Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Artigos sobre ‘Números’

O Campeonato Gaúcho é o mais tradicional do Brasil

February 12th, 2017 | 2 Comments | Filed in América, América-MG, Atlético-GO, Atlético-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, Botafogo, Botafogo-SP, Chapecoense, Clubes, CO, Corinthians, Coritiba, Criciúma, Criciúma, Cruzeiro, Estaduais, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Friburguense, Futebol, Goiás, Grêmio, INTERIOR, Internacional, Ituano, Ituano, Linense, MG, Náutico, Números, Palmeiras, Paraná, Ponte Preta, PR, PR, RJ, RJ, RS, RS, Santa Cruz, Santo André, Santos, São Paulo, SC, SC, SP, SP, Sport, Tupi, Vasco, Vitória

Os campeonatos estaduais começaram e uma pergunta não saía do cabeça do uma pessoa do Brasil: qual estadual é o mais tradicional do Brasil?
Pelo sistema de datas, fica fácil demais: o Campeonato Paulista é o mais antigo, de 1902. Mas o que seria dos campeonatos se fossem considerados os times ATUAIS que o disputam, considerando a fundação de cada um, qual seria o campeonato mais tradicional do Brasil, a saber, o que possui os TIMES mais tradicionais? Daí foi ir às contas. Como critério, usei estaduais que tenham, em 2017, que é o ano que nos interessa, um time a menos na Série A do Brasileirão.

Rio de Janeiro:

Bangu 1904
Boavista 2004
Bonsucesso 1913
Botafogo 1904 *
Cabofriense 1997
Campos 1912
Flamengo 1895/1912
Fluminense 1902
Macaé 1990
Madureira 1914
Nova Iguaçu 1990
Portuguesa-RJ 1924
Resende 1909
Tigres do Brasil 2004
Vasco da Gama 1898/1915
Volta Redonda 1976

O Carioca é um dos campeonatos mais tradicionais e um dos mais complexos de fazer a conta. Devido à fundação dos clubes no remo diferir (e estar bem documentada) da do futebol, podemos usar datas de fundação do futebol, como 1911 para o Flamengo, 1918 para o Vasco, etc. Porém, muitos outros clubes no Brasil apresentam datas de fundação controversas, anos no amadorismo, de desfiliação, etc. Portanto, resolvi usar as daas oficiais, menos para o Botafogo, que diferentemente dos co-irmãos cariocas, não apenas introduziu o futebol mais tarde como o fez a partir de um clube associado e posterior fusão.

Média de idade de fundação: 1939,75

São Paulo

Audax 2013*
Botafogo 1918
Corinthians 1910
Ferroviária 1950
Ituano 1947
Linense 1927
Mirassol 1925
Grêmio Novorizontino 2010
Palmeiras 1914
Ponte Preta 1900
Red Bull Brasil 2007
Santos 1912
São Bento 1913
São Bernardo 2004
São Paulo 1935
Santo André 1967

*Foi usado o mesmo critério que com o Botafogo carioca. O Audax foi comprado e passou a mandar os jogos na cidade de Osasco, usando um escudo parecido com o “irmão de fusão” Grêmio Osasco. Creio que foram muitas mudanças para se considerar a continuidade do clube.

Média da idade de fundação: 1949,5

Minas Gerais

América-MG 1912
América-TO 1936
Atlético-MG 1908
Caldense 1925
Cruzeiro 1921
Democrata-GV 1932
Tombense 1914
Tricordiano 2007
Tupi 1912
Uberlândia 1922
URT 1939
Villa Nova 1908

Média: 1928

O tradicionalismo dos times do campeonato mineiro é impressionante. Apenas o Tricordiano destoa, sendo todos os clubes que não ele fundados antes de 1940!

Pernambuco

Afogados 2013
América-PE 1914
Atlético-PE 2006
Belo Jardim 2005
Central 1919
Flamengo de Arcoverde 1959
Náutico 1901
Salgueiro 1972
Santa Cruz 1914
serra Talhada 2011
Sport 1905
Vitória de Santo Antão 2008

Média 1960,583

O Náutico, como o próprio nome indica, entra na mesma situação dos cariocas. A diferença é pouca, já que o Timbu introduziu o futebol em 1905. No entanto, foi considerado o ano de sua fundação global como com seus pares do remo pelo Brasil.

Goiás

Anápolis 1946
Aparecidense 1985
Atlético-GO 1937
CRAC 1931
Goianésia 1955
Goiás 1943
Iporá 2000
Itumbiara 1970
Rio Verde 1963
Villa Nova 1943

Média da idade de fundação: 1957,3

Santa Catarina

Atlético Tubarão 2005
Almirante Barroso 1919*
Avaí 1923
Brusque 1987
Chapecoense 1973
Criciúma 1947
Figueirense 1921
Inter de Lages 1949
Joinville 1976
Metropolitano 2002

Média da idade de fundação: 1960,2

*O Almirante Barroso recebeu o mesmo tratamento dos demais clubes náuticos do Brasil.

Bahia

Atlântico 2000
Bahia 1931
Bahia de Feira 1937
Flamengo de Guanambi 2009
Fluminense de Feira 1941
Galícia 1933
Jacobina 1993
Jacuipense 1965
Juazeirense 2006
Vitória 1899*
Vitória da Conquista 2005

Média: 1965,364

*Vitória com o mesmo tratamento dos clubes de remo cariocas, catarinenses, pernambucanos, etc.

***
Rio Grande do Sul

Brasil 1911
Caxias 1935
Cruzeiro 1913
Grêmio 1903
Internacional 1909
Juventude 1913
Novo Hamburgo 1911
Passo Fundo 1986
São José 1913
São Paulo-RS 1908
Veranópolis 1992
Ypiranga 1924

Média: 1926,5

Por muito pouco, a média de idade de fundação dos clubes gaúchos supera a dos mineiros em pioneirismo e assim sendo, o Gauchão é o campeonato com os times mais tradicionais do Brasil em 2017. MG e RS se destacam nesta conta, podendo variar a “liderança” a depender dos clubes que sobem ou descem. Vemos que este ano apenas Passo Fundo e o incaível Veranópolis destoam da grande tradição dos outros clubes do Rio Grande do Sul.

E o menos tradicional?

Analisando as médias dos campeonatos segundo o critério de possuir um representante ao menos na Série A, vemos que o campeonato “menos tradicional” é o Paranaense, com uma média de 1974,67, apesar da grande tradição de clubes como o Coritiba, o primeiro verdão do Brasil, a grande quantidade de clubes montados no século XXI, que costumam muitas vezes ser taxados de “clubes-empresa”, acaba subindo a média paranaense. Dos participantes de 2017, mais de 50% foram fundados após 1990.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

200 vezes menor

April 28th, 2016 | No Comments | Filed in Campeonato Paulista 2016, Corinthians, Futebol, Miscelânia, Números, Palmeiras, Santos, São Paulo, SP

Expressão comum é dizer que algo é “200 vezes menor”, “200 vezes maior” ou “já te falei 200 vezes”. É uma hipérbole, uma figura de linguagem, e por algum motivo desconhecido o número 200 sempre vêm à nossa cabeça. Porém, quando o assunto é a renda líquida do campeonato paulista, não há exagero nenhum em comparar dois dos principais rivais da capital paulista. Segue artigo de Jorge Nicola:

A decepção do São Paulo com o Paulistão não se resumiu a mais uma eliminação nas quartas de final para um pequeno. Financeiramente, o clube praticamente não lucrou com bilheteria. Somados os oito jogos como mandante e o de domingo, contra o Audax, em que a renda foi dividida, o Tricolor embolsou só R$ 39 mil.

Detalhe: o São Paulo acumulava prejuízo de R$ 19 mil até a goleada sofrida por 4 a 1 para o Audax, em Osasco. Os 7.920 pagantes garantiram uma renda de R$ 327 mil, porém, com os descontos, que incluíram 15% de aluguel, 5% da taxa à FPF, entre outras, sobraram míseros R$ 60 mil ao clube do Morumbi.

A comparação com os rivais da capital torna a arrecadação são-paulina no Paulistão ainda mais trágica. O Corinthians ficou próximo da marca de R$ 8 milhões com seus jogos em casa, enquanto o Palmeiras embolsou mais de R$ 3,7 milhões – já incluindo as partidas de quartas de final em Itaquera e no Allianz.

Um fator que influenciou para a baixíssima arrecadação do SPFC foi o fato do time ter jogado algumas partidas no Pacaembu, sendo que a bilheteria arrecadada da baixíssima média de público são-paulina não foi suficiente para cumprir com as despesas de aluguel. Paradoxalmente, segundo testemunhas, a torcida são-paulina cantava “não alugo estádio” enquanto o clube tinha um prejuízo maior que 100 mil reais por jogo a cada partida jogada no Pacaembu.

Porém, os vexames não são tão grandes assim para a torcida tricolor quando o assunto acaba sendo a média de público. O time conseguiu a quarta maior média de público, com 7.158 pagantes por jogo, ficando atrás dos rivais Corinthians (30.981), Palmeiras (20.271) e Santos (9.892) – este último ainda terá a média de público levemente alterada, por estar na final do campeonato, quem sabe podendo superar os 10 mil. Se em bilheteria o SPFC fica 200 vezes atrás dos maiores rivais, em média tem apenas pouco mais de 4 vezes menos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Eliminações precoces em Libertadores

April 11th, 2016 | 2 Comments | Filed in Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Copa Libertadores 2016, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Números, Palmeiras, Paraná, Paulista de Jundiaí, Santo André, Santos, São Paulo, Vasco

Todo ano, um ou mais times se classificam para a erroneamente chamada “pré-libertadores” (existiu uma pré-libertadores, mas era um grupo com 2 mexicanos e 2 venezuelanos de onde saíam 2 para a verdadeira Libertadores), e isso não foi um grande problema até 2011, quando o Corinthians dos “galáticos” Ronaldo e Roberto Carlos, displicente na “pré” como todo brasileiro até então – a ponto da torcida corinthiana colocar apenas 23 mil pagantes no jogo da ida contra o Tolima, algo impensável hoje – foi defenestrado sem nem ao menos marcar um gol e na 37ª posição da Libertadores, entre 38 participantes. Desde então, os clubes têm tomado muito mais cuidado, e a “pré” tem se tornado um grande estorvo pelo calendário ou mesmo pela dificuldade. Pode ser muito facilmente suplantada, como foi pelo Corinthians em 2015, que abriu 4 a 0 no Once Caldas logo na ida, ou muito angustiante, como para gremistas e atleticanos, que precisaram dos pênaltis para avançar aos grupos contra LDU e Sporting Cristal, respectivamente.

Mas uma coisa são dois jogos, onde zebras devem mesmo ocorrer, outra coisa é a fase de grupos, onde o clube brasileiro, de muito investimento, tem SEIS jogos para reverter intempéries (ajuda também o fato de os juízes ainda não estarem tão na seca para eliminar os brasileiros, como invariavelmente ocorre em todo mata-mata). Mesmo assim, com 6 jogos, alto investimento e juizes menos malandros que nas fases agudas, alguns clubes brasileiros conseguem a façanha de serem eliminados nesta fase.

É inevitável a pergunta: o que é mais vexaminoso? Ser eliminado na Pré, ou na Fase de Grupos? Ante tantas subjetividades, vieses, torcida de jornas e imponderabilidade da Libertadores, só nos resta uma arma: a incontestável matemática.

A Libertadores adotou o atual formato de mata-mata antes da fase de grupos em 2005, e o primeiro clube a enfrentá-la foi o Palmeiras, que superou o Tacuary, numa de suas únicas duas participações na Libertadores, e que hoje anda pelos PORÕES da Terceira Divisão paraguaya.

Desde então, ao menos um clube brasileiro participou da pré-libertadores (às vezes dois), e os resultados foram os seguintes:

2005: Tacuary 2 x 4 Palmeiras

2006: Palmeiras 6 x 2 Deportivo Táchira / Deportivo Cuenca 1 x 4 Goiás

2007: Blooming 0 x 6 Santos / Cobreloa 1 x 3 Paraná

2008: Cruzeiro 6 x 3 Cerro Porteño

2009: Palmeiras 7 x 1 Real Potosí

2010: Real Potosí 1 x 8 Cruzeiro

2011: Corinthians 0 x 2 Deportes Tolima / Liverpool 3 x 5 Grêmio

2012: Real Potosí 2 x 3 Flamengo / Internacional 3 x 2 Once Caldas

2013: LDU 1 x 1 Grêmio (4-5 p.) / São Paulo 8 x 4 Bolívar

2014: Sporting Cristal 3 x 3 Atlético Paranaense (5-6 p.) / Deportivo Quito 1-4 Botafogo

2015: Corinthians 5 x 1 Once Caldas

2016: Universidad César Vallejo 1 x 2 São Paulo

Em 18 oportunidades, apenas em 1 o clube brasileiro falhou em passar. O que dá uma percentagem de 5,56%.

 

Desde 2005 pois, eis o retrospecto dos clubes brasileiros na Fase de Grupos:

2005: Atlético-PR, São Paulo, Santos e Palmeiras classificados. Santo André eliminado.

2006: São Paulo, Goiás, Internacional, Palmeiras e Corinthians classificados. Paulista eliminado.

2007: São Paulo, Grêmio, Paraná, Santos e Flamengo classificados. Internacional eliminado (primeiro campeão da história a ser eliminado nos grupos)

2008: Cruzeiro, Flamengo, São Paulo, Fluminense e Santos classificados.

2009: Sport, Palmeiras, São Paulo, Cruzeiro e Grêmio classificados.

2010: Corinthians, Internacional, São Paulo, Cruzeiro e Flamengo classificados.

2011: Grêmio, Fluminense, Internacional, Santos e Cruzeiro classificados.

2012: Santos, Internacional, Fluminense, Vasco e Corinthians classificados. Flamengo eliminado.

2013: Palmeiras, Atlético Mineiro, São Paulo, Corinthians, Fluminense e Grêmio classificados.

2014: Cruzeiro, Atlético Mineiro e Grêmio classificados. Atlético-PR, Botafogo e Flamengo eliminados.

2015: Atlético Mineiro, Corinthians, São Paulo, Cruzeiro, Internacional classificados.

2016: por definir

Foram 53 vezes em que um brasileiro foi classificado, e apenas 7 eliminações. 13,21% de eliminações. O Flamengo foi o único a ser eliminado DUAS vezes dos grupos. Somente Inter, Botafogo e Flamengo foram os considerados grandes a serem eliminados.

Portanto, matematicamente falando, o vexame corinthiano ainda assim é o pior. Caso Grêmio e Atlético Paranaense tivessem perdido as suas disputas por pênaltis, teríamos 16,67% de eliminados na Primeira Fase (o que colocaria ser eliminado nos grupos como maior vergonha), porém ambos escaparam fedendo de tal vergonha.

Portanto, qual o maior vexame até então? Em termos de acontecimento, ainda é a vitória do Tolima contra o Corinthians. Em termos de clube, e claro, considerando eliminações em fases PRECÁRIAS, o Flamengo está bem na frente. Se um clube tem 13,21% de chances de ser eliminado nos grupos, as duas eliminações do Flamengo dão uma porcentagem de 1,74%.

Alguns podem dizer que os cálculos não são precisos, pois a edição de 2016 ainda não definiu seus classificados na fase de grupos. De fato. Nenhum brasileiro ainda está matematicamente dentro, e Palmeiras e São Paulo estão em risco, podendo igualar os co-irmãos Santo André e Paulista como únicos paulistas já eliminados na fase de grupos. Aguardemos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

COPA UNIÃO CAMISAL 2016

April 5th, 2016 | 12 Comments | Filed in Copa União Camisal, Miscelânia, Números, Observatório, Sociologia

REGULAMENTO OFICIAL CUC 2016:

  • Não haverá potes, os clubes competirão em pontos-corridos
  • A Primeira Fase seguirá até o dia 05/10/16, às 23h59min (horário local)
  • Os QUATRO primeiros classificados na Primeira Fase se classificarão para o simples mata-mata, que será feito no simples cruzamento olímpico (1º x 4º e 2º x 3º)
  • Não haverá período de tempo limite e nem vantagem alguma para os clubes melhor classificados. No mata-mata, semifinal e final, o clube que marcar primeiro vence o adversário, e é uma morte súbita sem limite de tempo, a disputa discorrerá o quanto for necessário
  • Em caso de empate, seja na classificação ou posicionamento dos times, RANDOM.ORG fará o serviço, como já é de tradição

Quem poderá participar?

R.: Todos os clubes do Brasil, menos os 4 grandes paulistas. Até mesmo clubes extintos, como Roma Apucarana, Estácio de Sá e Ipatinga, que inclusive marcaram pontos ano passado, poderão ser contabilizados.

*clubes paulistas como Pinheiros, Mackenzie e Paulistano poderão ser contabilizados DESDE QUE a camisa avistada seja DESPORTIVA das devidas instituições. Pois é algo que verdadeiramente remete à tradição desportiva dessas agremiações que nunca chegaram a ser profissionais. Portanto camisas que remetam a uma atividade não desportiva (vale sobretudo para o Mackenzie) não serão contadas

O que contabiliza?

R.: Camisas oficiais e piratas, de escolinhas de futebol, que façam referência ao clube, de torcidas organizadas, seja com escudo ou não. Identificando-se o clube, se contabiliza.

O que não contabiliza?

Chaveiros, adesivos, calças, bermudas, shorts, bonés, chinelos, fichários, cadernos, lápis, copos, canecas, xícaras e tudo o mais que não foro especificado na pergunta acima.

Eu já vi camisas piratas “metade seleção – metade time” ou “metade time grande – metade time pequeno”, isso conta?

R.: NÃO.

Passei pelo Canindé e vi milhares de camisa da Lusa. Como proceder?

R.: Camisas em TURBAS (uma ou mais pessoas de modo inseparável aos olhos) não serão contadas. Poderão ser contadas camisas que forem as únicas em seu campo de visão (uma camisa da Lusa de um lado da rua e logo após outra do outro lado da calçada, tudo OK, p.ex.)

Camisas que estejam lado a lado porém de times diferentes. Algum problema?

R.: Sim. Não serão contabilizadas. Seja de dois bêbados sentados lado a lado num bar ou daqueles deploráveis casais que saem de casa cada um com a camisa de seu time do coração.

Os times classificados/buscando classificação que acabarem empatados terão o desempate pelo RANDOM.ORG. E os eliminados?

R.: Seguirão os critérios do post das estatisticas da CUC 2015.

 

O início se dá agora, dia 05/04/16. Boa sorte aos CONTENDORES.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

COPA UNIÃO CAMISAL 2015 – ESTATÍSTICAS

March 25th, 2016 | 3 Comments | Filed in Copa União Camisal, Miscelânia, Números, Observatório, Sociologia

EXISTE UM GRANDE CLUBE NA CIDADE, e esta cidade não é Belo Horizonte, e sim a maior do Hemisfério Sul, São Paulo! O CRUZEIRO sagrou-se campeão da COPA UNIÃO CAMISAL 2015, depois de derrotar o Vasco na final, numa disputa que durou 18 dias até que alguém aparecesse com a primeira camisa na Morte Súbita.

CLASSIFICAÇÃO:

Cruzeiro 27 – CAMPEÃO CUC 2015
Vasco 35 – VICE-CAMPEÃO
Inter 28 – SEMIFINALISTA
Grêmio 25 – SEMIFINALISTA
Flamengo 135 – QUADRIFINALISTA
Fluminense 26 – QUADRIFINALISTA
Portuguesa 23 – QUADRIFINALISTA
Bahia 18 – QUADRIFINALISTA
Santa Cruz 19 – WILDCARD
Sport 16 – WILDCARD
Juventus 15
Atlético Mineiro 15
Botafogo 13
Ceará 10
Vitória 8
Campinense 8
Paysandu 6
Sampaio Correa 6
Figueirense 5
São Caetano 5
Fortaleza 4
Coritiba 4
Criciúma 4
Paulistano 4
Náutico 3
Guarani 2
Treze 2
América de Natal 2
Atlético Paranaense 2
Penapolense 2
Mackenzie 2
Madureira 2
Paraná 2
Red Bull Brasil 2
Ipatinga 1
Moto Club 1
Avaí 1
Linense 1
Nacional 1
Oeste 1
União Barbarense 1
Roma Apucarana 1
Santo André 1
São Bernardo 1
Marcílio Dias 1
ASA de Arapiraca 1
Estácio de Sá 1
São Bento 1
CSE 1
Pinheiros 1
Salgueiro 1
Goiás 1
Itapipoca 1
Ponte Preta 1
Pelotas 1
CA Taboão da Serra 1

CLASSIFICAÇÃO POR ESTADO:

 

RJ: Flamengo (135), Vasco (35), Fluminense (26), Botafogo (13), Madureira (2), Estácio de Sá (1) TOTAL: 212

MG: Cruzeiro (27), Atlético Mineiro (15), Ipatinga (1) TOTAL: 43
SP: Portuguesa (23), Juventus (15), São Caetano (5), Paulistano (4), Guarani (2), Penapolense (2), Mackenzie (2), Red Bull Brasil (2), Linense (1), Nacional (1), Oeste (1), União Barbarense (1), , Santo André (1), São Bernardo (1), São Bento (1), Pinheiros (1), Ponte Preta (1), Taboão da Serra (1) TOTAL:63

RS: Internacional (28), Grêmio (25), Pelotas (1) TOTAL: 54
SC: Figueirense (5), Criciúma (4), Avaí (1), Marcílio Dias (1) TOTAL: 11
PR: Coritiba (4), Atlético Paranaense (2), Paraná (2), Roma Apucarana (1) TOTAL: 9
PE: Santa Cruz (19), Sport (16), Náutico (3), Salgueiro (1) TOTAL: 39
BA: Bahia (18), Vitória (8) TOTAL: 26
CE: Ceará (10), Fortaleza (4), Itapipoca (1) TOTAL: 15
PB: Campinense (8), Treze (2) TOTAL: 10
AL: ASA de Arapiraca (1), CSE (1) TOTAL: 2
MA: Sampaio Correa (6), Moto Club (1) TOTAL: 7
RN: América de Natal (2) TOTAL: 2

PA: Paysandu (6) TOTAL: 6

GO: Goiás (1) TOTAL: 1

 

RANKING ESTADUAL:

RJ: 212
SP: 63
RS: 54
MG: 43
PE: 39
BA: 26
CE: 15
SC: 11
PB: 10
PR: 9
MA: 7
PA: 6
AL: 2*
RN: 2
GO: 1

*Alagoas na frente do Rio Grande do Norte pelo critério de 2014 (no caso, maior número de times representados em caso de empate

 

RANKING REGIONAL:

 

Sudeste: 318 – 63,6%
Nordeste: 101 – 20,2%
Sul: 74 – 14,8%
Norte: 6 – 1,2%
Centro-Oeste: 1 – 0,2%

 

Camisas Por Estado (CPE*):

Sudeste: 79,5
Sul: 24,67
Nordeste: 11,22
Norte: 0,86
Centro-Oeste: 0,33

*considera todos os estados da região, mesmo os que não pontuaram

 

CPEP (camisas pontuadas por estado pontuado*)

Sudeste: 106
Sul: 24,67
Nordeste: 14,43
Norte: 6
Centro-Oeste: 1

*considera-se a média apenas dos estados que pontuaram, assim sendo, regiões em que todos os estados se fizeram presentes têm o CPE e o CPEP iguais

 

RELEVANCIA ESTADUAL:

Mostra o quanto um time foi relevante dentro de seu estado na CUC do ano, qual a porcentagem de camisas da UF que foram responsabilidade dele.

 

Paysandu – 100%
América de Natal – 100%
Goiás – 100%
Sampaio Correa – 85,71%
Campinense – 80%
Bahia – 69,23%
Ceará – 66,67%
Flamengo – 63,68%
Cruzeiro – 62,79%
Internacional – 51,85%
ASA de Arapiraca – 50%
CSE – 50%
Santa Cruz – 48,72%
Grêmio – 46,30%
Figueirense – 45,45%
Coritiba – 44,44%
Sport – 41,03%
Portuguesa – 36,51%
Criciúma – 36,36%
Atlético Mineiro – 34,88%
Vitória – 30,77%
Juventus – 28,81%
Fortaleza – 26,67%
Atlético Paranaense – 22,22%
Paraná – 22,22%
Treze – 20%
Vasco – 16,51%
Moto Club – 14,29%
Fluminense – 12,26%
Roma Apuracana – 11,11%
Avaí – 9,09%
Marcílio Dias – 9,09%
São Caetano – 7,94%
Náutico – 7,69%
Itapipoca – 6,67%
Paulistano – 6,35%
Botafogo – 6,13%
Salgueiro – 2,56%
Guarani – 3,17%
Penapolense – 3,17%
Mackenzie – 3,17%
Red Bull Brasil – 3,17%
Ipatinga – 2,33%
Pelotas – 1,85%
Linense – 1,59%
Nacional – 1,59%
Oeste – 1,59%
União Barbarense – 1,59%
Santo André – 1,59%
São Bernardo – 1,59%
São Bento – 1,59%
Pinheiros – 1,59%
Ponte Preta – 1,59%
Taboão da Serra – 1,59%
Madureira – 0,94%
Estácio de Sá – 0,47%

 

PERCENTUAL GERAL (de acordo com a Classificação Final da Primeira Fase, que serve de parametro para os outros calculos igualmente)

 

Flamengo 135 – 27%
Vasco 35 – 7%
Internacional 28 – 5,6%
Cruzeiro 27 – 5,4%
Fluminense 26 – 5,2%
Grêmio 25 – 5%
Portuguesa 23 – 4,6%
Santa Cruz 19 – 3,8%
Bahia 18 – 3,6%
Sport 16 – 3,2%
Juventus 15 – 3%
Atlético Mineiro 15 – 3%
Botafogo 13 – 2,6%
Ceará 10 – 2%
Vitória 8 – 1,6%
Campinense 8 – 1,6%
Paysandu 6 – 1,2%
Sampaio Correa 6 – 1,2%
Figueirense 5 – 1%
São Caetano 5 – 1%
Fortaleza 4 – 0,8
Coritiba 4 – 0,8
Criciúma 4 – 0,8
Paulistano 4 – 0,8
Náutico 3 – 0,6%
Guarani 2 – 0,4%
Treze 2 – 0,4%
América de Natal 2 – 0,4%
Atlético Paranaense 2 – 0,4%
Penapolense 2 – 0,4%
Mackenzie 2 – 0,4%
Madureira 2 – 0,4%
Paraná 2 – 0,4%
Red Bull 2 – 0,4%
Ipatinga 1 – 0,2%
Moto Club 1 – 0,2%
Avaí 1 – 0,2%
Linense 1 – 0,2%
Nacional 1 – 0,2%
Oeste 1 – 0,2%
União Barbarense 1 – 0,2%
Roma Apucarana 1 – 0,2%
Santo André 1 – 0,2%
São Bernardo 1 – 0,2%
Marcílio Dias 1 – 0,2%
ASA de Arapiraca 1 – 0,2%
Estácio de Sá 1 – 0,2%
São Bento 1 – 0,2%
CSE 1 – 0,2%
Pinheiros 1 – 0,2%
Salgueiro 1 – 0,2%
Goiás 1 – 0,2%
Itapipoca 1 – 0,2%
Ponte Preta 1 – 0,2%
Pelotas 1 – 0,2%
CA Taboão da Serra 1 – 0,2%

 

Através do percentual geral vocês podem verificar que na edição de 2015 tivemos EXATAMENTE 500 CAMISAS AVISTADAS, sendo que na edição anterior tivemos também a cifra exata de 300 camisas. Se isto não é uma prova do misticismo da competição, não sei o que é.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

COPA UNIÃO CAMISAL 2015

February 19th, 2015 | 73 Comments | Filed in Copa União Camisal, Miscelânia, Números, Observatório, Sociologia

O ano de 2015 já começou e o Flamengo já conseguiu um título maior que o estadual e sem nenhuma treta: a COPA UNIÃO CAMISAL DE 2014, num emocionante mata-mata, onde eliminou Internacional, Bahia e o Fluminense na finalíssima, num grande clássico que nem Mário Filho poderia prever. Tudo sobre a edição passada pode ser visto AQUI e as estatísticas completíssimas sobre o torneio AQUI.

Agora que acabou o Carnaval, não tem mais choro: O ANO COMEÇOU MESMO. E a CUC não pode faltar. Segue o regulamento da edição deste ano, baseado no incontestável sucesso do ano passado.

– Não haverá módulos. Os times competirão entre si no mesmo e único pote. O pontocorridismo seguirá até o dia 19/12, às 23:59.

– Os 6 primeiros colocados estarão classificados para a Terceira Fase. Em caso de empate, um sorteio no RANDOM.ORG será realizado para definir quem fica e quem vai.

– Os times que ocuparem da 7ª até a 10ª posição irão para a Segunda Fase, como wildcards.

– Wildcard: os 4 times irão disputar entre 20/12 às 00:00 até 31/12 às 23:59 (vulgo até o final do ano) Os 2 melhores estarão classificados. Em caso de empate, sorteios no RANDOM.ORG serão realizados (mesmo que seja um empate de ZERO) para definir os 2 classificados.

– Terceira Fase: Os times ficarão alocados em Seeds. O primeiro colocado geral será #1 seed, o segundo será o #2 seed, o terceiro será o #3 seed,… e o sexto será o #6 seed. O primeiro colocado da fase wildcard será o #7 seed e o segundo colocado da fase wildcard será o #8 seed, o último. Em caso de empate em qualquer das 8 primeiras posições, sorteio para definir as colocações.

Método de enfrentamento: mais uma vez, RANDOM.ORG colocará os times frente a frente. Ou seja, o primeiro seed PODERÁ enfrentar o segundo, pegando uma pedreira, assim como o oitavo seed poderá pegar seu companheiro de wildcard (sétimo seed). Em suma, os times poderão pegar qualquer adversário qualificado para a Terceira Fase, com exceção deles mesmos, obviamente. Tudo isso coloca o torneio ainda mais imprevisível.

– na Terceira Fase, primeira dos playoffs, o time que marcar primeiro passa. Se necessario, será dada 2 semanas para um confronto ou mais se resolver. Caso não resolva, avançará o time de menor seed.

– Quarta Fase, quatro times. Dentre os classificados, o de menor seed pegará o de maior seed. os dois intermediários se enfrentam. Em caso de empate o seed não entrará em jogo e teremos sorteio no RANDOM.ORG como sempre. Será dado até UM MÊS para que o confronto se defina, embora seja improvavel que cheguemos a tanto.

– Quinta Fase, sem segredo. Os 2 finalistas estarão na disputa. Quem marcar primeiro é campeão. Isso pode levar o tempo que for necessário, é morte súbita.

Quem poderá participar?

Todos os clubes do Brasil, com exceção dos 4 eugenistas paulistas. Inclusive times extintos, como Ypiranga, SEV-Hortolandia, Matsubara e Paulistano, alguns exemplos de DEFUNTOS que já se fizeram presentes.

O que contabiliza um ponto?

Camisas oficiais e piratas, qualquer camisa que faça referência ao time, seja com escudo ou não, como uma regata escrito “MENGÃO HEXA” ou algo do gênero, camisas de escolinhas de futebol que tenham o escudo do clube e camisas de torcidas organizadas que tenham ou não o escudo do clube.

O que não contabiliza?

Bonés, chaveiros, adesivos, bermudas, calças, blusões, jaquetas, tatuagens, times de várzea que homenageiam um time famoso mesmo que homônimo, em suma, tudo o que não seja camisa e TURBAS.

Defina TURBA:

Duas pessoas ou mais INSEPARÁVEIS pelo campo de visão. Ano passado isso ocorreu com um casal mineiro-modinha com camisa do Atlético após o título da Copa do Brasil e dois retirantes recém-saídos do Terminal Barra-Funda com camisa do Mengão (sendo uma do time e outra de organizada, então não importa isso, se forem duas contáveis, anula-se).


Camisas inseparáveis de times diferentes confgura TURBA?

Meu amigo, se você é daqueles que é gremista e anda com a namorada colorada, ambos encamisados, ou anda do lado do amiguinho com camisa rival para demonstrar tolerância, você não só NÃO será contabilizado (próton-elétron) como mereceria uma SURRA e será motivo de sarro AQUI.

Quando começa?

Dia 20/02 às 00:00.

Como definir a colocação de times eliminados, mas que ficaram empatados?

Excelente pergunta. A preferência será dada, na ordem, por: 1) clube que for de um estado com mais camisas no total; 2) em caso de empate, clube de um estado com mais times representados; 3) clube com maior RELEVÂNCIA ESTATAL (ver post das estatísticas); 4) Deixa empatado mesmo.

****

Estrangeiros e simpatizantes… VISTAM SUAS CAMISAS!

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

CUC 2014 – ESTATÍSTICAS

February 5th, 2015 | 1 Comment | Filed in Copa União Camisal, Miscelânia, Números, Observatório, Sociologia

Um viciado em abstinência arruma um jeito de ter uma brisa, embora nada se compare a dar uns TIROS… neste difícil período, onde meus olhos coçam, olho pela janela do ônibus sem sentido, pelo metrô sem esperança, pelas ruas como um andarilho… um bom jeito foi fazer o mesmo que matemáticos fazem, como comprovar que 1 + 1 = 2 (sim, existe prova para isto), que na faculdade aprendi como masturbação matemática. Pois vamos à ela. Na verdade eu sempre planejei, afinal o que é um grande torneio sem estatísticas? Mas me emploguei um pouco e analisei mais do que pretendia…

Esta é a classificação final OFICIAL da COPA UNIÃO CAMISAL 2014. Não previ métodos de desempate nesta edição para os clubes eliminados na primeira fase, portanto apesar de ter feito inúmeros critérios e cálculos, como bom OFICIALISTA, que segue o regulamento à risca, esta é a posição FINAL dos times. Parabéns aos 42 clubes que apareceram.

1º Flamengo 95 (3) – CAMPEÃO
2º Fluminense 14 (2) – VICE-CAMPEÃO
3º Cruzeiro 26 (1) – SEMIFINALISTA
4º Bahia 8 (2) – SEMIFINALISTA
5º Internacional 20 (0) – QUADRIFINALISTA
6º Sport 20 (0) – QUADRIFINALISTA
7º Grêmio 16 (0) – QUADRIFINALISTA
8º Juventus 8 (2) – QUADRIFINALISTA

9º Vasco 12 (0) – WILDCARD
10º Atlético Mineiro 10 (0) – WILDCARD

11º Portuguesa 7
12º Vitória 6
Botafogo 6
14º Santa Cruz 5
Sampaio Correa 4
São Caetano 4
Fortaleza 4
18º Paysandu 3
Coritiba 3
20º Náutico 2
Remo 2
CA Paulistano 2
Ceará 2
Campinense 2
Figueirense 2
26º ASA de Arapiraca 1
Paulista 1
Grêmio Osasco 1
ABC-RN 1
Juventude 1
Atlético Paranaense 1
Criciúma 1
CSA 1
Joinville 1
Santo André 1
Águia de Marabá 1
SC Barueri 1
Matsubara 1
Londrina 1
Sergipe 1
Ríver-PI 1
São José 1

****

DISPUTA ESTADUAL DE FACTO (sem os playoffs):

RJ: 127

Flamengo 95 – 74,80%
Fluminense 14 – 11,02%
Vasco 12 – 9,45%
Botafogo 6 – 4,72%

RS: 37

Internacional 20 – 54,05%
Grêmio 16 – 43,24%
Juventude 1 – 2,7%

MG: 36

Cruzeiro 26 – 72,22%
Atlético Mineiro 10 – 27,78%

PE: 27

Sport 20 – 74,07%
Santa Cruz 5 – 18,52%
Náutico 2 – 7,41%

SP: 26

Juventus 8 – 30,77%
Portuguesa 7 – 26,92%
São Caetano 4 – 15,38%
CA Paulistano 2 – 7,69%
Paulista 1 – 3,85%
Grêmio Osasco 1 – 3,85%
Santo André 1 – 3,85%
SC Barueri 1 – 3,85%
São José 1 – 3,85%

BA: 14

Bahia 8 – 57,14%
Vitória 6 – 42,86%

CE: 6

Fortaleza 4 – 66,67%
Ceará 2 – 33,33%

PA: 6

Paysandu 3 – 50%
Remo 2 – 33,33%
Águia de Marabá 1 – 16,67%

PR: 6

Coritiba 3 – 50%
Atlético Paranaense 1 – 16,67%
Matsubara 1 – 16,67%
Londrina 1 – 16,67%

MA: 4

Sampaio Correa 4 – 100%

SC: 4

Figueirense 2 – 50%
Criciúma 1 – 25%
Joinville 1 – 25%

PB: 2

Campinense 2 – 100%

AL: 2

ASA de Arapiraca 1 – 50%
CSA 1 – 50%

RN: 1

ABC-RN 1 – 100%

SE: 1

Sergipe 1 – 100%

PI: 1

Ríver-PI 1 – 100%

TOTAL: 300 – 100%

Como podeis ver, na temporada regular foram exatamente TREZENTAS (300) camisas vistas! Os 300 heróis que vestiram o manto de seus clubes em solo estrangeiro e tiveram o privilégio e a recompensa de serem vistos e contados por mim.

****

DISPUTA ESTADUAL (com playoffs):

RJ: 132

Flamengo 95 (3) – 0.742 (74,24%)
Fluminense 14 (2) – 0.121 (12,12%)
Vasco 12 (0) – 0.090 (9,09%)
Botafogo 6 – 0.045 (4,54%)

RS: 37

Internacional 20 – 0.540 (54,05%)
Grêmio 16 – 0.432 (43,24%)
Juventude 1 – 0.027 (2,7%)

MG: 37

Cruzeiro 26 (1) – 0.730 (73%)
Atlético Mineiro 10 (0) – 0.270 (27%)

PE: 27

Sport 20 – 0.741 (74,07%)
Santa Cruz 5 – 0.185 (18,52%)
Náutico 2 – 0.074 (7,41%)

SP: 28

Juventus 8 (2) – 0.357 (35,71%)
Portuguesa 7 – 0.250 (25%)
São Caetano 4 – 0.143 (14,28%)
CA Paulistano 2 – 0.071 (7,14%)
Paulista 1 – 0.036 (35,71%)
Grêmio Osasco 1 – 0.036 (3,57%)
Santo André 1 – 0.036 (3,57%)
SC Barueri 1 – 0.036 (3,57%)
São José 1 – 0.036 (3,57%)

BA: 16

Bahia 8 (2) – 0.625 (62,5%)
Vitória 6 – 0.375 (37,5%)

CE: 6

Fortaleza 4 – 0.667 (66,67%)
Ceará 2 – 0.333 (33,33%)

PA: 6

Paysandu 3 – 0.500 (50%)
Remo 2 – 0.333 (33,33%)
Águia de Marabá 1 – 0.167 (16,67%)

PR: 6

Coritiba 3 – 0.500 (50%)
Atlético Paranaense 1 – 0.167 (16,67%)
Matsubara 1 – 0.167 (16,67%)
Londrina 1 – 0.167 (16,67%)

MA: 4

Sampaio Correa 4 – 1.000 (100%)

SC: 4

Figueirense 2 – 0.500 (50%)
Criciúma 1 – 0.250 (25%)
Joinville 1 – 0.250 (25%)

PB: 2

Campinense 2 – 1.000 (100%)

AL: 2

ASA de Arapiraca 1 – 0.500 (50%)
CSA 1 – 0.500 (50%)

RN: 1

ABC-RN 1 – 1.000 (100%)

SE: 1

Sergipe 1 – 1.000 (100%)

PI: 1

Ríver-PI 1 – 1.000 (100%)

TOTAL: 310 – 100%

*****

RANKING ESTATAL:

Critérios:

a) número total de camisas
b) número de times que apareceram em cada estado, em caso de empate
c) estado que tiver o time com mais camisas, em caso de empate
d) empatou tudo então foda-se, fica empatado. O ranking estatal é mais zoeira.

1º- RJ: 127
2º- RS: 37
3º- MG: 36
4º- PE: 27
5º- SP: 26
6º- BA: 14
7º- PR: 6
8º- PA: 6
9º- CE: 6
10º- SC: 4
11º- MA: 4
12º- AL: 2
13º- PB: 2
14-16º- RN: 1
14-16º- SE: 1
14-16º- PI: 1

16 Estados representados. Nada mal.

****

RANKING REGIONAL:

Sudeste: 189 – 63%
Nordeste: 58 – 19,33%
Sul: 47 – 15,67%
Norte: 6 – 2%
Centro-Oeste: 0 – 0,00%

– Todos os Estados do Sul e do Nordeste pontuaram. Espírito Santo falhou para o Sudeste.

– No Norte, só o PARÁ pontuou.

ZERO camisas de times do Centro-Oeste.

CPE (camisas por estado):

Sudeste: 47,25
Sul: 15,67
Nordeste: 6,44
Norte: 0,86
Centro-Oeste: 0,00

CPEP (camisas pontuadas por estado pontuado)

Sudeste: 63
Sul: 15,67
Nordeste: 6,44
Norte: 6
Centro-Oeste: N/A

****

RELEVÂNCIA ESTATAL:

Sampaio Correa 4 – 100%
Campinense 2 – 100%
ABC-RN 1 – 100%
Sergipe 1 – 100%
Ríver-PI 1 – 100%
Flamengo 95 – 74,80%
Sport 20 – 74,07%
Cruzeiro 26 – 72,22%
Fortaleza 4 – 66,67%
Bahia 8 – 57,14%
Internacional 20 – 54,05%
ASA de Arapiraca 1 – 50%
CSA 1 – 50%
Coritiba 3 – 50%
Paysandu 3 – 50%
Figueirense 2 – 50%
Grêmio 16 – 43,24%
Vitória 6 – 42,86%
Remo 2 – 33,33%
Ceará 2 – 33,33%
Juventus 8 – 30,77%
Atlético Mineiro 10 – 27,78%
Portuguesa 7 – 26,92%
Criciúma 1 – 25%
Joinville 1 – 25%
Santa Cruz 5 – 18,52%
Águia de Marabá 1 – 16,67%
Atlético Paranaense 1 – 16,67%
Matsubara 1 – 16,67%
Londrina 1 – 16,67%
São Caetano 4 – 15,38%
Fluminense 14 – 11,02%
Vasco 12 – 9,45%
CA Paulistano 2 – 7,69%
Náutico 2 – 7,41%
Botafogo 6 – 4,72%
Paulista 1 – 3,85%
Grêmio Osasco 1 – 3,85%
Santo André 1 – 3,85%
SC Barueri 1 – 3,85%
São José 1 – 3,85%
Juventude 1 – 2,7%

****

E por fim…

PERCENTUAL GERAL:

Flamengo 95 – 31,67%
Cruzeiro 26 – 8,67%
Internacional 20 (3º colocado por sorteio) – 6,67%
Sport 20 (4º colocado por sorteio) – 6,67%
Grêmio 16 – 5,33%
Fluminense 14 – 4,67%
Vasco 12 – 4%
Atlético Mineiro 10 – 3,33%
Bahia 8 – 2,67%
Juventus 8 – 2,67%
Portuguesa 7 – 2,33%
Vitória 6 – 2%
Botafogo 6 – 2%
Santa Cruz 5 – 1,67%
Sampaio Correa 4 – 1,33%
São Caetano 4 – 1,33%
Fortaleza 4 – 1,33%
Paysandu 3 – 1%
Coritiba 3 – 1%
Náutico 2 – 0,67%
Remo 2 – 0,67%
CA Paulistano 2 – 0,67%
Ceará 2 – 0,67%
Campinense 2 – 0,67%
Figueirense 2 – 0,67%
ASA de Arapiraca 1 – 0,33%
Paulista 1 – 0,33%
Grêmio Osasco 1 – 0,33%
ABC-RN 1 – 0,33%
Juventude 1 – 0,33%
Atlético Paranaense 1 – 0,33%
Criciúma 1 – 0,33%
CSA 1 – 0,33%
Joinville 1 – 0,33%
Santo André 1 – 0,33%
Águia de Marabá 1 – 0,33%
SC Barueri 1 – 0,33%
Matsubara 1 – 0,33%
Londrina 1 – 0,33%
Sergipe 1 – 0,33%
Ríver-PI 1 – 0,33%
São José 1 – 0,33%

Até breve.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Luxa aprovado e Alecgol com maior rejeição

September 17th, 2014 | 12 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2014, Flamengo, Números

GE_curtidas jogadoresVoltando ao Brasil e à rotina, acesso o GE para dar uma olhada no que está rolando (claro que poderia ter acessado o GE lá de fora nesse mundo globalizado, mas não quis).

O que mais me chamou a atenção no novo layout das páginas dos times foi um quadro entitulado de “Próximo Jogo” que traz a “provável escalação” e, ao lado do nome de cada jogador, um curti e não curti para clicar (inclusive o técnico). Bem simples e rápido. Sem necessidade de cadastramento ou outra burocra a mais.

Claro que a maioria esmagadora que acessa a página do respectivo time no site do GE é torcedor desse time. Logo, o “curti” tem sempre superado o “não curti” e, apesar de um ou outro voto de zueira, temos ali um bom indicador do sentimento torcidal para cada jogador.

Tal “termômetro” parece ser bem volátil dependendo das recentes apresentações de cada jogador, atuação do técnico, resultado dos jogos e posição na tabela (times do Z4 têm índices de aprovação menores que times do G4. Nada mais natural.

No caso do Flamengo os dados coletados hoje por volta das 10 hs estão resumidos na tabela abaixo e ordenados por APROVAÇÃO (CURTE/TOTAL). Mostra a boa fase do Everton, o gol do Wallace que deu a vitória no último jogo, a regularidade do goleiro Paulo Victor, a recuperação do time evidenciada com o TÉCNICO em segundo, o marasmo do atual “ídolo” Léo Moura no meio da colocação e a atual decadência do Alecsandro.

GE_curtidas jogadores_resumo

Dados: GE. Elaboração: Blá Blá Gol

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Copa do Mundo Brasil 2014 – Estratégias e resultados dentro e fora de campo

July 11th, 2014 | 35 Comments | Filed in Copa 2014, Estrutura, Futebol, Marketing & Publicidade, Números

Por Rafael Ramos Abrahão e Matheus Ferreira Caldas*

O evento futebolístico mais popular do mundo está prestes a terminar e, com toda a movimentação que teve início muito antes do apito inicial, as empresas, que se prepararam para maior visibilidade no país do futebol, começam a colher frutos de seus investimentos. Os resultados começam a aparecer, o que demonstra que o evento está sendo um sucesso, ao menos neste aspecto.

As principais empresas de material esportivo, Nike e Adidas, travaram uma árdua batalha para conquistar seus espaços, seja trabalhando diretamente com as seleções, seja atingindo os torcedores que se espalham por todo país através de vários tipos de mídia.

Tem-se que, dentro das quatro linhas, a empresa Adidas levou a melhor, uma vez que as seleções finalistas, a Alemanha e Argentina, são patrocinadas pela empresa, enquanto a Nike é patrocinadora das seleções do Brasil e Holanda, que disputam a terceira colocação no Mundial.

Até onde isso reflete uma estratégia das empresas? As marcas de produtos esportivos buscam, com toda certeza, ligar seus nomes às seleções e jogadores mais vencedores do Mundo. O que deve-se perguntar é: existe um real estudo sobre as potencialidades esportivas dessas equipes e quanto isto influencia no momento de definição de patrocínio?

E mais: é possível que tais empresas tenham estudado o futuro destas seleções através de pesquisa em categorias de base e verificação de trabalhos que vêm sendo feitos por cada país?

Fora das quatro linhas, conforme publicado no jornal Valor Econômico em 11/07/2014, até o presente momento, a empresa Adidas havia vendido a estratosférica amonta de 14 milhões de “Brazucas”, a bola oficial da competição, e faturado a quantia de 2 bilhões de euros com todos os produtos, 500 milhões de euros a mais do que na copa anterior.

Os representantes das marcas entendem o momento especial. “A Nike veste a seleção brasileira, e consequentemente, vai receber uma atenção especial desta vez”, afirma Olaf Markhoff, porta-voz da empresa americana.

Já Lars Mangels, porta-voz da Adidas, deixa claro a importância da Copa de 2014: “O Mundial é muito importante para nós e vamos usar o evento para chamar atenção em todo o mundo com nossos produtos, campanhas, atletas e times”.

Ressalte-se também que a internet e as redes sociais têm fundamental importância na disputa comercial destes gigantes. E, neste quesito, a vitória da Nike é esmagadora: até o momento, o vídeo “Winner Stays” atingiu mais de 86 milhões de visualizações. Já a Adidas, com seu vídeo “Messi’s Dream”, atingiu pouco mais de 38 milhões de visualizações.

Já nas redes sociais diversas, o vídeo da Nike foi compartilhado por mais de 1,3 milhões de usuários, e o da Adidas, por menos de 300 mil.

Assim, ainda que existam opiniões contrárias, pode-se claramente dizer que, para muitos, a Copa do Mundo Brasil 2014 está sendo um verdadeiro sucesso. Dentro de campo, as melhores campanhas foram premiadas, com grandes jogos na primeira fase e, posteriormente, a inexistência de surpresas nas fases finais.

Do ponto de vista do mercado, tal sucesso é ainda maior. Os recordes de audiência e os valores movimentados até o momento pelas empresas aqui citadas já demonstram o êxito nas estratégias adotadas. Ressalte-se que o real lucro só será apresentado num futuro próximo. Independente de quem vença a Copa do Mundo no próximo domingo, o mercado agradece.

****

* Rafael Ramos Abrahão é advogado da Advocacia Procópio de Carvalho. Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Belo Horizonte, é especializado em Direito Empresarial e Trabalhista.

Matheus Ferreira Caldas é advogado da Advocacia Procópio de Carvalho. Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Belo Horizonte, é especializado em Direito Empresarial e Cível e pós-graduando em Direito Corporativo pelo IBMEC.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Cruzeiro Campeão Brasileiro 2013

November 11th, 2013 | 12 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2013, Cruzeiro, Números

Eu entendo de Matemática. Talvez não a ponto de ser um virtuose, porém entendo mais que você. Claro que a informação que entendo matemática mais que você já me era conhecida, a novidade é ter descoberto ontem que a torcida do Cruzeiro, ainda que entenda menos que eu, também entende mais Matemática que você, camarada.

O Campeonato Brasileiro acabou. Já tinha acabado para mim há um mês e para alguém que realmente entenda do riscado dos números, probabilidades, padrões e um pouquinho de futebol acabou há mais tempo ainda. Marcelo Oliveira já deve ter começado o campeonato campeão.

Comemorando o título probabilisticamente a Torcida do Cruzeiro mostra-se mais evoluída que todos os demais segmentos que expõem publicamente prognósticos sobre futebol, incluindo as Torcidas dos demais times. Pelo pioneirismo cognitivo em dominar a Matemática probabilística no universo campeonatal (no mundo partidal as torcidas já atingiram esse estágio ao gritar É Campeão antes do fim das partidas), ainda que timidamente, a Torcida do Cruzeiro enfim merece subir patamares no critério Torcidal Yurístico.

Cruzeiro e Grêmio

Raposão de Bigode Grosso

Sempre haverá chance, naturalmente, do caldo entornar. Todavia os benefícios e avanços obtidos no percusso em pensar e agir probabilisticamente superam de longe, mas muito longe, a estagnação “segura” que o reducionismo aritmético provocaria.

Quanto jogos do Cruzeiro você viu no Campeonato?
View Results

A foto da comemoração dos jogadores, mascote e torcida foi prontamente cedida pelo fotógrafo Christyam de Lima, que publicou outra leva de fotografias da derradeira partida em seu Flickr.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.