlético-GO, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Botafogo-SP, Chapecoense, Clubes, CO, Corinthians, Coritiba, Criciúma, Criciúma, Cruzeiro, Estaduais, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Friburguense, Futebol, Goiás, Grêmio, INTERIOR, Internacional, Ituano, Ituano, Linense, MG, Náutico, Números, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, PR, PR, RJ, RJ, RS, RS, Santa Cruz, Santo André, Santos, São Paulo, SC, SC, SP, SP, Sport, Tupi, Vasco, Vitória

Os campeonatos estaduais começaram e uma pergunta não saía do cabeça do uma pessoa do Brasil: qual estadual é o mais tradicional do Brasil?
Pelo sistema de datas, fica fácil demais: o Campeonato Paulista é o mais antigo, de 1902. Mas o que seria dos campeonatos se fossem considerados os times ATUAIS que o disputam, considerando a fundação de cada um, qual seria o campeonato mais tradicional do Brasil, a saber, o que possui os TIMES mais tradicionais? Daí foi ir às contas. Como critério, usei estaduais que tenham, em 2017, que é o ano que nos interessa, um time a menos na Série A do Brasileirão.

Rio de Janeiro:

Bangu 1904
Boavista 2004
Bonsucesso 1913
Botafogo 1904 *
Cabofriense 1997
Campos 1912
Flamengo 1895/1912
Fluminense 1902
Macaé 1990
Madureira 1914
Nova Iguaçu 1990
Portuguesa-RJ 1924
Resende 1909
Tigres do Brasil 2004
Vasco da Gama 1898/1915
Volta Redonda 1976

O Carioca é um dos campeonatos mais tradicionais e um dos mais complexos de fazer a conta. Devido à fundação dos clubes no remo diferir (e estar bem documentada) da do futebol, podemos usar datas de fundação do futebol, como 1911 para o Flamengo, 1918 para o Vasco, etc. Porém, muitos outros clubes no Brasil apresentam datas de fundação controversas, anos no amadorismo, de desfiliação, etc. Portanto, resolvi usar as daas oficiais, menos para o Botafogo, que diferentemente dos co-irmãos cariocas, não apenas introduziu o futebol mais tarde como o fez a partir de um clube associado e posterior fusão.

Média de idade de fundação: 1939,75

São Paulo

Audax 2013*
Botafogo 1918
Corinthians 1910
Ferroviária 1950
Ituano 1947
Linense 1927
Mirassol 1925
Grêmio Novorizontino 2010
Palmeiras 1914
Ponte Preta 1900
Red Bull Brasil 2007
Santos 1912
São Bento 1913
São Bernardo 2004
São Paulo 1935
Santo André 1967

*Foi usado o mesmo critério que com o Botafogo carioca. O Audax foi comprado e passou a mandar os jogos na cidade de Osasco, usando um escudo parecido com o “irmão de fusão” Grêmio Osasco. Creio que foram muitas mudanças para se considerar a continuidade do clube.

Média da idade de fundação: 1949,5

Minas Gerais

América-MG 1912
América-TO 1936
Atlético-MG 1908
Caldense 1925
Cruzeiro 1921
Democrata-GV 1932
Tombense 1914
Tricordiano 2007
Tupi 1912
Uberlândia 1922
URT 1939
Villa Nova 1908

Média: 1928

O tradicionalismo dos times do campeonato mineiro é impressionante. Apenas o Tricordiano destoa, sendo todos os clubes que não ele fundados antes de 1940!

Pernambuco

Afogados 2013
América-PE 1914
Atlético-PE 2006
Belo Jardim 2005
Central 1919
Flamengo de Arcoverde 1959
Náutico 1901
Salgueiro 1972
Santa Cruz 1914
serra Talhada 2011
Sport 1905
Vitória de Santo Antão 2008

Média 1960,583

O Náutico, como o próprio nome indica, entra na mesma situação dos cariocas. A diferença é pouca, já que o Timbu introduziu o futebol em 1905. No entanto, foi considerado o ano de sua fundação global como com seus pares do remo pelo Brasil.

Goiás

Anápolis 1946
Aparecidense 1985
Atlético-GO 1937
CRAC 1931
Goianésia 1955
Goiás 1943
Iporá 2000
Itumbiara 1970
Rio Verde 1963
Villa Nova 1943

Média da idade de fundação: 1957,3

Santa Catarina

Atlético Tubarão 2005
Almirante Barroso 1919*
Avaí 1923
Brusque 1987
Chapecoense 1973
Criciúma 1947
Figueirense 1921
Inter de Lages 1949
Joinville 1976
Metropolitano 2002

Média da idade de fundação: 1960,2

*O Almirante Barroso recebeu o mesmo tratamento dos demais clubes náuticos do Brasil.

Bahia

Atlântico 2000
Bahia 1931
Bahia de Feira 1937
Flamengo de Guanambi 2009
Fluminense de Feira 1941
Galícia 1933
Jacobina 1993
Jacuipense 1965
Juazeirense 2006
Vitória 1899*
Vitória da Conquista 2005

Média: 1965,364

*Vitória com o mesmo tratamento dos clubes de remo cariocas, catarinenses, pernambucanos, etc.

***
Rio Grande do Sul

Brasil 1911
Caxias 1935
Cruzeiro 1913
Grêmio 1903
Internacional 1909
Juventude 1913
Novo Hamburgo 1911
Passo Fundo 1986
São José 1913
São Paulo-RS 1908
Veranópolis 1992
Ypiranga 1924

Média: 1926,5

Por muito pouco, a média de idade de fundação dos clubes gaúchos supera a dos mineiros em pioneirismo e assim sendo, o Gauchão é o campeonato com os times mais tradicionais do Brasil em 2017. MG e RS se destacam nesta conta, podendo variar a “liderança” a depender dos clubes que sobem ou descem. Vemos que este ano apenas Passo Fundo e o incaível Veranópolis destoam da grande tradição dos outros clubes do Rio Grande do Sul.

E o menos tradicional?

Analisando as médias dos campeonatos segundo o critério de possuir um representante ao menos na Série A, vemos que o campeonato “menos tradicional” é o Paranaense, com uma média de 1974,67, apesar da grande tradição de clubes como o Coritiba, o primeiro verdão do Brasil, a grande quantidade de clubes montados no século XXI, que costumam muitas vezes ser taxados de “clubes-empresa”, acaba subindo a média paranaense. Dos participantes de 2017, mais de 50% foram fundados após 1990.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Um lugarzinho no Maraca para a Torcida do Goiás

November 6th, 2013 | 23 Comments | Filed in Copa do Brasil 2013, Estrutura, Flamengo, Goiás

A torcida Urubulina anda brava com os lugares não comercializados no Maracanã para a semifinal da Copa do Brasil. Os torcedores do Goiás terão além dos ingressos para ocupação, a necessidade logística de um vazio circundante para sua acomodação, como explica o GEPE:

Podemos sentar, tentar achar alguma solução com o Consórcio e o Corpo de Bombeiros para a final. Mas de segunda-feira para terça não resolveríamos para esse jogo. O trabalho do Flamengo é pensar no futebol, o meu é zelar pela segurança de todos que vão ao estádio. Seria necessário refazer esse acesso às arquibancadas. Seria uma obra de estrutura, porque o acesso é um só para o setor inteiro. Mas como fazer isso agora, com a Copa já no ano que vem? Depois da Copa, a Concessionária pode estudar isso. Até sugerimos barreiras móveis, como usamos em Volta Redonda, mas o problema é o acesso.

Se eu dividir a rampa ao meio, diminuo a capacidade de evacuação da arquibancada. Caso aconteça uma emergência, como eu tiro todo mundo de lá? Eu precisaria colocar uma torcida de cada vez. E aí, para permitir o acesso da primeira, a segunda só conseguiria entrar no intervalo. O torcedor compra ingresso e tem direito de ver o jogo todo. Senão, respondo por isso como abuso de autoridade. E, uma vez que os torcedores estejam dividindo a arquibancada, se o Goiás se classifica, a torcida vai querer comemorar. E a torcida do Flamengo vai se irritar, porque é a casa deles. Como eu protejo esses torcedores? Vou impedi-los de comemorar? Eu entendo a posição do Flamengo, do torcedor do Flamengo que queria mais ingressos, mas são muitos aspectos de segurança que precisam ser vistos.

Foi uma escolha de fundo cultural, absolutamente coerente com as preocupações à respeito de uma torcida que sem o menor pudor justificou pela sua própria violência a retirada de inúmeros mandos de jogo dos rivais em seus estádios como o Botafogo no Engenhão e o Vasco em São Januário, caso esse um dia tivesse querido jogar clássicos por lá (embora jamais quisera). Civilidade de torcida com o rival só funciona em marketing viral.

Ao Flamengo resta o consolo de reclamar com a barriga cheia, pois o GEPE que fora tão inflexível com a impossibilidade do Engenhão receber clássicos (envolvendo o Flamengo, claro) enquanto existia o Maracanã não mandou o time ir jogar em Brasília ou no cu do Conde em nome da propalada Segurança que tão conveniente fora em questões de clássicos ao Flamengo e sua Torcida. Hoje, intenciona racionalmente sentar-se com o Consórcio Maracanã e Corpo de Bombeiros para viabilizar a ocupação total de rubronegristas em jogos futuros com a inconveniente presença de visitantes, o que é o correto diga-se. GEPE, quem te viu, quem te vê.

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Golaço anti-pseudofairplayrização

July 10th, 2013 | 22 Comments | Filed in Atlético-GO, Copa do Brasil 2013, Cruzeiro

Marcio BoladãoMassagista tropicante e Marcio pererecante tomaram o 1º gol do Cruzeiro sem choro nem vela.

Jogadores se machucam, mas a ética porca da classe de jogadores de Série A brasileira justifica que não se pare o lance. Marcio de fato tomou uma bela pezada na fuça, mas pagou por um sem número de simulações de contusão na onda desse salva cu da falta de árbitros cubanos no Brasil.

Eu lembro que tirei a bola, depois me choquei com o Artur. Acho que fiquei meio desacordado, e a partida seguiu. Fui para a bola, por causa de meu instinto de goleiro, de tentar defender. Foi isso que eu falei para o árbitro, mas infelizmente alguns árbitros acham que entendem um pouco de medicina. Ele não tinha condição de avaliar se eu estava bem ou mal.

Tendo ou não condições de avaliar, o árbitro acertou e Marcio ainda teve energias para levar mais 4 gols na partida.  Golaço anti-pseudofairplayrização.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Botafogo 4×0 Atlético-GO – Dark Side of the Moon

October 27th, 2012 | 23 Comments | Filed in Atlético-GO, Botafogo, Campeonato Brasileiro 2012

Por Taís Loureiro e pequena observação do Gaburah

Se correr o bicho pega. Se ficar…

A goleada de hoje…

Estamos felizes, é bom ganhar e poder abrir uma cerva gelada pra comemorar a vitória deste clube que amamos, mas…

Adversário muito fraco, não ofereceu resistência e o BFR soube se aproveitar disso. Alias, isso merece ser ressaltado, uma vez que o alvinegro ama ressuscitar defunto… As vezes parece uma necrópsia…

A movimentação do uruguayo Lodeiro buscando sempre oferecer alternativas e oportunidades ao ataque, merece ser destacada, bem como a personalidade do Gabriel, que estava bem enquadrado dentro de campo, no esquema do meio de campo que hoje pareceu funcionar…

Jefferson com tranquilidade e e segurança de sempre,que lhe são peculiares, todavia não teve muito trabalho… Pode guardar a roupa pra usar na próxima partida…

Bruno Mendes e a luta e o oportunismo, poderoso nos chutes, o que faltava ha tempos no time alvinegro…fazer a renovação é preciso e ele é a cara da mudança, sendo esta positiva.

Elkeson precisa voltar a fazer o simples… Quem muito inventa, não chega ao objetivos claros e necessários dos pontos da tabela.

OdeO nada a declarar… Ganha moral com a goleada em cima do rebaixado e ainda dará uma entrevista se sentindo por cima da carne seca.

Para finalizar, deixamos nosso apoio ao mito Seedorf, este sim, herói em cada jogo. A euforia deste ilustre jogador ao comemorar o primeiro gol foi a alegria puramente alvinegra. #Força Sedoorf!

*****

Nêgo Seed saiu chorando de campo. Belíssima imagem que ilustra o comprometimento de um jogador que honra a camisa que veste. Mas na real, acho que ele também chora pelo mesmo motivo que eu (Gaburah): com essa sequência de resultados favoráveis contra as carnes mortas do campeonato (e vai ser assim até o fim), OdeO vai fazendo seu filminho e periga acabar ficando pra 2013. Aí encaramos outra fiasqueira e as PUTAS ARREPENDIDAS só vão colocar a mão na cabeça no returno do Brasileiro. Aí amigo, Feliz 2014.

Esquema? Que esquema? Se não fosse pelos jogadores, OdeO tinha afundado (ainda mais) o time há muito tempo, como fez até brotar um Bruno Mendes do nada.

#TENSO

*****

Rumo ao gol mil…

Túlio Maravilha deu o pontapé para conquistar os seis gols rumo ao milésimo hoje. Não marcou porque não joga sozinho. Mas estamos com o Fanfarrão do Bem onde o Fanfarrão do Bem estiver. MÍTICO ÍDOLO IMORTAL.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Copa do Brasil 2012: Quartas de Final

May 16th, 2012 | 31 Comments | Filed in Atlético-PR, Bahia, Copa do Brasil 2012, Coritiba, Goiás, Grêmio, Palmeiras, São Paulo, Vitória

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Copa do Brasil 2012: Oitavas de Final

April 25th, 2012 | 94 Comments | Filed in Atlético-MG, Atlético-PR, Bahia, Botafogo, Copa do Brasil 2012, Coritiba, Cruzeiro, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Palmeiras, Paraná, Paysandu, Ponte Preta, Portuguesa, São Paulo, Vitória

Dispute-se igualmente.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Atlético-GO 2X0 Botafogo – Harry Potter e a Pedra Filosofada

October 2nd, 2011 | 60 Comments | Filed in Atlético-GO, Botafogo, Campeonato Brasileiro 2011

Cuidado que é pequeno mas machuca...

Nem tanto me preocupa o resultado já que A Pedra, como filosofada em verso e prosa pela Voz da Experiência deste blog, vem tirando pontos de muita gente que está na briga lá na ponta superior da tabela. Aliado ao fato da partida ser em Goiânia, o resultado seria esperado e, de certa forma, aceitável.

O que me chama atenção e causa preocupação é a APATIA INEXPLICÁVEL que se abateu sobre o Botafogo desde o empate contra o São Paulo. Parece que o Glorioso ainda não se recuperou daquele segundo tempo, e isso deu o tom das partidas contra o Santa Fé e agora o Dragão.

Tá certo que era time reserva na Sula e tal, mas é facilmente perceptível como o time está jogando sem brio, sem aquele sanguenozóio [botafoguense, rafael] que vinha enchendo a torcida de esperança e orgulho.

Sei não… Posso estar sendo precipitado, mas esse hiato em que o Botafogo se encontra neste momento é preocupante. Pode perder? Em uma partida assim, até pode. Não pode é jogar como time sem ambições no torneio.

Estacionados nos 45 pontos, ainda com um jogo a menos. Há esperança, mas é aquele papo: a sorte favorece a quem está preparado.

*****

Nem essa derrota me rouba a felicidade da melhor notícia da semana: Botafogo jogando de luto pela Fila é a realização de um sonho.

Que venha uma fornecedora de material esportivo de verdade e com ela mantos alvinegros que respeitem as tradições do Glorioso.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Bendito Diego Souza

September 26th, 2011 | 46 Comments | Filed in Atlético-GO, Campeonato Brasileiro 2011, Cruzeiro, Vasco

Diego Souza está aceso

Como torcedor sensato que sou, SEMPRE soube o grande o jogador que é o camisa dez da Colina. Jogador rápido, lutador, objetivo, e decisivo.  Sempre confiei nele, nas últimas duas semanas.

Com Diego Souza jogando assim, e Juninho jogando como sempre, mas correndo como há dez anos, o Vasco é o favorito ao título. Mesmo sem nenhum centroavante.

Aliás, existem coisas feias de serem escritas, mas que nem por isso deixam de ser verdades. Uma delas é dizer que o AVC de Ricardo Gomes foi bom para o Vasco. Tanto pelo aspecto psicológico, que deu um mártir ao clube, quanto pelo aspecto técnico. Cristóvão Borges escala melhor, e substitui melhor que seu superior. Resta apenas saber se com a volta do Felipe (que não faz falta nenhuma ao time) o interino terá força para manter o esquema atual.

****

O abatimento do Montillo após a partida foi impressionante. Tanto quanto o sistema defensivo do Cruzeiro, horroroso. Toda hora a defesa azul ficava “vazia”. Muito esquisito. Acho que erraram feio ao mandar Joel embora, melhor tomar cuidado com a zona.

****

Mais uma vez a Pedra aprontou. Com dois a menos, buscou o empate contra o Palmeiras. O Botafogo que se cuide.

****

Vasco x Corinthians,  São Paulo x Flamengo, Atlético-GO x Botafogo, Fluminense x Santos.  Mais uma rodada com tudo pro Vasco permanecer na liderança.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

O Atlético-GO é a Pedra no Caminho

September 23rd, 2011 | 9 Comments | Filed in Atlético-GO, Campeonato Brasileiro 2011, Vasco

O Vasco empatou em casa com o Atlético-GO, e mesmo assim, não achei o resultado ruim. O Gigante da Colina manteve a ponta num jogo complicado, com desfalques importantes. Há circunstâncias que fogem ao controle do jogo em si.

Contra o Flamengo, o Vasco com um a mais em campo, jogando melhor, tinha tudo para vencer. Mas Ricardo Gomes teve aquele problema, e com certeza isso atrapalhou o resultado. Ontem, Éder Luís e Fágner se machucaram, e o time tomou um gol logo no início.

Além disso, o Atlético-GO é um bom time, que já conseguiu resultados expressivos na temporada, é muito bem armado (mais um bom trabalho do Hélio dos Anjos). Tem bons jogadores, Anselmo, inclusive, teria vaga no próprio Vasco.

O time goiano vai tirar pontos de outros postulantes ao título (ainda vai jogar com todos, e com alguns na sua casa).

O Dragão é um time a ser observado nessa reta final de campeonato.

 

Atlético-GO em ação

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

O buraco azul (e alguns outros) é mais embaixo

August 18th, 2011 | 10 Comments | Filed in Atlético-GO, Atlético-MG, Botafogo, Campeonato Brasileiro 2011, Cruzeiro, Flamengo

Torcedor tem mania de técnico. Fato. Torcedor costuma ser chato. Fato. Torcedor teima em se levar pelas opiniões daqueles que ele julga “entendidos do riscado”. Fato. E, por isso, parte da torcida do Cruzeiro (e alguns outros “entendidos“) têm afirmado com veemência que o grande problema do time azul das Minas Gerais é aquele barrigudo boa-praça que senta no banco de reservas e comanda a equipe com uma singela pranchetinha.

Barrigudinho boa-praça

Barrigudinho boa-praça

Longe do problema do Cruzeiro ser Joel Santana. O Natalino tem uma forma de trabalhar que é, ao meu ver, bastante simplória, mas que conquista resultados satisfatórios. Ao mexer com os brios das equipes que comanda e trazer o time pra perto de si, ele conquista a confiança dos jogadores e o time responde muito bem. Foi isso que se viu quando a Raposa-Que-Come-Pão-de-Queijo ganhou 4 jogos em 5 disputados (inclusive tirando a invencibilidade do Corinthians em pleno Pacaembú), se afastou da zona de rebaixamento e iniciou uma reação.

A partir daí, a torcida comprou o boi da equipe e passou a acreditar. Veio um tropeço num jogo contra o Atlético-GO fora de casa. Duas derrotas, uma para Botafogo e outra para o Flamengo, ambas na Arena do Jacaré e, por fim, outra derrota para o Internacional, no Beira-Rio. Pelo lado frio da coisa, resultados até normais. Mas quem tem c* Joel, tem medo e a pressão atacou a Toca da Raposa.

O Cruzeiro venceu bem o Avaí em Uberlândia, o que era de se esperar e perdeu outra, dessa vez para um renascido Atlético, em Curitiba. E eu voltei a escutar a ladainha: “Pô, mas com Joel é isso aí. Fora Natalino!

Não, meus amigos, não. Pela falta de um camisa 9 de qualidade, de dois laterais razoáveis e com desfalques sérios no miolo de zaga, é que a coisa apertou. Victorino, o xerife, veio machucado da Copa América e não jogou. Cribari ainda não estreiou. Keirrison e Bobô só chegaram agora, além do indefectível talento de W. Parede que voltou de “férias” do Palmeiras. Outro ponto importante para a queda de rendimento do Cruzeiro, mesmo com Joel, é a falta que faz Henrique, um dos pilares do meio-de-campo forte que sempre foi a marca registrada da base iniciada por Dorival Júnior e montada por Adílson Batista, nos idos de 2008. A vinda de Charles, apenas apara a aresta, mas aquele espaço não vai ser mais o mesmo, por enquanto.

O time é bom, não há dúvidas. A saída de T. Ribeiro, em virtude das circunstâncias, pode não ser tão sentida. Wallyson fará mais falta. Mas a torcida tem que saber que, em 2011, teremos uma temporada bem mais complicada do que as anteriores. Só resta torcer pra que a sucessão no alto comando do Cruzeiro seja tranquila. Crise política é a última coisa que o clube precisa.

*****

Por falar em crise…

O que acontece no lado alvinegro de Belo Horizonte não é brincadeira. Com uma rotação de material humano nunca antes vista na história deste País, o Galo vem sofrendo com uma administração que beira a irresponsabilidade.

E aí, presida? Comofas?

E aí, presida? Comofas?

Contratações sem critério, um time que não se acerta, a cobrança enorme de uma torcida que já não aguenta mais a situação, tudo tem feito para que um time que tem tudo para ir bem, pelo menos no papel, não consiga, sequer, ter padrão de jogo. O que aconteceu com o Clube Atlético Mineiro, eu deixo para o Kalil explicar. Eu não consigo.

****

Perder para o Atlético-GO fora de casa é tropeço? E de goleada, em pleno Engenhão? É vexame, Saulo?

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.