Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Tudo mal? Dodô bacalhau

December 17th, 2009 por | Categorias: Futebol.

Dodô parece estar em forma. Pelo menos isso. Teste de fogo (sem trocadilhos) para o “amadurecimento” tanto dele, quanto de Carlos Alberto.

O Vasco vai pra 2010 no fio da navalha. E fica a pergunta, Reinaldo vem também? Se vier, quanto o Botafogo está pagando ao Vasco?

Poster do Lincoln

Poster do Lincoln

Inscreva seu e-mail e confirme pelo link eviado para receber novos artigos do Blá blá Gol.

123 Comentarios Enviar por e-mail Enviar por e-mail

123 Comentários para “Tudo mal? Dodô bacalhau”

  1. Victor
    17/12/09 - 13:00

    Agora que o Lincoln se rasga de vez.

    Se ele já ia aos jogos do Fluminense só para ver Dodô no banco, o que dirá agora como Messias Cruzmaltino.

    Responda a este comentário

  2. Rodrigo "Gabão"
    17/12/09 - 13:34

    Apenas uma pergunta, devido ao meu desconhecimento e sem nenhum tipo de provocação. Por que há oito estrelas na camisa do Vasco?

    Responda a este comentário

    Alexandre

    “As oito estrelas representam as conquistas do Campeonato Invicto de Terra-e-Mar de 1945, dos dois Campeonatos Sul-Americanos em 1948 e 1998, da Mercosul de 2000 e dos quatro Campeonatos Brasileiros em 1974, 1989, 1997 e 2000.”

    Responda a este comentário

    Zarga

    Po, então a camisa tá desatualizada. Falta um estrela do Brasileiro 2009…ahuahuahuahhauhauha

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Sem dúvida faltam muitas estrelas aí. Não sei qual o critério usado. Acho que tem haver com a beleza própria da conquista. Por ex: por ter sido uma vitória de virada e em cima de um rival histórico, a do Mercosul mereceu um lugar na camisa e bandeira.
    A da conquista do campeonato invicto de terra-e-mar (um título bonito, para o CRVG), tb tem esse lugar especial.
    Mas tb poderia ter o Torneio de Paris de 57, assim como muitos outros títulos.
    Agora, a da série B, antes colocar ela do que inventar um mundial, né?

    Responda a este comentário

    Matheus

    Mercosul?

    Neguinho inventa muita onda pra botar parafernália na camisa.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Vc acha mesmo, é?
    Legal.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Opa se acho.

    E ainda bem que não é moda. Senão ia ter time querendo colocar coisa de Supercopa, Conmenbol, Copa do Brasil.

    Aliás, nem entendo pra que estrela na camisa, mesmo nos casos de Libertadores e Brasileiro.

    Pra mim a camisa é o escudo, número, patrocinador porque é necessário e pronto. Encher a parada de parafernália é, muitas vezes, um atentado ao patrimônio.

    *****

    Como já virou moda essa bagaça, no máximo dá pra aceitar Libertadores e Brasileiro. O resto é parafernália. Nêgo me coloca estrela em camisa por causa de medalha olímpica? Ah, vá vá vá.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Pois é, Matheus. Essa linha de raciocínio pode servir para o teu clube, ou o clube dos outros. Acontece q o Vasco é diferente da maioria dos clubes por aí. Por exemplo: O Vasco é um dos únicos clubes q não tem o escudo na camisa. Sem dúvida, é um clube diferenciado e com tradições próprias.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Eu também não gosto. Acharia, por exemplo, péssimo se resolvessem colocar uma coroa no uniforme do meu time.

    Hoje, acho que só deveriam ter as duas dos campeonatos sulamericanos.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Bom que concordamos quanto a coroa.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Serginho, eu curto elas pela história q elas tem. E não por ser bonitinho, ou por desejar uma “padronice” nos uniformes de clubes.

    A história do Vasco tem mais é q ser estampada no uniforme. E nada melhor para mostrar a história do clube do q celebrar e immortalizar os maiores títulos. Se outros clubes não tem essa visnao, problema deles.

    Aprecio as estrelas pelas seguintes razões:

    1. A sul-americana de 48 fica por ser o primeiro torneio internacional a ser conqusitado por um clube brasileiro.
    2. A invicto terra e mar fica por ser um título q tem tudo haver com o clube de remo e futebol q é o Vasco (e é um título bonito a vera).
    3. A mercosul de 2000 fica pela virada mais incrível q uma final já viu.
    4. A Libertadores de 98 nem preciso comentar.
    5. E as 4 estrelas pelos brasileirão não tem pq ficar de fora pois representam a conquista da maior competição a nviel nacional.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Alexandre, eu acho que o clube deve sempre valorizar suas conquistas e sua história. Porém, de maneira diferente.

    Até por pragmatismo. Minha visão é sempre em perspectiva histórica, e ambiciosa, então partindo do pressuposto que o Vasco é eterno e que vai conquistar ainda muitas glórias, um dia vai faltar espaço na camisa.

    Então, acho que ou se coloca estrelas referentes apenas as maiores glórias de um clube, ou não se coloca nenhuma. Colocar um monte de estrelas acaba tirando o valor de todas.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Serginho,
    Quando o Vasco conquistar um título de maior expressão, tenho certeza q haverá uma votação para mudar o estatuto q rege as estrelinhas na camisa. Pois como vc disse, mais do q essas 8 vai ficar bem bagunçado.
    Partindo disto, podemos dizer então que do ponto de vista histórico, nossos netos e bisnetos poderão ver camisas de outros tempos e q falam de conquistas distintas.
    Mas até alguem me mostrar uma idéia mais bacana para valorizar as conquistas mais bacanas do clube, eu fico com as estrelinhas q estão alí agora..

    Responda a este comentário

    Matheus

    Quanta bobagem, meu jovem!

    Primeiro, o Vasco não é mais do que nenhum time aqui. Pode ser mais pra você, como o Cruzeiro é mais pra mim ou o Flamengo é mais pro Bender. Mas ficar julgando tradição e blá blá gol aqui não vai rolar.

    O Cruzeiro nunca teve escudo na camisa e só utiliza o Cruzeiro do Sul, usando o escudo apenas para camisas comemorativas.

    E é feio sim. O Cruzeiro a partir de 2004 enfiou uma coroa na camisa que até hoje eu não vejo razão de existir. Parafernália.

    Camisa doida eram as dos anos 70 pra trás. Sem papagaiada.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Teve escudo na camisa sim.

    Responda a este comentário

    Matheus

    E eu falei que não teve?

    Teve na década de 90 pra frente, por causa de uma tradição, que acabou.

    Agora são só as 5 estrelas. Escudo só na camisa 3 ou comemorativa.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Falou q nunca teve, e aí falou que foi apenas nas camisas comemorativas. E uma símples pesquisa revelou que o Cruzeiro teve o escudo na camisa de 43 a 59. ;)

    Responda a este comentário

    Matheus

    “O Cruzeiro nunca teve escudo na camisa e só utiliza o Cruzeiro do Sul, usando o escudo apenas para camisas comemorativas.”

    Cê leu até o fim da frase?

    E você viu que escudo que era?

    Eram as cinco estrelas dentro de um círculo apenas. Nada como o Cruzeiro Esporte Clube de Belo Horizonte, o escudo atual quando é utilizado. Ah, foda-se. Não sei o motivo de discutir isso.

    Agora um time é melhor que outro porque usou escudo na camisa? Putz.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Acho q cada clube deve comemorar seus títulos como bem entenderem. Se vcs acham brega o Vasco ter uma estrela para o Campeonato Invictor Terra-e-Mar, não posso fzr nada se não parabenizar vcs pela opinião. Agora, para o Vasco, que nasceu como um clube de regatas, é um baita de um título.

    Agora, eu nunca falei q um time é melhor do q o outro por causa de estrelas ou escudos. Vc q levou pra esse lado. Eu falei apenas q é um clube diferenciado e com tradições próprias. Ou seja, não segue fórmulas nem enlatados, mesmo pq desde o dia q nasceu era de vanguarda.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Responda a este comentário

    Matheus

    Pô, nem desenhando adianta?

    Esse assunto me dá sono.

    Responda a este comentário

    Victor

    Porra Alexandre.
    Não mete essa também.

    O Vasco faz como qualquer outro faz hoje em dia.
    Ontem mesmo jogou uma partida oficial com uma camisa para lá de escrota que todo mundo comprou.

    Assim como qualquer clube, o Vasco tem suas peculiaridades. O que deu certo e a galera gosta, mantém.

    Uma coisa que deu uma pelada esse ano aqui foi esse tal de “Vasco, tradição, etcetera, etcetera”.
    As coisas vão acontecendo. Ótimo se alguém consegue capitalizar qualquer coisa.

    Eu já vi Vasco jogar com faixa, sem faixa, faixa nas costas, sem faixas nas costas, com faixa na vertical, só de preto, com faixa dourada, com estrelinha, sem estrelinha, com uniforme fashion, com bolinha em volta do número, com patrocínio, sem patrocínio, com dois patrocínios, com patrocínio na manga, etcetera, etcetera.
    Já vi discussão em torno do Vasco sobre tudo isso, como vejo em torno de tudo quanto é clube grande.

    Os vascaínos tiraram 2009 para cagar cheiroso.
    Isso sem contar aquela chatice de “lutar contra racismo” e “construímos um estádio”.
    Eu não vou me colocar como senhor absoluto da verdade, mas dando um bico, isso me cheira ao seguinte:
    O time usou negros e operários e ganhou desportivamente com isso. O estádio também não creio que tenha sido uma mobilização só porque “ah… vocês não podem jogar sem estádio”. Isso aí tem toda a cara do Mundo que já iam construir mesmo.
    Eu tendo a duvidar de qualquer movimento ideológico quando o proponente lucra com ele.

    Agora, o principal que é a identificação do Vasco como clube da colônia portuguesa, pura e simplesmente, passa de lado. Não é nobre?
    Não. Tem de ser libertador e vítima. Tem de ser do povo…

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Não estou metendo nada, Vitor. É apenas uma constatação. As estrelas tão alí pq é o q o clube valoriza.

    Quem disse q a ligação com Portugal passa de lado? Eu não disse! E o hino do time, diz justamente o contrário. Eu não tenho vergonha de ter sido colonizado por portugueses, e não me coloco pra baixo por ter o sido. Não sofro desse complexo de vira-lata q atinge tantos brasileiros…

    Por último: Francamente, não da pra conversar com alguém que qualifica a luta contra o preconceito do Vasco como “chatice”, ou “cagar cheiroso”.

    Responda a este comentário

    Victor

    A chatice não é luta contra o preconceito, racismo ou coisa do gênero.
    A chatice é que lendo como vocês abusaram de colocar nesse ano por aqui, fica parecendo que o Vasco estava um belo dia com seu time de brancos engomadinhos e decidiram:
    “Vamos lutar contra o preconceito. Negros e operários tem de ser iguais”
    A luta do Vasco contra o racismo, foi por sobrevivência, para colocar seu time em campo e jogar. E também, porque até onde me consta, compunham quadro de associados.
    As congratulações ao Vasco, mais que lutar contra o racismo, foi de não ter cedido e tentar se remodelar, o que por fim deveria levar a associação à ruína.

    Espanta-me você, que outro dia muito bem ironizou Lincoln por esse cair na lenga-lenga que os clube tem supre-poderes midiáticos, ser tão intransigente neste ponto que pretendo mostrar onde deve-se pensar com a cabeça de 1920.
    Isto é, os clubes das elites: Fla, Flu, Bota e América não eram o mau contra o bem.
    Eles estavam com sua organização inserida dentro do contexto social da época e arraigados em suas tradições conservadoras. Ótima contribuição para a história. O clube certo, no lugar certo, na hora certa.
    Quanto ao estádio, isso cheira a outra lenga-lenga. Os outro clubes devem realmente ter mandado essa letra, mas o Vasco não deve ter precisado disso para voltar a jogar.
    O Vasco devew ter construído o estádio porque quis, porque se planejou para isso e porque conseguiu mobilizar associados e admiradores. Ótimo de novo. Mas duvide-o-dó que tenha sido para desafiar os rivais.

    Mas aí voltando aos super-poderes, lendo tudo o que li essa ano especialmente, parece-me que o Vasco é a Princesa Isabel reencarnada.
    Eu vejo futebol há um tempão. Vejo pelos mesmos lugares que todo mundo. Aí, sempre aparecem na TV dirigente disso, vice daquilo outro, diretor de marketing acolá.
    Eu não vejo nenhum preto no Vasco. Sério. Pelo menos nos que aparecem na mídia, eu não vi nos últimos 15, 20 anos.
    Os pretos que mais vi foram Alcir Portela e Pai Santana. Estereotipizados mais como figuras folclóricas que pela competência em suas profissões.
    Que clube é esse que se destaca (ou) na luta contra o preconceito e o racismo?
    Estamos em época de cotas em Universidades, etcetera. Coisa que nem me posiciono. Mas se o CRVG é assim tão assim assado, por que não alternar em seus cargos negros?

    Você reclama tanto da massificação midiática do título de 87 para o Flamengo, mas eu te digo que eu vi em um ou outro lugar, balões de ensaio, como se fossem focos de incêncio, experimentando antes de acabar o campeonato que metessem a letra que o Flamengo rompeu com um racismo disfarçado ao efetivar Andrade como técnico e ele ter sido campeão. Não foi para frente.
    Mas tenho certeza que você ficaria puto, porque sabe que o Flamengo não fez porra nenhuma. Quando o caos tomou conta da Gávea e o Cuca rodou, não pelos resultados mas pelo ambiente, o Flamengo não tinha ainda o que fazer e colocou o Andrade ali até contratar alguém. Como o Zé Carlos morreu, ele chorou espontâneamente e o Fla ganhou, ganhou o apoio da massa e mídia e foi efetivado técnico do time.
    Se amanhã ele virar um baita técnico e mais negros forem campeões, PODE ANOTAR: vão meter a letra que foi o Flamengo, clube do povo, quem buscou em suas raízes mais essa vitória contra o preconceito.

    ****
    Eu não tenho nenhum pudor em falar sobre esse assunto. E assim como nos demais, não me constranjo a levantar posições que possam parecer escrotas.
    Da mesma forma que enquanto leigo, não acredito que não hajam diferenças entre as raças. Se existirem, acho que cientistas que trabalham com farmácias não poderiam deixar passar em branco essas diferenças ao estudarem suas drogas.

    Acho que fui o primeiro aqui a espezinhar o Vasco com a contratação do Antonio Carlos. Fiz mais por causa desse nhem-nhem-nhem pós internético de que o Vasco é o time que luta contra o racismo.

    Nesse ano, com o episódio do Maxi Lopes, mudei um pouco minha forma de pensar com as opiniões levantadas pelo Matheus e Bender. O que o argentino fez, foi no fim uma injúria, uma ofensa.
    Fez para agredir e desestabilizar mesmo. Mas, porra, não é esse o intuito de uma ofensa?
    Se é tabú, são outros quinhentos.
    Antonio Carlos, fez a mesma coisa com Jeovânio.

    Se você me perguntar: Você faria isso? Jamais, responderia eu, e ainda ficaria putaço se soubesse de alguém fazendo lá no futebol, por exemplo.
    Mas o cara é racista mesmo? Ele deve ter o que, uns 30 anos de carreira profissional, inclusive como dirigente e empresário se não me engano. Alguém foi verificar se tem alguma coisa que o desabone, que tenha discriminado alguém profissionalmente?
    Eu nem fico com pena do cara, porque eles ganham muita grana pela imagem deles e isso pesou contra a imagem do cara. Às vezes neguinho faz umas merdas que abrem portas como a baranga da Uniban, nada mais coerente que algumas merdas fecharem oportunidades. Mas de qualquer forma, a diretoria do Vasco, aquele clube que luta contra o racismo parará-pão-duro iria contratá-lo como técnico.
    Não fez pelo chororô da torcida internáutica.

    Não condeno. Em tempos de marketing, seria remar contra a maré ter um técnico que desagrade de cara a torcida, mesmo que essa seja irracional. É capaz que se os dirigentes fossem aqueles lá dos anos 20, comprassem o barulho em defesa de um profissional que pelo me consta, sempre trabalhou com negros nos times e não sei de qualquer histórico de discriminação além de uma injúria a um adversário no campo de futebol.

    ****
    Ah sim… o barulho em torno do racismo de Antonio Carlos, deixou passar um detalhezinho que nem André Bona veio aqui falar.
    Perguntem por aí, a quem está ligado Antonio Carlos…

    Sem dúvida, é um clube diferenciado e com tradições próprias.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Ah sim. Então a “chatice” é se orgulhar da história do clube, e relembrá-la em um dos momentos mais difíceis do clube? Evidentemente, isso pode ser chato pra alguns. Mas para outros, principalmente vascaínos, não é. Mas alguém achar chato não é problema, é questão pessoal.

    Assim como é pessoal alguém ter achado que o que falamos é “o Vasco estava um belo dia com seu time de brancos engomadinhos” e resolveu lutar contra o preconceito. Nenhum vascaíno jamais disse algo parecido no site. E se você interpretou assim, interpretou errado.

    Não meu caro, a luta do Vasco contra o racismo, não foi por sobrevivência. Falar isso demonstra uma tal falta de conhecimento da história, o que explica sua interpretação destorcida do que falamos.

    O Vasco já não era um clube qualquer, já era o clube da colônia portuguesa, já tinha um bom número de torcedores e associados. O Vasco já tinha dinheiro, tanto, ou mais, que seus rivais. Já era uma potência no principal esporte da época, o remo.

    O Vasco não iria a ruína se cedesse, era até mais fácil. Mas sem dúvida seria menor hoje por isso. Cresceu por fazer a coisa certa.

    Estar “com sua organização inserida dentro do contexto social da época e arraigados em suas tradições conservadoras” não quer dizer que haja justificativa para certas atitues. E se falamos de racismo, na minha opinião, se trata sim do bem contra mal.

    Quanto ao estádio cheirar a “outra lenga-lenga” para você. Os outros clubes não “devem realmente ter mandado essa letra”, os outros clubes mandaram essa letra.

    O Vasco não “deve ter precisado disso para voltar a jogar”. O Vasco precisou disso. Tanto que o Clássico da Paz foi em São Januário.

    O Vasco não “deve ter construído o estádio porque quis, porque se planejou para isso e porque conseguiu mobilizar associados e admiradores”.

    O Vasco construiu o estádio porque quis, porque se planejou, e porque a situação imposta a ele ajudou a mobilização em torno do objetivo. Não foi um desafio aos rivais, mas foi, também, uma resposta.

    Bom, acho que você não vê, ou viu, negros no Vasco porque somente um racista iria reparar se visse. Como também não sou racista, tive que fazer um pequeno esforço para me lembrar do Isaías Tinoco, hoje no Flamengo, que foi durante muito tempo gerente no clube.

    De qualquer jeito, não existe nada mais racista do que cotas. Espero que os negros entrem em São Januário, como SEMPRE entraram, por MERECIMENTO.

    Sobre o “balão de ensaio” a respeito do Andrade, este tipo de coisa acontecer ainda hoje, causar estranheza (ainda que residual) um negro ser técnico do Flamengo, serve pra ilustrar muito bem o tamanho do que o Vasco fez há quase 100 anos.

    A possível contratação do Antonio Carlos teve a reação que se esperaria do clube, tanto da torcida, como dos associados. Assim como foi feito com as escrotíssimas camisas da Champs.

    É preciso separar, o clube, de atos e pessoas isoladas.

    Responda a este comentário

    Marianna

    pareceu saulo agora…
    nem li

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Pô…mas tem até parágrafos…

    Responda a este comentário

    Alexandre

    “Vcs” quem, Vitor? Sinceramente, vc deve estar me confundindo com um outro Vascaíno que sempre posta por aqui. Pois a única vez que eu toquei nesse assunto que tanto te incomoda foi qdo o Rafael veio com o papo de gênio que o Bangu foi o q peitou a sujeira toda que vc descreve como a “cultura social da época”. Aliás, esse papo de zeitgeist e “contexto social da época” é uma ova! Os demais clubes “grandes” eram racistas e preconceituosos. O Vasco, clube da zona norte, do operário, do negro, do português (tudo q te incomoda, aparentemente) peitou a sujeira toda e fez a coisa certa. Ponto.

    Ridícula essa tua comparação de cotas com o CRVG. Uma coisa não tem nada haver com a outra. O Vasco não é o governo e não tem que dar cotas pra ninguem. Lixo essa tua comparação. TRASH.

    E q bom q o Zago não foi efetivado como técnico. Nihilo sanctum estne? (Nada é sagrado?) Ao menos a nossa torcida provou que algumas coisas ainda são! Agora, se o cara é ou não é, aí é problema dele. Ele se queimou com tal episódio e ele que limpe o nome dele perante a sociedade antes de pisar como técnico em São Janu.

    Qto ao Flamengo, nada me espanta mais. Inventam mundial, inventam título, e daqui a pouco vão inventar a roda tb! Meus parabéns a eles! E q se fodam! Pois o Flamengo não tem nada haver com o tema em questão, que é o bico q vc deu.

    Francamente, quem espanta quem aqui é vc!

    Responda a este comentário

    Victor

    O Vasco, clube da zona norte, do operário, do negro, do português (tudo q te incomoda, aparentemente)

    Nada disso me incomoda.

    ****
    Levanto o ponto que as coisas acontecem para cada clube. Essas ocorreram para o Vasco. Ótimo. Outras ocorreram para o Flamengo e outras para o Santos.

    O Fluminense até onde sei é o clube da aristocracia. Na época, deveria ter a nata (pelos padrões de então) da sociedade em seus quadros e seus conceitos e por trás disso seus preconceitos.
    Hoje, talvez fosse impensável que um clube assim fosse popular. Mas na época não. Tanto que o tricolor moldou sua história.

    O Vasco não nasceu de vanguarda. Nasceu popular. Consequentemente, brigou pelas suas causas.
    Não é melhor que os demais que nasceram de imigrantes estrangeiros e endinheirados.
    Da mesma forma que esses não são melhores que o Vasco por terem trazido o futebol para cá e começado a popularizá-lo.

    E naturalmente, não há problema algum em se enfatizar a história do clube. Nem em momento de baixa e especialmente em momento de alta.

    Mas é perceptível aqui que a história do Vasco vem a reboque de ser maior e melhor que os demais. O que eu também não prego que não possa ser feito. As coisas não são iguais nem do mesmo tamanho, logo, pode ser comparada.

    Mas no intuito da discussão e exposição, ficou perceptível em termos de trazer para a discussão, a valorização neste ano das coisas do Vasco, e desvalorização das coisas do Flamengo, e do Cruzeiro (que mais se discutiu por aqui em 2009).

    Eu vou lendo tudo aqui e juntando com o que já sei o que tento imaginar ter acontecido, e transportando no tempo como as histórias e mitos vão passando e tornando-se verdade.

    Aí ficam sempre alguns questionamentos do tipo: por que diabos o Fluminense é chamado pó-de-arroz?
    Tem lá alguma historinha com negros e mulatos e deve ser bem antiga.

    Aí eu penso cá com meus botões. Será mesmo que era assim tão radical a segregação de Flamengo, Botafogo, Fluminense e América. Será que o Vasco rompeu abruptamente uma barreira como fazem crer por aqui (e por todo o lugar para ser sincero)?

    A história do pó-de-arroz, consta de serem mulatos jogando pelo Fluminense (mas pode ser que fossem em outros clubes também) passando pó-de-arroz para se passarem por brancos.
    Ora, será que ninguém dentro do clube saberia.
    A história deve ter muito de folclore, mas com fundo de verdade, isto é, deveria haver alguma abertura para mulatos e negros nos demais clubes cariocas, mesmo que fosse de forma tímida e contestada por quadros nos mesmos. E mesmo que fosse de uma forma escrota com o cara sem muitos prvilégios e estando ali porque jogava melhor que os outros.

    Como nunca parei para estudar sobre o assunto, pergunto-me sobre nomes conhecidos como Leônidas da Silva e Arthur Friedenreich, imaginando que outros menos notórios devessem existir.

    Na minha cabeça, pela origem popular vascaína, e por ser um time que se moldou com operários, negros e mulatos, e deve ter ganho de lavada dos veteranos, esses sentiram-se ameaçados com:
    1) a força daquela equipe; e/ou
    2) a presença maciça dos negros e operários em um esporte grã-fino.

    Acho inclusive, por incrível que pareça, que o racismo tenha sido mais a justificativa para contrapor a força da equipe que propriamente dito pela diferença de superioridade (entedam que eu não penso dessa forma, mas para a época poderia ser mais justificável e não-condenável).

    Clubes, associações, empresas, etcetera são compostos invariavelmente por gente que pensa diferente e isso vai transformando os mesmos. E claro, o predomínio nos clubes da Zona Sul e América deveriam ser de conservadores, mas devia ter gente buzinando por ali para a incorporação de negros nos quadros de jogadores.
    Imaginem o argumento vindo um time de devastando o campeonato?

    Por característica de nascença, é inegável que o Vasco encontrou o ambiente propício para escancarar e entrar com o time que era o dele. Além do que, se fosse para chutar, chutaria que foi uma vitória de uma associação de populares, uma vez que os elitizados já tinham os clubes deles e esses tiveram de galgar seu espaço por conta própria.

    Estranho seria se após isso tudo, com a ajuda vascaína para quebrar o paradigma com um time cheio de negros e operários, os tradicionais mantivessem a postura racista. Não mantiveram pelo visto.

    Eu, ao contrário do que me parece em muita gente, não tenho o menor despareço pela história dos outros times. Tanto que devo ser o único que posto por aqui fotos minhas com camisas de outros times por livre e espontânea vontade. Vasco incluso, time que escolhi para ser junto com o Fluminense, minha primeira equipe de botão.
    Só que levanto o contra-ponto que a história da luta contra o racismo no futebol não deve ter sido tão yin-yang como os vascaínos levantam aqui, o que se não me fiz entender (e creio que não, uma vez que no seu modo de ver o que escrevi te leva a crer que eu me incomodo com zona norte, operário, negro e português) deixo claro que não desmerece em nada a História do Vasco.

    E tenho para mim a convicção que o Flamengo tem muito a ver com essa história, porque continuo espantado que busquem ser tão zelosos com a história cruzmaltina e tão relapsos com a rubronegra. Cheios de dedos e filigranas com o Mundial de 81.
    Alguem põe em xeque a importância e imponência da conquista? Era um período tão nebuloso assim para constatar que o CRF foi ganhando o que todo mundo tinha de ganhar ainda hoje para chegar lá, isto é, Brasileiro – Libertadores – Mundial.
    Da mesma forma que percebo por aqui que tentam apodrecer o cocô do rival para feder mais, imagino que cagam cheiroso.

    ****
    Fui pesquisar quando São Januário foi inaugurado. 1929. O Vasco voltou a disputar o campeonato antes. Fico mais convicto ainda que a exigência de um estádio foi mais “chororô” dois rivais que algo assim fundamental. Devia ser algo como esses laudos da PM para não ter clássico no Engenhão. Mas uma questão política e de manutenção do status quo que qualquer outra coisa.

    ****
    Se eu não confio cegamente no que a História diz de 2009, não vou meter minha mão em cumbuca alguma para 1920.
    Tenho um exemplo que soube essa semana.
    Sempre ouvi dos mais velhos, tricolores festejando e rubronegros praguejando, que Wilton Mãozinha tinha feito o gol de mão no Flamengo em uma final de Carioca.
    Agora que ele morreu, já vi que foi em um jogo sem tanta importância pela Gomes Pedrosa de 68.
    Se HOJE, cheios de informação não conseguimos ver além de mitos, imagina em 1920 e com essas informações passando no boca-a-boca, e para piorar, sempre modificadas em tom proseiltista.
    E ainda quando intenção não é proselitista, há a probabilidade de ser propagada por gente que na melhor das intenções, buscará o lado mais nobre da história. E talvez essa história que recebemos hoje.

    ****
    Falo dessa história do Vasco e de São Januário, mas poderia falar outras de outros times que costumo coloca também em dúvida, como por exemplo, a Taça Olimpica do Fluminense.
    A história que sempre chegou aos meus ouvidos era que o Fluminense tinha recebido por ser o único clube no Mundo na época onde se praticavam todos os esportes olímpicos.
    Nunca me cheirou bem essa versão.
    Bem… pelo visto a história não é essa mesmo, embora seja bem mais legal, mas assim como o Vasco, o Fluminense foi atrás e se aproveitou de tanto despreendimento e boa-vontade.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Sem dúvida Alexandre, nada disso incomoda ao Victor. E apesar de discordar, entendo a postura dele.

    O fato de acharmos a história do Vasco mais bonita, não torna as outras necessariamente feias. E nem obriga os demais a concordarem com isso, ou admitirem isso.

    Por fim, eu não hesito em defenestrar o que há de ruim na história do Vasco, no passado ou agora, mas também não gosto quando colocam poréns na parte que considero mais bela. Sim, o Vasco brigou pelas suas causas, que eram as corretas.

    Alguns esclarecimentos:

    De fato, São Januário foi inaugurado em 1927, e o Vasco já havia voltado a disputar com os outros. Então faço o “mea culpa”, confundi as brigas. De qualquer jeito, isso não muda nada.

    Pra mim, não há diferença, trato o Flamengo como trato todos outros times.

    Não considero o “mundial” rubro-negro, como não considero nenhum outro organizado pela Toyota.

    Achei Flamengo x Atlético-MG um roubo, mas acharia a mesma coisa se fosse com outro time.

    Não confio CEGAMENTE em nada, nem em ninguém. E se me provarem que a história do Vasco não é como parece, não terei problema, tirando a decepção, em admitir isso.

    Responda a este comentário

    Rodrigo "Gabão"

    A história do Vasco, Serginho, deve ser repleta de fatos bonitos e outros nem tanto, assim como diversos clubes mundo afora. E já que vocês estão discutindo a história de São Januário, vale a pena lembrar que o estádio era o principal palco para os discursos e a propaganda de Getúlio Vargas.

    Responda a este comentário

    Rodrigo "Gabão"

    Ah, e antes que vocês me entendam mal, não estou falando mal do Vasco, apenas quis registrar um fato histórico. Além disso, não sou nenhum anti-getulista. Vejo muita coisa boa nele, como diversos ganhos sociais e econômicos que o Brasil teve nos períodos do seu governo. Mas também considero alguns pontos negativos, principalmente por ter se tratado de uma ditadura e cerceado muitas liberdades.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Rosa Parks estava bebada qdo se sentou no lugar dos brancos no ônibus. E por estar bebum ela não entendia as ordéns do motorista branco, q por sua vez, queria q ela ocupasse o assento destinado aos negros. Como nem eu nem ninguem aqui estava lá, e não havia bafômetro na época, podemos deduzir que tudo aquilo q aconteceu foi apenas uma grande jogada de marquetingue q soube aproveitar o clima da época para alavancar os direitos da raça negra.

    Pronto, deduzi algo sobre a história.

    Parabéns(?).

    Quero ver alguém falar isso na cara de um negão do Alabama (ou para qualquer gringo).

    De, resto, Vitor:
    Começando pela luta contra a discriminação, passando pela profissionalização do futebol (o chamado “bicho”) e indo até a Escola Vasco da Gama e o Centro de Memória do Vasco o CRVG é e sempre foi de vanguarda.

    Responda a este comentário

    Matheus

    “Escola Vasco da Gama” é de vanguarda uma ova.

    Cruzeiro inaugurou a dele antes.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    É um projeto social? Oferece ensino fundamental e médio? Ou é apenas uma escola de esportes? Tem toda estrutura médica e odontologica? Oferece refeições tb? E oferece tudo isso custeado pelo próprio clube? Ou é apenas uma escolinha de esportes?

    Responda a este comentário

    Matheus

    Sim.

    A escola do Cruzeiro é uma escola pra garotada da base que não pode estudar em outros lugares. Ou que teve que se mudar pra Belo Horizonte para jogar e precisa de ensino.

    Respondido?

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Legal hein? Qdo é q foi fundada? É só para os jogadores da base?

    Responda a este comentário

    Matheus

    Bom, eu sei que é pra mulecada que joga lá. Desde os pequenos até do time profissional.

    Quem quiser terminar o 2º grau do time profissional, pode ir.

    Foi em fins de 2002 que ela foi fundada. Ou um pouco antes, não sei com certeza.

    Responda a este comentário

    Rodrigo "Gabão"

    Nenhum clube chega perto das Universidades americanas. Aquelas sim bancam tudo e com qualidade de alto nível.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Mas isso é o diferencial pros esportes deles.

    Lá não existe divisão de base como a gente conhece.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Olha só… Interessante. Mas aparentemente é bem mais do q pra mulecada q joga lá. É uma rede de escolas e atende a 20mil alunos. Bacana.
    O Colegio do Vasco é de 2003, mas desde 77 os caras investem na educação de seus atletas (q não se limita aos atletas do futebol, óbvio.)

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Errei. Essas escolas aí são as escolinhas de futebol.
    A escola em sí é a “Escola Alternativa do Cruzeiro”, q foi fundada em de 2001. Realmente é um belo projeto social, e veio antes do Colégio Vasco da Gama.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Cara, pra mim, na real, quem veio antes não importa.

    Importa que os dois fazem um trabalho diferenciado. Parabéns.

    Responda a este comentário

    Victor

    Para mim não importa nada.
    Só reforça que esse papo de “vanguarda” é um grande pé no saco de quem não conhece porra nenhuma além dos portões do próprio clube.

    Criei esse quiproquó todo para dizer que é comum ficar cagando cheiroso sem conhecer a história de NENHUM outro clube.

    Se amanhã vier um gremista aqui e disser que a escola deles é de 72, e for, vai todo mundo meter o rabo entre as pernas.

    Não é coisa só daqui. Todo lugar é assim.
    Porra. É CHATO pra caralho discutir futebol dessa forma. As coisas não andam para frente.

    Responda a este comentário

    Rodrigo "Gabão"

    Além disso, essa porra tá ficando estreita!

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    A culpa é tua Gabão, que foi perguntar das benditas estrelinhas…hauhauahaha

    Responda a este comentário

    Rodrigo "Gabão"

    Então vou criar mais uma polêmica, até caber só uma letrinha aqui. Victor, POSSO?!

    Responda a este comentário

    Victor

    Se for totalmente diferente, manda para o e-mail que vira post.

    Matheus

    Ok. Parabéns pros dois.

    Responda a este comentário

    Victor

    Você deduza o que quiser.
    Mas eu leria com atenção se você dissesse que nos EUA era época de tensões e transformações, com inúmeros episódios ocorrendo e com clima propício e que o episódio foi o estopim e o que mais apareceu.
    Provavelmente ocorreria sem esse episódio, mas não aconteceu por causa desse episódio.

    ****
    Assim como você pode dizer que o assassinato do Arquiduque austríaco foi o estopim para a 1ª Guerra, que aconteceria sem esse evento, mas não aconteceu por causa desse evento.

    ****
    Você pode escolher debochar do que escrevo e se fechar à dúvida. Só peço que faça isso com as coisas do Flamengo, e não se esqueça de propagar o milagre tricolor de 2009 pelos anos que virão. Seria um favor para mim, porque eu não vou conseguir.

    Responda a este comentário

    Bender

    Hahaha… essa questão do Arquiduque lembro que errei no vestibular. Escrevi como causa da 1ª guerra mas a banca, corretamente, não aceitou.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Epa! Aí também não.

    Acho que o Alexandre se expressou mal. Realmente todos os clubes são, de um jeito ou de outro diferenciados, e tem suas tradições.

    Agora, apesar da camisa escrota estilo “Volta Redonda” (pensando bem, faz sentido ela comemorar a volta a 1ª…péssima) a camisa do Vasco é das que menos sofrem alterações significativas ao longo dos anos e os adeptos do clube, de fato, são mais apegados a algumas tradições, e resistem mais a algumas mudanças.

    Isso, evidentemente, com o passar dos anos vai se tornando, digamos, mais maleável, agora, que é uma característica do clube é.

    Ainda bem que você não se coloca como senhor absoluto da verdade, porque se soubesse um pouquinho do que está falando, saberia que, por exemplo, o clube foi o primeiro a ter um presidente mestiço, e de fato teve suas raízes populares mantidas enquanto cresceu, jamais tendo sido racista.

    Chega dá vontade de rir, dizer que o Vasco ganhou desportivamente, é óbvio. Pro Vasco, fazia todo sentido escalar os melhores atletas, pros outros importava escalarem os atletas brancos.

    Graças a Deus, hoje é fácil qualquer um chegar e dizer que exaltar essa atitude do Vasco, sendo brutalmente pressionado ao contrário, é “cagar cheiroso”. Vou me lembrar disso, quando mencionarem a “fidalguia” do clube das Laranjeiras.

    Sobre São Januário, é o seguinte, provavelmente iriam construir sim. É uma hipótese que qualquer um pode ACHAR. Mas construíram o MAIOR estádio da América Latina, justamente quando foram banidos por bancarem atletas negros.

    Sem dúvida, os outros clubes do Rio podem menosprezar isso, afinal eles tem o Maracanã, o Engenhão. Nós vascaínos, continuaremos a “cagar cheiroso” contando a linda história do nosso estádio.

    Agora, o principal, a identificação do Vasco como clube da colônia portuguesa está longe de passar de lado. É motivo de orgulho, e não sei de onde você tirou essa pérola.

    Responda a este comentário

    Victor

    Graças a Deus, hoje é fácil qualquer um chegar e dizer que exaltar essa atitude do Vasco, sendo brutalmente pressionado ao contrário, é “cagar cheiroso”. Vou me lembrar disso, quando mencionarem a “fidalguia” do clube das Laranjeiras.

    Cagar cheiroso, como expliquei em comentário antes de ler esse, é HOJE em dia, vem vascaínos colocando o clube acima do bem e do mal por esse episódio, que digo, ótimo e parte integrante da história do clube, do futebol e da sociedade brasileira. Mas conversava com Bender outro dia, e ficamos com a impressão que pelo que lemos esse ano, os vascaínos torcem para o Vasco por causa dessa história. E por conta disso, os vascaínos pelo que entendo, vêem-se com uma história acima dos demais. O que eu também não vejo problema algum. Não sou eu quem vou julgar critério de ninguém. Mas me causa espanto que isso se proliferou em tempos de internet de forma espantosa, fazendo parecer até que os vascaínos de hoje escolheram torcer pelo Vasco por causa disso.

    Quanto a São Januário, é outra história também. Vi nesse ano em brigas que o pessoal teve com Matheus, contando-se uma vantagem quanto a isso como se fosse a redenção do RJ e que isso fez do Vasco o maior clube do País, etcetera, etcetera. Cada qual com seu cada qual.
    Eu fico quietinho ouvindo vocês falarem. É o cruzeirense escolhendo que ano começa a história, sendo que antes desse ano valem títulos de Taça Brasil e Libertadores mas não clássicos e estaduais. É rubronegro dizendo que ídolos dos clubes são os que brilham na telinha. É vascaíno exaltando a construção de estádio, e se tivessesmos por aqui gremistas, colorados, atleticanos tenho certeza que ouviria bravatas iguais.
    Se é para justificar historicamente qualquer coisa e comparar times, então que se procure saber de todos. Pelo menos dos 12 grandes. Alguém pega as Laranjeiras hoje em dia, e deve imaginar que era uma porcaria e que São Januário salvou o futebol carioca. Ledo engano. As Laranjeiras era grande e foi a primeira casa da Seleção Brasileira. Ótimo e parte integrante da história do clube, do futebol e da sociedade brasileira. Por que diabos os historiadores cruzmaltinos não ressaltam isso, então?
    Se era o Fluminense um clube de Zona Sul e aristocrático, que assim o fosse. Há problema nisso? É ruim ser aristocrático? Se o pensamento vigente era racista na época, condena-se o clube ao inferno? Os colonizadores portugueses eram escravocratas. E daí? Não se pode colocar valores morais de 2009 em 1920 e/ou 1815.

    Cagam cheiroso não em contar a história do estádio, mas venderem o Vasco acima do que é pela história do estádio. Que deve ser muito bonita, mas seria interessante que vocês procurassem descobrir como ela foi de fato ao invés de aceitarem o que é escrito. Como eu disse, eu não sou dono da verdade, mas desconfio de toda a verdade que me vendem. Da mesma forma que o Flamengo é o Hexa hoje, parece-me que São Januário foi contruído em desagravo à Flu, Fla, Bota e América. Vocês acreditam nisso?

    Eu estou pouco me cagando em vender o Fluminense. Se não disse aqui, disse em um fórum cruzeirense que participo, que a principal característica que acho que o Fluminense não tem, é a fidalguia.
    Se teve em algum momento, e creio que teve, hoje não tem mais. Desde que me entendo por gente.
    Se me verem por aí levantando essa bandeira, ou eu terei MUITOS argumentos para explicar, ou preciso ser internado, ou estou ganhando muita grana.

    Se, por força do estereótipo eu alertar para uma atitude fidalga do Fluminense, é mais para reforçar essa associação e força do estilo, mas duvido que não venha acompanhado de um purrilhão de senões.

    E para constar, eu não escolhi torcer pelo Fluminense por fidalguia ou qualquer coisa. Devo ter escolhido por ser o time da minha família, ou por ser o time campeão que era buzinado na TV, ou por Romerito e Branco ou por tudo isso junto.

    ****
    Eu sei da identificação vascaína com a colônia portuguesa. “Sei porque eu sei”. Pois se não soubesse, ficaria sem saber uma vez que por aqui raramente são citadas as intervenções da Colônia em prol do clube. Vai ver que isso não dá para tirar muita onda com o Flamengo. Deve ser mais legal citar que fez estádio e que é de vanguarda por lutar contra o preconceito, coisa que o Flamengo não fez. Ou então se colocar como maior porque ganhou títulos em épocas distintas e não em “4 anos mágicos”.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Não me responsabilizo porque quem coloca qualquer coisa acima do bem do mal, muito menos um clube de futebol.

    Ter orgulho da história do Vasco, eu tenho. Mas não sei torceria ou não para ele se a história dele fosse diferente. Não sei se meu avô torceria, por exemplo. Um clube é, em boa parte, a sua história.

    E como disse no outro comentário, é natural que se apeguem aos momentos grandes do clube, quando ele está por baixo.

    ****

    Antônio Soares Calçada, Arthur Sendas, Olavo Monteiro de Carvalho, Luso Soares, Amadeu Pinto da Rocha e outros, conselheiros, ex-presidentes, e beneméritos do clube, são da colônia portuguesa por exemplo.

    A colônia faz parte do Vasco. Mas nem sei porque alguém “tiraria onda” com isso. Seria como sacanear você dizendo que eu sou vascaíno.

    Sim, eu considero maior um clube que tem uma história maior e que construiu um patrimônio maior e que normalmente é forte com mais regularidade e não em períodos isolados.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Não entendo o porque de vocês acharem que isso é uma briga Blá Blá Gol x Vasco. Pra mim, pelo menos, não é.

    Já me quiseram vender o título de 87 pro Flamengo e eu não comprei, como não vejo com bons olhos qualquer coisa propagandeada por gente que vai lucrar com isso.

    Se vocês não perceberam, eu só postei a história do melhor time do século pra tirar onda. Tá lá no post pra todo mundo ver.

    Agora, teima-se aqui, toda vez que alguém fala mal do time de alguém, acharem que é uma cruzada contra Fla, Flu, Bota (apesar que quase ninguém fala mal do Bota – só Gaburah), Cruzeiro, Vasco, etc. Daí complica.

    Responda a este comentário

    Bender

    O Cruzeiro chegou nas semi em 87, seria interessante ver a opinião dos cruzeirenses SE o time tivesse ganho. Outro nhenhenhém é do mundial interclubes. Quem o disputou e perdeu vem com papo de a Fifa isso ou aquilo.

    ****

    Sobre todo o papo aí de cima, é uma pena que os vascaínos não entenderam as ponderações do Victor. Não entenderam o exemplo do Andrade ou o da colônia portuguesa.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Posso garantir pra você que se o Cruzeiro tivesse ganho, essa discussão não chegaria aos dias de hoje.

    E, pra evitar qualquer problema, não duvido que o Cruzeiro jogaria a final.

    Responda a este comentário

    Bender

    Não Matheus, vc não pode garantir nada. NADA.

    A única certeza que tenho é que o Cruzeiro jogaria a mesma final que Flamengo e Inter jogaram.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Bom, eu pelo menos não fico de milongas dizendo que o Cruzeiro é campeão brasileiro de 66.

    Acho que é um título nacional, mas não era O campeonato que temos. E nunca falei aqui que o Cruzeiro é Bi. Eu não considero. E fico puto da diretoria ficar correndo atrás disso.

    Foi um título fabuloso, conquistado após um 6×2 no Santos de Pelé e tudo mais. Ficar arrumando birrinha porque os atleticanos acham que foram os primeiros campeões só vai desmerecer.

    Responda a este comentário

    Bender

    Taça Brasil é, completamente, uma outra discussão.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Será, Bender?

    Responda a este comentário

    Bender

    Bom, vc acha que a discussão “reconhecimento das Taças Brasil e/ou Robertão como brasileiros” passa pelo “reconhecimento da Copa União”?

    Responda a este comentário

    Matheus

    Cara, do ponto de vista do regulamento, eu ainda acho o módulo verde menos Campeonato Brasileiro do que esses dois.

    Primeiro porque foi idealizado à revelia da instituição que organizava o esporte em 87, diferentemente das Taças Brasil.

    Além disso, eram classificados os melhores de cada estado e não os “maiores clubes que faziam parte do C-13”.

    Não vejo nenhum absurdo, apesar de não gostar da ideia, se times que conquistaram um desses dois títulos, reinvidicasse como título nacional como o Flamengo faz om 87.

    Responda a este comentário

    Victor

    Nem eu.

    Eu acho que a Taça Brasil era a forma da época de mensurar o campeão brasileiro.
    A fórmula era primitiva, privilegiava RJ e SP. Paciência.

    Aliás, eu não vejo problema algum que os times reinvidiquem esses títulos. Porque cada vez que se lista de 71 em diante, esses título vão sendo esquecidos.

    Eu nem ficaria com medo de colocar a Taça Brasil na brincadeira (pelo menos nos anos que não tinham Roberto Gomes Pedrosa) por ser um modelo parecido com a Copa do Brasil, porque se a ideia do formato era semelhante, a ideia por trás de uma integração nacional e se criar um competição nacional não deveria ser.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Matheus, concordo com você. Acho que sem se importar com quem organizou o torneio, não há nenhum outro motivo pra não se reconhecer estes campeonatos como Brasileiros.

    E é óbvio que considerar a Copa União um Brasileiro e não considerar os outros da mesma maneira só tem uma explicação. O time que “ganhou”.

    Responda a este comentário

    Bender

    Vc não respondeu minha pergunta onde a resposta é simplesmente um não. O “reconhecimento” das Taças Brasil nada tem a ver com a Copa União. É uma outra questão. 87 é um caso singular. A confusão em 87 se trata de politicagens extra-campo e questões jurídicas.

    Não vejo problema algum que os times reinvidiquem os títulos pré-71 [2].

    ****

    Ainda bem que Serginho sabe quem ganhou 87.

    Responda a este comentário

    Matheus

    É óbvio que acredito que tem a ver.

    Se a CBF vai e me lança: “Olha, nós nos equivocamos e hoje entendemos que o Flamengo é campeão Brasileiro de 87, por ter ganho a Copa União, apesar de não ter sido um campeonato organizado por nós.” Sou capaz de apostar que os outros times vão querer o reconhecimento dos outros títulos com base nessa decisão.

    Responda a este comentário

    Bender

    Sim, vão querer.
    Assim como se ocorrer o contrário, a diretoria do CRF tb vai querer.

    Mas a questão do “reconhecimento” das Taças Brasil fundamentalmente nada tem a ver com a Copa União.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Isso é que é foda. Se o cara admite que considera o negócio porque é flamenguista, e o Mengão “ganhou”, foda-se, problema dele.

    Mas não, ele diz que não interessa quem organiza, no caso não interessa nem o regulamento.
    Que o que vale é o campeonato disputado pelos “melhores” times.
    Vem posar de sensato, imparcial e etc.

    Aí numa situação idêntica, diz que a situação não tem nada a ver.

    Responda a este comentário

    Bender

    Pra variar, tá bêbado.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Vim até ver se tinham tirado as aspas que eu coloquei “ganhou”.

    Responda a este comentário

    Bender

    “Dãhhh… editaram!!! Arrastado pra lama!!! Calhorda!!!”

    Aspas ou asterisco, vc sabe quem ganhou.

    Responda a este comentário

    Victor

    Em 87 o Flamengo ganhou um campeonato bem organizado e divulgado contra alguns dos melhores times do Brasil e o Sport ganhou um campeonato mal organizado e divulgado contra alguns dos melhores times do Brasil.
    2 erros não viram um acerto. Ano sem campeão Brasileiro. Pena. O Guarani, time campeão brasileiro há menos de 10 anos antes viveu um grande momento em 86/87/88 mas teve de jogar o campeonato sem apelo.

    Responda a este comentário

    Victor

    Erro meu.
    Sei lá se o Sport ganhou. Foi tão escroto que acabou empatado entre Sport e Guarani.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Não acabou empatado. 1º jogo= 1×1, 2º: 1×0 Sport

    Responda a este comentário

    Bender

    O grande equívoco da Copa União foi a não inclusão do Guarani e América.

    Responda a este comentário

    rafael botafoguense

    botafogo bicampeão brasileiro.

    Responda a este comentário

    Victor

    Como “ficcionista” imagino que como o Cruzeiro seria bicampeão em 2003 (não acho que mudaria sua posição em 88, o time foi bem sendo eliminado pelo Inter nas quartas) e depois o São Paulo levaria a taça de bolinhas de qualquer forma, sem estresse, não teria tanto escândalo porque nem Flamengo nem Cruzeiro iriam reivindicar nada.

    A discussão de 87 não tomaria a proporção nacional que tomou com flamenguistas, são-paulinos e sportistas discutindo e Juca Kfouri não cagaria meias-verdades por aí ajudando a desinformar todo mundo. Isto é, cagaria, mas não se daria bola, e faria de forma esporádica.

    Possivelmente, isso seria um karma belorizontino apenas como era aqui no Rio até o SPFC ganhar seus títulos.

    Responda a este comentário

    Zarga

    Também acho a maior palhaçada encher a camisa de estrelas, por mais vencedor que o time seja. Escolhe uma ou outra mais relevante e pronto…

    “Agora, a da série B, antes colocar ela do que inventar um mundial, né?”

    É verdade. Faltou o Flamengo enfrentar aquele super-time do interior do Irã. Talvez fosse mais forte que o Liverpool…

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Aí é q tá, Zarga. Se houvesse um time do Irã, ou ao menos um quadrangularzinho… Mas no final, o q importa é q Intercontinental não equivale a Mundial. Saca?

    De resto, eu acho bacana q o Vasco valoriza o q foi importante para o clube.

    Responda a este comentário

    Bender

    Só título de campeão mundial deveria estar nas camisas. Quem não tem, não coloca estrela.

    01

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Essa estrela é o equivalente ao penta hexagerado. É invencionice da Globo e da Urubuzada. Uma visita a pagina da FIFA esclarece isso. Tá lá “Intercontinental Cup”. E “Intercontinental” em inglês, quer dizer a mesma coisa em português. Ou seja, não é “Mundial”. Alcança?

    Responda a este comentário

    Bender

    Alcancei.


    For Flamengo and Atletico-MG, their conquests came with one distinct bonus – overcoming a fierce rival in the final. The 1981 world club champions triumphed over Botafogo (…)

    http://www.fifa.com/worldfootball/clubfootball/news/newsid=128162.html#state+rule+claimed+brazil

    Responda a este comentário

    rafael botafoguense

    o cruzeiro numa época tinha umas taças libertadores em cima do escudo,o botafogo graças a deus tirou as estrelinhas amarelas,estrela é solitária porra!

    Responda a este comentário

    Matheus

    Não importa o time.

    É feio pra porra.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    Engraçadinho… Não alcançou não. Essa aqui é a que conta:
    http://www.fifa.com/classicfootball/clubs/club=44132/index.html
    Honours:
    * 1 Intercontinental Cup: 1981

    Responda a este comentário

    Bender

    É o mesmo site bonitão.

    E depois de


    “Acho q cada clube deve comemorar seus títulos como bem entenderem.”

    Eu não discuto mais com vc mundial interclubes nem Copa União.

    Responda a este comentário

    Alexandre

    É o mesmo site? É. A diferença é q um é um artigo escrito por qq jegue da FIFA. O outro é simplesmente a página oficial do Flamengo na FIFA.

    Mas tá tranqs, Rafael. Siga comemorando o teu “mundial” assim como teu “hexa*”. Meus parabéns!

    Um abraço.

    Responda a este comentário

    Bender


    “Sem dúvida, é um clube diferenciado e com tradições próprias.”

    Responda a este comentário

    Victor

    Hahahahahahaha
    Essa é outra de rachar o bico mesmo.

    Qual clube grande, diabos, não seria diferenciado com tradições próprias?
    Até o nosso pequeno Marieta FC é.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Hahahahahaha.

    Marieta é timáço! Não é qualquer um que pode contar com Saulo e GLADSTONE no mesmo time.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Esta é a camisa do Flamengo mas bonita que eu não vi.

    Responda a este comentário

    Victor

    Se tem time que se considera o melhor do País em um século às custas de Supercopa, por que não colocar estrela?

    ****
    Eu gosto desses critérios:

    Pra mim a camisa é o escudo, número, patrocinador porque é necessário e pronto. Encher a parada de parafernália é, muitas vezes, um atentado ao patrimônio.

    Se minha cadeira não fosse forte já estaria quebrada de tanto que estou rindo.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Ah, convenhamos né chefe?

    Viver sem patrocinador hoje no mundo do futebol é pra poucos. E o Cruzeiro não é um deles.

    Hehehehe.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Huahauhauaha…porra Gabão…pra que perguntar sobre as estrelas…

    Responda a este comentário

    Victor

    Maiores Blá-blá-blás da década que superdimensionaram e neguinho embarcou (e naturalmente, comprada pelos torcedores desses times):

    – Tríplice Coroa do Cruzeiro em 2003 (na época, Libertadores e Mundial já eram mais valorizados que Copa do Brasil)
    – Internacional Campeão de Tudo em 2008 (para amenizar a mágoa com o Grêmio disputando o Brasileirão e classificado para a Libertadores)
    – Cruzeiro maior time brasileiro do Século XX
    – Impossible is Nothing

    Responda a este comentário

    Matheus

    É muito Mimimi pro meu gosto.

    Responda a este comentário

  3. Lincoln
    17/12/09 - 13:39

    VASCOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!

    Responda a este comentário

  4. Lincoln
    17/12/09 - 13:39

    LINCOLN NOSTRADAMUS!!

    http://www.blablagol.com.br/boca-muito-prazer-fluminense/#comment-19724

    Responda a este comentário

  5. Zarga
    17/12/09 - 13:54

    Um milagre como o que aconteceu com o Pet não acontece todo dia. Mas vamos ver, né…ele sempre foi bola.

    Responda a este comentário

  6. Alexandre
    17/12/09 - 13:54

    O outro coroa serviu lá na Urubuzada.
    De repente esse aí ajuda no Bacalhau.
    Veremos!

    Responda a este comentário

  7. Serginho Valente
    17/12/09 - 14:40

    Matheus, Thiago Martinelli…é bom?

    O Vasco parece estar querendo fazer a zaga reserva do Cruzeiro titular na Colina.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Cara, é bom. Eu gostava dele.

    Teve uns problemas de contusão no Cruzeiro, mas eu achava ele bem técnico. Bem melhor que os que estão no Vasco, por exemplo.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Pelo visto então, a zaga Gustavo e Thiago Martinelli é boa, mas bichada…rs.

    Pior, que estou começando a levar fé no time ano que vem.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Os dois são bons. Martinelli mais técnico e Gustavo mais pancada.

    Mas, pra você ver, eram reservas do Cruzeiro. E nem eram os primeiros.

    Acho que ainda podem reforçar.

    Responda a este comentário

    Serginho Valente

    Na verdade, deve ser mais a esperança de fim de ano que acontece com todo torcedor, mas estou achando que o time já é MUITO mais competitivo do que foi durante muito tempo.

    Se mantiverem a seriedade do ano passado, acho que podemos ter um ano sem sobressaltos. E com uma pequena chance de ter uma equipe forte no 2º semestre se o Juninho voltar.

    Responda a este comentário

  8. Lincoln
    17/12/09 - 23:32

    caralho.. vai se fuder esses comentarios todos acime com 3k caracteres cada! Vai escrever um livro cambada!

    Responda a este comentário

    rafael botafoguense

    haauahuahauahaahahahaahaa

    Responda a este comentário

  9. Paulo Pimentel
    19/12/09 - 6:30

    Excelente dica Lincoln.
    Uma das coisas que mais me incomodam no blablagol é a quantidade de gente inteligente perdendo tempo, se degladiando quando poderiam se unir e fazer coisas bacanas pelo futebol.
    Escrever um baita livro sobre essas diferenças clubísticas seria um puta serviço ao futebol e a cultura esportiva.

    Responda a este comentário

  10. Rodrigo "Gabão"
    19/12/09 - 10:55

    Meus caros,

    Analiso que os seus comentários são oportunos, ao dar a ideia dos comentaristas do blablagol escreverem um livro. Contudo, não se pode deixar de reconhecer a importância desse blog.
    É muito difícil debater sobre futebol pelo fato de sempre haver a parcialidade dos participantes na discussão. Isso acontece em todo lugar, não só no blablagol. Aqui, cada um pode expor suas opiniões sem ser interrompido pelos outros, o que acontece frequentemente quando a conversa é presencial, como numa mesa de bar. A desvantagem é o registro de sua opinião, que no futuro poderá ser usada contra o próprio expoente.
    Eu tento considerar a opinião de todos. Mesmo que não concorde com algo, tento relevar o lado passional dos argumentos. Retirando-se essa parcialidade, sempre alguém tem a expressar algo o qual eu não havia pensado antes ou não tenha dado a devida importância. Não devemos transformar esse site num debate “eu sei tudo e tô certo e você não sabe nada”. Exprimam suas opiniões e, mesmo que elas sejam tendenciosas ao time de coração, os outros devem relevar esses aspectos e se ater somente aos pontos que podem agregar valor ao blablagol em geral. Por outro lado, se algum comentarista expor somente os lados positivos do seu time e os negativos dos demais clubes, a melhor reação dos outros debatedores é deixar esses comentários no ostracismo, ignorá-los em vez de aumentar a lide e transformá-la numa contenda interminável e infrutífera, como está ocorrendo em diversos artigos desse site.
    Penso que se isso ocorresse, seria um diferencial em relação aos demais sites futebolísticos. Faço a maior propaganda do blablagol a pessoas interessadas em futebol que conheço. Assim, se elas acessam o site e só leem debates que, às vezes, parecem de adolescentes de colegial, é provável que tenham aversão a ele e achem que seja um monte de desocupados escrevendo asneiras. Pelo contrário, se elas têm contato com artigos interessantes (já há vários), além de comentários inteligentes e agregadores de conhecimento (também existem muitos), talvez haja mais participantes e o blog se torne mais conhecido.
    Quanto à questão de se escrever um livro a serviço do futebol, o próprio blablagol pode se encarregar disso. Neste espaço, podem ser construídas ideias e alternativas para, quem sabe, serem implementadas nos esportes. Além disso, um livro pode ser originário dos artigos e dos comentários expressados aqui. Se isso ocorrer e se minhas opiniões tiverem alguma importância, desde já manifesto o meu aval para se usar o que escrevi a fim de compor o livro, sem cobrar qualquer direito autoral.

    Abraço a todos.

    Responda a este comentário

    Bender

    Gabão, questão do livro à parte, vc deveria participar do BlablaGol a mais tempo.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Vai ser até engraçado…hehehe…

    Bender sem medo nenhum de causar polêmica e Gabão tentando apaziguar.

    O Zarga eu ainda não sei…hehehe.

    Responda a este comentário

    Bender

    A polêmica é relativa.

    Responda a este comentário

    Rodrigo "Gabão"

    Caros,
    Apesar de só passar a escrever nas últimas semanas, acompanho o site já há algum tempo. Não tinha muito ânimo de escrever, porém fatores me levaram a mudar de ideia. Eis alguns:
    1 – a empolgação com o Mengão no Brasileiro;
    2 – o fato de esse ano eu ter acompanhado o Brasileirão mais de perto, não somente pela campanha do Fla. Além de ter assinado o PFC, assisti e li mais coisas sobre futebol; e
    3 – toda a conjuntura esportiva em nosso país, como pelo fato de estarmos quase às vésperas de uma Copa do Mundo e devido às escolhas de 2014 e 2016, que serão eventos no Brasil.
    Esse último ponto afeta até no meu trabalho. Enquanto estava na Secretaria do Tesouro Nacional (do Ministério da Fazenda), participei de um GT formado pelo Governo para a assinatura do acordo com a FIFA visando ao mundial de 2014. Além de outras pessoas, eu representava o Ministério. No final percebi que não havia escolha: ou o Governo assinava o acordo com as exigências da FIFA, ou não seríamos escolhidos para sede.
    Agora, como trabalho na área de infraestrutura da Controladoria-Geral da União, é certo que teremos aumento de trabalho devido às fiscalizações a serem feitas nas obras da Copa e das Olimpíadas.
    Por tudo isso, e além de gostar de esportes, tenho acompanhado mais de perto os eventos esportivos. E a maior fonte de informação de todas é, sem dúvida, o blablagol.

    Abs.

    Responda a este comentário

    Bender

    Vc já tinha dito que acompanhava, mas sem escrever. Tem bastante gente que faz assim.

    Mas Gabão, se tiver uma vaguinha na Controladoria-Geral da União, tâmo na área! Hahaha…

    Responda a este comentário

  11. Lincoln
    20/12/09 - 1:22

    Fala Gabao!
    “aqui, cada um pode expor suas opiniões sem ser interrompido pelos outros, o que acontece frequentemente quando a conversa é presencial, como numa mesa de bar. A desvantagem é o registro de sua opinião, que no futuro poderá ser usada contra o próprio expoente.”

    eu ja penso o contrario! acho o grande barato o registro! O que me incomoda é o que paulo falou. Muito comentario repetitivo e idiota que nao leva a nada.. apenas a fazer intriguinhas. O flamengo foi campeao da serie A o vasco da serie B ÊÊÊÊÊ o vasco é vice de novo! Ta bom ..fez a piada valeu e acabou. O flamengo é penta e nao hexa? a gente ta careca dessa discussao ja (eu to pelo menos e victor tambem!) ta bom chega! vamos discutir outra coisa.
    O post é sobre o Vasco, sobre o Dodo, e tem 113 comentarios. Alguem ta disposto a ler quais sao relevantes realmente ao post e quais criaram novas discussoes que deveriam ser feitas em novo post e quais sao 100% INUTEIS.

    Esse site aqui era de um grupo de amigos, virou local e agora ta expandindo com gente de tudo que é lado. BACANA! perfeito! Mas tem que filtrar, tem que conversar com alguns desses caras novos que ele pode ter a opiniao dele, mas se é pra colocar um disco riscado, porra que faça seu blog pessoal!
    Eu fico super feliz de ter feito novas amizades como a do matheus. um cara que ta sempre disposto aqui a ajudar o blog e falar coisas sob o prisma cruzeirese. BACANA! mas ate o proprio precisa repensar algumas brigas e alguns preconceitos do senso comum de torcedor que so servem pra irritar.

    Eu mesmo devo ter feito isso alguma(s) vezes. So acho que isso aqui nao pode virar lixo.
    Lugar pra chegar e ficar xingando o treinador do time toda semana so porque esta expondo seu ponto de vista, ficar sacaneando com coisas idiotas de dez em dez minutos so por sacanear (sacaneou uma vez, duas ta bom, muda o disco porra!)

    e a galera que ta chegando que seja bem vinda, escreva bastante, mas que esses comentarios sejam filtrados. Tem uma GALERA aqui que tem autorização pra filtrar. nao precisa ficar na mao do victor. não é ser ditador e que aqui tem que publicar tudo. mas tem certos comentarios que nao da mais galera.

    Responda a este comentário

  12. Lincoln
    20/12/09 - 1:27

    pra vc ter uma ideia eu fui olhar! tem CINCO comentarios sobre o DODO! CINCO!

    .Gabao perguntou sobre as estrelinhas tem mais de 80 pra dizer que quem tem mais estrela, quem tem um penis maior que o outro, vai todo mundo daquela discussao pra M.
    Serginho brincou com mto estilo sobre isso:

    Serginho Valente reply on dezembro 17th, 2009 14:45:

    Huahauhauaha…porra Gabão…pra que perguntar sobre as estrelas…

    Depois tem Serginho falando do thiago martinelli que até tópico ja que é contratação do vasco e sao mais 4 comentarios

    ai eu cheguei reclamando sao mais 4-5 comentarios.

    Na boa..

    Responda a este comentário

    Lincoln

    para finalizar esses sao os UNICOS DOIS comentarios que sao 100% pertinentes ao topico: QUESTIONAR A CONTRATAÇÂO DODO PELO VASCO

    # Zarga
    17/12/09

    Um milagre como o que aconteceu com o Pet não acontece todo dia. Mas vamos ver, né…ele sempre foi bola.

    Responda a este comentário
    #
    Alexandre
    17/12/09

    O outro coroa serviu lá na Urubuzada.
    De repente esse aí ajuda no Bacalhau.
    Veremos!

    Responda a este comentário

  13. Victor
    20/12/09 - 12:31

    1) Se a discussão sobre a história vascaína incomodou, eu só lamento. Reli e acho que está em alto nível. Há duas pessoas que mostram bastante conhecimento sobre o assunto, e um terceiro que tem um conhecimento mais de “ouviu falar”, porém levanta dúvidas e faz questionamentos. Se a forma de debater é ríspida, são outros quinhentos. Quem ler passando por cima disso, vai saber coisas que aconteceram ao Vasco e terá um contraponto. Alguém vê isso em algum lugar?

    2) Os comentários são filtrados já. Xingamentos exagerados são moderados. Racismo, pedofilia, intolerância e coisas associadas não são bem vistos. Entretanto, a moderação é feita com cuidado e respeitando opiniões fortes e mesmo os preconceitos de cada um. Exatamente: cada um traz consigo sua carga de preconceitos e devem ser respeitados. Eu não me coloco no papel de juíz de tudo que escrevem. Eu não sei até que ponto um comentário que parece uma coisa quer dizer outra. O que não impede que eu ache vários deles estúpidos.

    3) Eu me incomodo quando temos assuntos novos para tratar e os comentários recentes ficam dominados por assunto antigo. Mas essa mudança não deve ser feita pelo filtro manual, e sim pelo filtro de interesse. Se alguém pode mudar o perfil de comentários, são os próprios comentaristas, propondo visões diferentes, e mudando o estilo de debates por eles mesmos. Eu sugiro que façam comentários propositivos (existe essa palavra?), o que aumentaria a quantidade e depuraria-se em qualidades.

    Se alguém não quiser propor, também não tem problema. Estou olhando agora no Artigos Recentes e vejo SEIS artigos com assuntos bem expostos, bem trabalhados e de temática que pouco se encontram por aqui. Por que os que reclamam dos que discutem sobre o que querem não usam e abusam desses posts?
    http://www.blablagol.com.br/o-melhor-jogador-da-decada/
    http://www.blablagol.com.br/um-pais-continental/
    http://www.blablagol.com.br/santos-2009-o-medo-da-figuracao/
    http://www.blablagol.com.br/gremio-2009-o-planejamento-foi-pro-saco/
    http://www.blablagol.com.br/impossible-is-nothing/
    http://www.blablagol.com.br/analise-grafica-do-futebol-brasileiro-por-uf-tentativa-1/

    Em tempo: Eu me dei o trabalho de pedir para colegas de outros blogues trouxessem posts sobre os times deles, e está aqui o resultado dessa gentileza deles, e pouco tivemos educação de prestigiar o trabalho desses caras aqui mesmo dentro de nossa casa.
    O blogue tem um post por dia buscando grande gama e fugir do lugar-comum. Não me venham dizer que não há espaço para tudo por aqui.

    4) Com o post “Um País Continental”, eu pretendo mesmo que ninguém chegue ao ponto que eu acho que meu artigo chegou (no caso, não foi discutir a melhor fórumla, mas discutir o atual estado do nosso futebol, ali bem claro sobre o caminho de concentrar em 20 no máximo 40 clubes e talvez assim atrair mais riqueza contra descentralizar mas correndo o risco de aumentar desigualdades por incrível que pareça com o risco dos investimentos ficarem restritos aos enormes centros) iniciar uma série um pouco mais atemporal que cobrir jogos, e talvez daí possa sair livro, quem sabe?

    Responda a este comentário

    Bender

    Perfeito.
    Dão fricote como se fosse a primeira vez que isso acontece aqui.

    Responda a este comentário

Deixe seu comentário