Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Artigos sobre ‘Libertadores’

Eliminações precoces em Libertadores

April 11th, 2016 | 2 Comments | Filed in Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Copa Libertadores 2016, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Números, Palmeiras, Paraná, Paulista de Jundiaí, Santo André, Santos, São Paulo, Vasco

Todo ano, um ou mais times se classificam para a erroneamente chamada “pré-libertadores” (existiu uma pré-libertadores, mas era um grupo com 2 mexicanos e 2 venezuelanos de onde saíam 2 para a verdadeira Libertadores), e isso não foi um grande problema até 2011, quando o Corinthians dos “galáticos” Ronaldo e Roberto Carlos, displicente na “pré” como todo brasileiro até então – a ponto da torcida corinthiana colocar apenas 23 mil pagantes no jogo da ida contra o Tolima, algo impensável hoje – foi defenestrado sem nem ao menos marcar um gol e na 37ª posição da Libertadores, entre 38 participantes. Desde então, os clubes têm tomado muito mais cuidado, e a “pré” tem se tornado um grande estorvo pelo calendário ou mesmo pela dificuldade. Pode ser muito facilmente suplantada, como foi pelo Corinthians em 2015, que abriu 4 a 0 no Once Caldas logo na ida, ou muito angustiante, como para gremistas e atleticanos, que precisaram dos pênaltis para avançar aos grupos contra LDU e Sporting Cristal, respectivamente.

Mas uma coisa são dois jogos, onde zebras devem mesmo ocorrer, outra coisa é a fase de grupos, onde o clube brasileiro, de muito investimento, tem SEIS jogos para reverter intempéries (ajuda também o fato de os juízes ainda não estarem tão na seca para eliminar os brasileiros, como invariavelmente ocorre em todo mata-mata). Mesmo assim, com 6 jogos, alto investimento e juizes menos malandros que nas fases agudas, alguns clubes brasileiros conseguem a façanha de serem eliminados nesta fase.

É inevitável a pergunta: o que é mais vexaminoso? Ser eliminado na Pré, ou na Fase de Grupos? Ante tantas subjetividades, vieses, torcida de jornas e imponderabilidade da Libertadores, só nos resta uma arma: a incontestável matemática.

A Libertadores adotou o atual formato de mata-mata antes da fase de grupos em 2005, e o primeiro clube a enfrentá-la foi o Palmeiras, que superou o Tacuary, numa de suas únicas duas participações na Libertadores, e que hoje anda pelos PORÕES da Terceira Divisão paraguaya.

Desde então, ao menos um clube brasileiro participou da pré-libertadores (às vezes dois), e os resultados foram os seguintes:

2005: Tacuary 2 x 4 Palmeiras

2006: Palmeiras 6 x 2 Deportivo Táchira / Deportivo Cuenca 1 x 4 Goiás

2007: Blooming 0 x 6 Santos / Cobreloa 1 x 3 Paraná

2008: Cruzeiro 6 x 3 Cerro Porteño

2009: Palmeiras 7 x 1 Real Potosí

2010: Real Potosí 1 x 8 Cruzeiro

2011: Corinthians 0 x 2 Deportes Tolima / Liverpool 3 x 5 Grêmio

2012: Real Potosí 2 x 3 Flamengo / Internacional 3 x 2 Once Caldas

2013: LDU 1 x 1 Grêmio (4-5 p.) / São Paulo 8 x 4 Bolívar

2014: Sporting Cristal 3 x 3 Atlético Paranaense (5-6 p.) / Deportivo Quito 1-4 Botafogo

2015: Corinthians 5 x 1 Once Caldas

2016: Universidad César Vallejo 1 x 2 São Paulo

Em 18 oportunidades, apenas em 1 o clube brasileiro falhou em passar. O que dá uma percentagem de 5,56%.

 

Desde 2005 pois, eis o retrospecto dos clubes brasileiros na Fase de Grupos:

2005: Atlético-PR, São Paulo, Santos e Palmeiras classificados. Santo André eliminado.

2006: São Paulo, Goiás, Internacional, Palmeiras e Corinthians classificados. Paulista eliminado.

2007: São Paulo, Grêmio, Paraná, Santos e Flamengo classificados. Internacional eliminado (primeiro campeão da história a ser eliminado nos grupos)

2008: Cruzeiro, Flamengo, São Paulo, Fluminense e Santos classificados.

2009: Sport, Palmeiras, São Paulo, Cruzeiro e Grêmio classificados.

2010: Corinthians, Internacional, São Paulo, Cruzeiro e Flamengo classificados.

2011: Grêmio, Fluminense, Internacional, Santos e Cruzeiro classificados.

2012: Santos, Internacional, Fluminense, Vasco e Corinthians classificados. Flamengo eliminado.

2013: Palmeiras, Atlético Mineiro, São Paulo, Corinthians, Fluminense e Grêmio classificados.

2014: Cruzeiro, Atlético Mineiro e Grêmio classificados. Atlético-PR, Botafogo e Flamengo eliminados.

2015: Atlético Mineiro, Corinthians, São Paulo, Cruzeiro, Internacional classificados.

2016: por definir

Foram 53 vezes em que um brasileiro foi classificado, e apenas 7 eliminações. 13,21% de eliminações. O Flamengo foi o único a ser eliminado DUAS vezes dos grupos. Somente Inter, Botafogo e Flamengo foram os considerados grandes a serem eliminados.

Portanto, matematicamente falando, o vexame corinthiano ainda assim é o pior. Caso Grêmio e Atlético Paranaense tivessem perdido as suas disputas por pênaltis, teríamos 16,67% de eliminados na Primeira Fase (o que colocaria ser eliminado nos grupos como maior vergonha), porém ambos escaparam fedendo de tal vergonha.

Portanto, qual o maior vexame até então? Em termos de acontecimento, ainda é a vitória do Tolima contra o Corinthians. Em termos de clube, e claro, considerando eliminações em fases PRECÁRIAS, o Flamengo está bem na frente. Se um clube tem 13,21% de chances de ser eliminado nos grupos, as duas eliminações do Flamengo dão uma porcentagem de 1,74%.

Alguns podem dizer que os cálculos não são precisos, pois a edição de 2016 ainda não definiu seus classificados na fase de grupos. De fato. Nenhum brasileiro ainda está matematicamente dentro, e Palmeiras e São Paulo estão em risco, podendo igualar os co-irmãos Santo André e Paulista como únicos paulistas já eliminados na fase de grupos. Aguardemos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

PREVISÕES FUTEBOLÍSTICAS 2015

January 17th, 2015 | 23 Comments | Filed in Atlético-MG, Blablagolianos, Botafogo, Campeonato Brasileiro, Corinthians, Cruzeiro, Estaduais, Flamengo, Fluminense, Futebol, Grêmio, Internacional, Libertadores, Miscelânia, Mundial de Clubes, Observatório, RJ, UCL, Vasco, Zueira

CBF, Parreira, Felipão e Globo vão insistir em esquecer o 7 x 1
Dunga vai insistir no discurso do comprometimento e bater boca nas coletivas
Eurico Miranda vai continuar com suas bravatas
Estaduais esvaziados, ingressos caros, média baixa de público e audiência em queda
Seleção brasileira continua jogando amistosos caça-níqueis
Gilmar Rinaldi continua falando besteiras
Jogadores, treinadores e a imprensa esportiva reclamam do calendário brasileiro
Vasco luta para não cair novamente à Série B
Botafogo passa sufoco na Série B
Clubes tem receitas bloqueadas na justiça, salários e direitos de imagem atrasados
O decadente Loco Abreu cava publicamente uma vaga no Botafogo e Gustavo Gaburah compra essa ideia
Narrações irritantes do Alex Escobar
Galvão Bueno fala demais e não deixa os comentaristas trabalharem nas transmissões
Milton Neves não consegue mais falar sobre futebol e faz o Terceiro tempo apenas programa de Merchan
Tiago Leifert segue mais idiota como nunca
Luis Roberto não vai segurar nas transmissões seus impulsos homossexuais
Arquibancadas centrais vazias
STJD tira pontos de algum clube
CBF tira o seu da reta e coloca a culpa os clubes pelos erros das inscrições dos atletas
Jogos do Botafogo sem torcida
Diretoria do Grêmio tenta repassar desesperadamente o Kléber Gladiador a todos os clubes brasileiros, inclusive ao seu rival Internacional
Diretoria Cruzeiro não consegue repassar Júlio Baptista e anuncia um pacote extra de jogadores como brinde
Torcedores do Fluminense passam o ano lamentando o fim da parceria com a Unimed
Algum clube perde pontos no STJD
De preferência por escalação irregular, especialmente se for pequeno/medio
Diretoria do Fluminense não consegue segurar seus jogadores e tenta reforçar seu time de advogados no STJD
Leandro Damião irrita os cruzeirenses e a diretoria tenta repassá-lo a outro clube
O irritante lateral Danilo continua titularíssimo da seleção do Dunga
Fora do mercado, Joel Santana volta a fazer comerciais
Pelé fala besteiras
Vasco é vice
Valdívia continua no departamento médico
Time entregando jogo na Copa do Brasil para ir à Sudamericana
Crise no Vasco, Eurico proíbe a entrada da imprensa em São Januário
Diretoria, jogadores e comissão técnica pedem o comparecimento da torcida do Botafogo nos seus jogos
Após o término do estadual, começa a novela da renovação do Léo Moura e o atleta escreve no seu instragam o drama de um ídolo não valorizado pela sua história no Flamengo
Fluminense continua sem zaga
Corinthians empata
Vascaínos fazem chororô sobre a arbitragem
Eurico não deixa ninguém falar nos debates esportivos
Jogadores reclamam do calor
Adriano se apresenta ao Le Havre, fala em volta por cima e toma gosto pela vida noturna francesa
Gaburah clama pela volta do Loco Abreu ao Botafogo
Um brasileiro chega na final da Libertadores, tendo eliminado outro brasileiro para isso
A maior felicidade nacional será a eliminação do Corinthians na Libertadores
Brasil perde a Copa América
Um europeu estupra um sulamericano no mundial de clubes outra vez
O Real Madrid não vence a Champions
Pensando bem, Brasil ganha a Copa América (mas a comemoração não chegará a um décimo da eliminação do SCCP na Libertadores)
Dunga vai continuar vencendo e a imprensa reclamando
Liga Europa e Sulamericana terão finais ineditas
Imprensa revoltada com os estaduais
Dirigentes dos clubes grandes omissos diante das atitudes da CBF
O Corinthians não terá o artilheiro do Brasileirão, nem da Libertadores, nem Copa do Brasil, nem Paulista e nem sequer da Copinha ou Brasileiro Sub-20
Um carioca não ganhará o Brasileirão
Fox Sports contrata alguém da Globo
Tiago Leifert segue mais idiota como nunca
Dunga chama Escobar de cagão (não vai acontecer mais seria sensacional)
Luis Roberto não vai segurar nas transmissões seus impulsos homossexuais
Fluminense vai inventar mais um “torcedor” ilustre na Wikipedia
Algum campeão invicto da Libertadores cai na primeira fase
Globo corta o áudio externo das transmissões do Galvão Bueno a fim de evitar o VTNC uníssono da torcida
Globo privilegia o audio de uma torcida visitante na Copa do Brasil, igual na final Cruzeiro x Atlético
Vascaínos culpam a Globo pela má fase

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

O PATCH DOS FODÕES

December 20th, 2014 | 49 Comments | Filed in Libertadores 2012, Libertadores 2013, Libertadores 2014, Mundial de Clubes, Mundial de Clubes 2010, Mundial de Clubes 2011, Mundial de Clubes 2012, Mundial de Clubes 2014

Em 2008, a FIFA teve uma ideia genial. Criar um PATCH de campeão mundial, aqueles de verdade mesmo. Assim como já havia em diversos lugares do mundo os patchs de campeão nacional, continental e até estadual. O que sempre achei legal.

Lembro-me muito bem que, na época, Corinthians, SPFC e Inter, os 3 primeiros campeões do mundo, pleitearam que eles também recebessem seus patchs, afinal foram campeões. Expectativa foi criada entre os torcedores desses clubes. Ninguém mais pleiteou nada. Claro, no fundo sabem o porquê.

Mas a FIFA mandou muito e disse um peremptório NÃO. Com razão. O patch deve ser algo atual. Para o campeão vigente. E assim, a decisão entre Boca Juniors e Milan iria designar o primeiro clube a receber tal honraria.

O Milan venceu, e foi o primeiro a ostentar o distintivo em sua camisa.

Esse cara era o melhor do mundo. Tô velho.

Esse cara era o melhor do mundo. Tô velho.

No ano seguinte, após uma dramática decisão por pênaltis contra o Chelsea, o Manchester United foi campeão europeu e acabou sendo campeão mundial sobre a LDU, com um jogador a menos, ganhando por 1 a 0. Mas a FIFA percebeu que o patch milanês era bem merdão, e mudou para o atual.

Uma lenda (Giggs) e um magrelo (Ronaldo)

Uma lenda (Giggs) e um magrelo (Ronaldo)

Em 2009, o Barcelona fez o que era tido como inexequível. Fez um SEXTETE e conquistou todos os 6 titulos possiveis (Copa do Rei, Supercopa da Espanha, Champions League, Campeonato Espanhol, Mundial de Clubes e a Supercopa Europeia). Como eu costumo dizer: igualem isso. O time responsável foi esse:

Igualem.

Igualem.

Em 2010, a Inter contava com ajuda divina. Falo de JOSÉ MOURINHO. Foi campeã europeia, sendo o ultimo time italiano a sê-lo. E não teremos outro tão cedo. Além disso conquistou outros títulos, como a Coppa Italia e o Scudetto, fazendo que sua camisa de 2011 virasse um SHOW de patchs maior que a do Cruzeiro de 2004.

Melhor do mundo de 2010

Melhor do mundo de 2010

2011. O Barcelona revalidava sua hegemonia. As outras equipes (fora a Inter de José Mourinho) não podiam fazer nada naqueles anos de dominação. Muito por culpa desse cara:

2012-03-20_BARCELONA-GRANADA_16.v1332283740

Até então só clubes do Hemisfério Norte haviam ostentado o escudo FIFAL em seu peito. Isso não estava certo. O Ano Sagrado de 2012 revelou muitas e muitas surpresas, em vários campeonatos mundo afora, só para citar alguns, o Arsenal de Sarandí campeão argentino, Chelsea campeão europeu, Manchester City campeão inglês, Espanha campeã europeia e atual mundial só com jogadores nacionais e brancos (igualem), LeBron James campeão da NBA (a maior pressão mundial do mundo desportivo), México campeão olímpico (mas se fosse o Brasil também seria quebra de tabu), Tijuana (maldito) campeão mexicano, Montpellier campeão francês com um orçamento CINQUENTA VEZES MENOR do que o do vice PSG, Corinthians campeão da Libertadores e mais umas coisas de outros deportos que não me lembro. O mundial não era novidade para a torcida corinthiana, mas expor na camiseta isso, era para qualquer não-europeu. Guerrero apareceu do nada do em crise Hamburgo e fez o crime. Punhal no peito dos antis, que nem haviam se recuperado do punhal no BAÇO pela conquista da América.

Impedimento do tetracampeonato santista dentro da caixa de fósforo

Impedimento do tetracampeonato santista dentro da caixa de fósforo

A Libertadores continuava com suas surpresas. Desta vez, em 2013, foi o Atlético Mineiro campeão. O Bayern estava pronto para encará-lo, mas numa situação curiosa, o time mineiro, talvez pela ânsia de ver o mar, foi de barco. O resultado foi uma Rajada de vento que simplesmente impediu o esperado confronto. Os cruzeirenses chamaram aquilo de kamikaze (vento divino). O Bayern conquistou o Mundo. Menos de um ano depois, muitos de seus jogadores estraçalhariam o Brasil EM MINAS (coincidência?) e depois seriam campeões mundiais de seleção.

Müller e Götze aquecendo

Müller e Götze aquecendo

Como diria Paulo Antunes, a Libertadores continuava ENGRAÇADJÉNHA. O San Lorenzo pagava o karma de ter desprezado totalmente o torneio (vendendo o mando de campo pro Peñarol e colocando públicos ridículos) em 1960. O Bahia, pelo contrário, botava já 35000 para ver os jogos do primeiro time brasileiro a disputar a Libertadores. O San Lorenzo ficava pelos 7000. E depois cometeu o crime. Foram 54 anos de zoação. Que acabaram graças a uma cobrança de pênalti do paraguayo Ortigoza. A sigla CASLA não mais significava Club Atlético Sin Libertadores de América. E o time ficava ainda mais reconhecido, graças também ao Papa Francisco.

Enquanto uns tentavam romper o HÍMEN, outros eram viciados nisso. O Real Madrid buscava, mais obsessivamente que o Coyote Atrás do Papa-Léguas, a DÉCIMA conquista europeia desde 2003. Todo ano era isso. E nunca dava certo. O magrelo da outra foto, Cristiano Ronaldo, estava mais encorpado e marcou 17 gols na Champions League. Recorde. Mas foi a cabeçada de Sergio Ramos, faltando menos de 2 minutos para o fim do jogo, que ficou marcado como momento explosivo para os merengues. O brioso Atlético de Madrid, que havia feito o que PACHECOS diziam ser impossível, fazer sair o título espanhol das mãos de Barça e Madrid, bateu na trave na competição mais fácil
entre as duas. Quase venceu, mas o primo mais rico disse CHÉÉGA, CHÉÉGA (Antunes, Paulo). Não foi uma conquista inédita. Pelo contrário, foi a DÉCIMA para um lado de Madrid. O futebol pode ser bem cruel.

Como foi por exemplo com o Auckland City. O Sanloré abriu o placar e estava tranquilo. Mas no final, a equipe OCEÂNICA empatou e levou a peleja para a prorrogação. TEMOS UM DJOGO. Mazembar seria mérito só brasileiro, ou argentos sentiriam o gosto? Matos fez o segundo dos corvos, que sofreram até o fim (como quase todos os sulamericanos) para poder enfrentar o todo-poderoso europeu (que passou fácil pelo seu adversário, como de costume).

Quem será o próximo campeão mundial? Quem será o próximo a BRANDIR ANTE AS URBES MUNDIAIS A CHAGA DA FODEZA, A MARCA ESTAMPADA COM SANGUE DE CHEGADA AO TOPO DO MUNDO, o patch FIFA? Quem será o fodão?

Resposta em algumas horas.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Nada Mudou

April 10th, 2014 | 121 Comments | Filed in Botafogo, Flamengo, Libertadores 2014

O Mengão Fodão Hegemônico joga as Libertadores, na maioria das vezes,  sem o seu grande diferencial dentro de campo.

Não, não estou falando da “nação rubro-negra”, que ontem provou mais uma vez, não fazer nenhuma diferença, além da que qualquer outra torcida faz.

Se a arbitragem carioca apitasse esses jogos, como Wright fez em 81, aí sim, nós veríamos o Mengão Fodão Hegemônico, ao invés de uma chacota atrás da outra.

Já o “GIGANTE” Botafogo, voltou e foi embora, sem ser notado, como sempre.

Flamengo e Botafogo foram eliminados na ridícula primeira fase da Libertadores por times ridículos, como Emelec, Leon, Bolívar, Del Valle e Unión. Não iriam a lugar algum mesmo. Enfim, nada mudou.

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

2014 – Uma verdade

March 24th, 2014 | 71 Comments | Filed in Botafogo, Libertadores 2014

Da página oficial da Copa Libertadores no facebook:

#chupaimprensaesportivabrasileira

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Quantos fuscas?

February 6th, 2014 | 116 Comments | Filed in Botafogo, Libertadores, Libertadores 2014, Libertadores 2014

Não vou falar do jogo porque não me sinto nem um pouco confortável pra isso. Não assisti mas fiquei feliz em saber do resultado, o que encaro como um bom início e nada mais.

Minha questão hoje é uma só: Cadê cornetas da torcida?

OBRIGADO DE NADA.

Mandou bem. Chupa essa manga.

Fonte da foto, com mais belas imagens em preto-e-branco.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Coitado, estava preso na Bolívia

August 27th, 2013 | 21 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2013, Corinthians, Libertadores 2013, Torcidas Organizadas, Vasco

As câmeras do SporTV mostram a participação de Leonardo Silva de Oliveira na briga generalizada entre torcedores de Corinthians e Vasco, no último domingo, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. O corintiano, um dos líderes da maior torcida organizada do Timão, foi um dos presos em Oruro, na Bolívia, acusado de participação na morte de Kevin Espada, segundo revelou o jornal O Estado de S. Paulo.

Leandro aparece nas imagens enfrentando policiais, sem camisa, e participando das cenas de violência entre as duas torcidas organizadas.

Em tempo,  o Vasco, mandante da partida e responsável por ela, deveria perder todos os mandos de campo até o final do campeonato. Para servir de exemplo, que clube babaca tem mais é que se fuder mesmo.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Não é milagre…

July 26th, 2013 | 18 Comments | Filed in Atlético-MG, Futebol, Libertadores 2013

*Por não ter assistido a nenhum jogo do Atlético nessa Libertadores, além do motivo óbvio de ser Cruzeirense, deixei para um amigo dos melhores e atleticano dos mais difíceis a tarefa de demonstrar como uma noite, um gol, uma Copa, podem mudar a vida de milhões. Além de grande amigo, Lucas Leal também já foi parte atuante da torcida Galo/Boca e isso eu não esqueço. Rá!

 

Não é milagre...Por Lucas Leal Esteves*

O dia 24 de julho começou parecido para a maioria dos Atleticanos. Enquanto uma parte de BH dormia, a outra sofria com uma insônia que parecia ser a mais longa da vida do torcedor alvinegro. Uma insônia daquelas que nem filme ruim cura, chá de camomila não resolve, música clássica não aplaca. Dormir não era possível. Estávamos a aproximadamente 24 horas de conquistar a América, quem conseguiria dormir? Se não é sofrido não é Galo. Não faria sentido ter uma boa noite de sono horas antes da maior festa de nossas vidas atleticanas.

O dia se arrastou. Mais do que nunca, a cada estampido diferente, a cada copo que caía no chão, ecoava o grito de “Galo!”, aquele que se ouve em qualquer lugar do mundo a qualquer sinal de um barulho mais alto. Junto com o dia, o foguetório também se arrastou. Iniciados na noite anterior, na festa de boas vindas realizada para receber os jogadores do Olimpia em frente ao hotel em que se hospedaram, os estouros duraram por todo o dia, refletindo a confiança do Atleticano no título, muito bem representada pelo “Yes, We C.A.M.” e pelo “Eu acredito!”. E como não acreditar depois de sair em desvantagem em outras duas oportunidades e conseguir revertê-la?

A produtividade nos ambientes de trabalho atingiu níveis críticos. Ninguém conseguiria se concentrar em uma planilha de Excel que não fosse aquela com os resultados do Galo até aquele dia. Papel, só se fosse o jornal do dia trazendo as escalações e os detalhes da grande decisão. Na cabeça os números fervilhavam… três gols nos trazem o título no tempo normal. Dois gols para a prorrogação e, quem sabe, para mais uma oportunidade do milagreiro São Victor fazer chover no Mineirão. Tudo girava em torno daquela partida que se iniciaria dali a pouco.

As pessoas se cumprimentavam nas ruas. Alguns, inclusive, desejavam um Feliz Ano Novo a quem passava, pois chegava o dia 31 de dezembro, mas não chegava 21h50. A cidade se pintou de preto e branco, o manto alvinegro invadia todos os ambientes, a expectativa consumia cada segundo daquele longo dia. Aos poucos as pessoas iam deixando suas casas, seus trabalhos e iam enchendo as avenidas rumo ao Mineirão. O gigante da Pampulha finalmente seria recompensado por todos os serviços prestados ao Clube Atlético Mineiro e testemunharia pela segunda vez no ano uma festa alvinegra, dessa vez a maior da história.

Mais cedo ou mais tarde, a hora do Galo chegaria. Quis o tempo que fosse mais tarde. Era ali, era agora. O Clube Atlético Mineiro entraria em campo pela última vez sem o título da Libertadores. O Atleticano teria sua última noite de sofrimento nessa competição. O Cuca finalmente poderia trocar de blusa. O mundo, finalmente, pararia para ver o Galo retornar ao lugar mais alto do pódio. E parou.

Os pés de Jô, mais uma vez, iniciaram a festa. A cabeça de Leonardo Silva, depois de sofridos 42 minutos do segundo tempo, na bacia das almas, quando só o Atleticano ainda acreditava, possibilitaria que a luta prosseguisse. Finalmente, de novo pelo pé esquerdo salvador de Victor, a Taça começaria a brilhar diante dos nossos olhos para, enfim, depois de muito sofrer, como manda o enredo, a trave do Mineirão nos brindar com a glória.

Clube Atlético Mineiro - Campeão da Copa Libertadores 2013

Clube Atlético Mineiro – Campeão da Copa Libertadores 2013

Choveu no Mineirão. Lágrimas, papel picado, fogos, zica, azar, praga, cabeça de burro enterrada na sede, manto da santa pintado de preto, hashtags, músicas, provocações, tudo. Tudo isso caiu ali no Mineirão. O nosso Horto psicológico matou mais um e, impiedosamente, o Atleticano comemorou. Comemorou porque ali se encerrava um período de 42 anos se alimentando de títulos do Campeonato Mineiro, porque ali caía o estigma de cavalo paraguaio do time e o azar do Cuca, porque naquele momento morria o Urubu chamado Wright que sobrevoava a sede, morria o vice-campeonato invicto, morria aquela final em que dependíamos do Curê para sermos campeões. Comemorou porque mereceu esse título mais do que ninguém.

Até esse dia de alegria, foram muitos dias de luta. Foram semanas agüentando todo tipo de provocação depois de empatar e perder os primeiros jogos contra Tijuana, NOB e Olimpia. Foram meses lutando para superar a desconfiança de todos, que começou lá no sorteio com um sonoro “não vão passar nem da primeira fase”. Foi uma vida de expectativas frustradas, de vitórias que escaparam entre os dedos. Mas esse dia se transformaria no dia do fim. O fim do “nunca serão”. O fim o “eu tenho, você não tem”. O fim do “só converso com quem tem Libertadores”, do “meu irmão mais novo já viu mais títulos que você”, do “não ganha nada, time sofredor”.

Esse dia se tornaria, ainda, o dia o início. O início da nova vida do Atleticano. O Atleticano campeão, altivo, vencedor, confiante. O Atleticano que é reconhecidamente o torcedor mais apaixonado do Brasil e, agora, das Américas e que vai até o Marrocos acreditando ser possível conquistar o mundo. O Atleticano que, finalmente, teve do seu time um retorno, uma recompensa por todo o dinheiro, suor, tempo e lágrimas que dedicou à instituição Clube Atlético Mineiro.

Esse dia fez questão de entrar para a história como o dia mais importante da história do Atleticano. 25 de julho de 2013: o dia da redenção. Não é milagre, é Atlético Mineiro.

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Libertadores 2013: Final – Atlético Mineiro x Olímpia

July 17th, 2013 | 258 Comments | Filed in Atlético-MG, Libertadores 2013

Quem campeonará a Libertadores 2013?
View Results

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Nada a lamentar, tudo a reclamar

May 30th, 2013 | 16 Comments | Filed in Fluminense, Libertadores 2013

Olímpia 2x1 Fluminense

Nada a lamentar é uma expressão ambígua tendo em vista o confronto de quartas de final contra o Olímpia. Fluminense esteve lá organizadinho e jogando sua bolinha honesta com todos os jogadores que não se chamam Fred no melhor nível atingido na temporada, melhor nível que mesmo com pouca inspiração seria suficiente para passar a semifinal. Aquele que, portanto, não tolera somente que seu time seja bisonho não tem nada a lamentar da atuação do Fluminense que tocou a bola e dominou a partida em São Januário e teve bom jogo mesmo quando já ganhava por 1×0 e levou a virada no Paraguai.

Por sua vez, o torcedor de futebol idílico tampouco lamentará a eliminação do Fluminense que entregou-se pifiamente diante à primeira adversidade razoavelmente amena encontrada na competição, sem que na facilidade nada tivesse feito para demonstrar que teria um algo a mais. A saída do Fluminense nas quartas-de-final não alterou em nada a atmosfera da competição como se deu com as eliminações na Libertadores 2008 ou Sulamericana 2009. Nada a lamentar como poderá ocorrer em eventual eliminação atleticana na mesma competição.

Mas corneta, que é corneta tem que reclamar, então fiquem como opções o queixume com o árbitro fidaputi, pilantra, safardana que inventou aquele pênalti quando o jogo seguia nas mãos do pouco inspirado mas centrado Fluminense, mesmo que depois tenha arregaçado nas faltinhas e cartãozinhos com caldo já tinha entornado. E quem quiser ir mais fundo e pensar no Fluminense/Unimed como uma escola futebolera com obrigações cebefianas/barcelonísticas de ditar cátedra na arte de jogar bola que xingue a falta de capacidade de escapar de uma marcação a la Fluminense 2012, do insosso Bruno que não corre para o fundo nem no abafa e no sensível Thiago Neves que caiu na pilha das vaias da torcida do Olímpia e jogou a bola para a lateral quando até o juíz mandava o Olimpiano levantar.

Tirando o relatado, nada lamento e nada reclamo. Que o Fluminense assuma a retranca na essência e especialize a ganhar mediocremente Pontos Corridos. Fechar o ano com faixa no peito é que interessa, mesmo que seja uma no campeonato em que não precisa ser o melhor. Haters gonna hate.

Rhaineken entregou um, mas fez outro. Fora de casa ficou no lucro

Rhaineken entregou um, mas fez outro. Fora de casa ficou no lucro

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.