Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Posts Tagged ‘Washington’

Cadê o Tri do Fluminense?

December 22nd, 2010 | 489 Comments | Filed in Botafogo, Campeonato Brasileiro, Campeonato Brasileiro 2010, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Observatório, Palmeiras, Santos, Sport

TÁQUI, porra!

A saga deste post Observatório está chegando ao fim.

A CBF unificou os títulos pré-71 tirando a reinvindicação tricolor do proselitismo à oficialidade.

Conforme fui registrando à medida que os acontecimentos se desenrolavam (e que podem ser acompanhados neste mesmo post), o mais acessado portal de futebol no Brasil, Globoesporte.com, optou em oferecer ao Fluminense, postulante ao seu terceiro título do Campeonato Brasileiro, o status oficial de momento, considerando-o apenas campeão de 1984 e relegando 70.

Fez o portal o que lhe era de direito, embora tenha comprado um ano antes o barulho do Hexacampeonato do Flamengo tratando-o como se fosse algo normal, banal e de aceitação inequívoca, sendo que apenas 4 títulos eram reconhecidos pela CBF.

Agora meus camaradas… rebolem para explicar.

****

Semi Post Scriptum: Ao contrário do que se imagina, este post não se encerra aqui. Quem acompanhou lendo com atenção, percebe que antes de uma briga por oficialização ou não de títulos (coisa que eu não esperei para ver), este post é um Observatório. Por isso, ainda será necessário voltar a ele no futuro para ver quais prefixos matemáticos serão adotados pelo portal escolhido para se observar em cada caso.

Como cada caso, entenda-se como estes quatro grupos de times:

  1. Bahia, Palmeiras, Santos, Cruzeiro, Botafogo e Fluminense
  2. Sport Recife
  3. Flamengo
  4. Todos os demais

——————————————————————————————————————–

Postado em 13 de Dezembro de 2010

O noticiário dá conta que a CBF homologará como oficiais os títulos disputados pré-71 ainda sobre a chancela da CBD atendendo à necessidade de revisão na contagem de títulos dentre seus filiados por demanda de alguns destes, campeões de Taça Brasil e Roberto Gomes Pedrosa.

Pela coincidência do Fluminense, vencedor do mais recente campeonato dentre os que ainda foram disputados sob os cuidados da CBD, estar disputando o título de 2010, o assunto surgiu com muita força na imprensa carioca, culminando com a constrangedora transmissão “técnica” da final do Brasileirão onde Luis Roberto pisou em ovos para explicar a reinvindicação tricampeonatista da torcida do Fluminense.

A Globo, emissora que detém os direitos de transmissão em TV aberta e fechada, apesar de colocar à contragosto o assunto em pauta, manteve-se inflexível em taxar o Fluminense apenas como Campeão Brasileiro de 2010, no que entendo, agiu com correção técnica. O Blá blá Gol fez o mesmo [2]. Todavia, o Blá blá Gol faz isso por critérios de alguns editores em considerar o uso de prefixos matemáticos somente para títulos sequenciais (existem exceções no blog, como na segunda conquista da Libertadores do Internacional) e não para fugir de uma briga e ter de se explicar por nada.

Quem clicou no link da noticia percebe que o Globoesporte.com é cuidadoso em enumerar e diferenciar os títulos não reconhecidos ainda pela CBF, mas não tem o menor pudor em enumerar como os títulos existentes, um que além de não ter sido igualmente reconhecido pela CBF, foi o único rechaçado pela entidade.

Alguém aí contou um título existente a mais também?

Ainda na iminência do reconhecimento oficial, e mesmo dando o destaque que vem sendo obrigado a dar ao assunto que está sendo enfiado golea abaixo, a editoria da emissora insiste na cara-dura e desfaçatez em tratar 16 clubes com o rigor dos regulamentos, e um com um asterisco hashtageado malhado de rodapé.

Felizmente, a exposição de opiniões anda ganhando ares mais democráticos graças exclusivamente ao desenvolvimento tecnológico. Tivesse o Fluminense esperado “apenas” 16 anos ao invés de 26, sua torcida teria gritado dicampeão, ao invés de tri.

——————————————————————————————————————–

Postado em 2 de Dezembro de 2010

Globoesporte.com acena com o asterisco

Depois de ser categórico em relação a luta do Fluminense pelo bicampeonato Brasileiro há menos de uma semana sem maiores menções ao título de 1970, o Globoesporte.com cede ao barulho da torcida tricolor e começa a levantar a lebre deste título. O assunto ainda entra como a “Polêmica de 70”, mas já é uma vitória da torcida do Fluminense, pois o barulho está comprado.

A conclusão do artigo ainda explicita que a linha editorial denota 1970 como não sendo um título de Campeão Brasileiro Oficial, mas que já passa a constar no boa miúda como sendo.

Bom, tá tudo bem dito aí. Não tenho muito a acrescentar, mas obviamente, com todo respeito aos meus nobres colegas, concordo mais com uns que com outros. Minha opinião? Há uma série de coisas que não são necessariamente oficiais, mas nem por isso deixam de ser legítimas. É o caso do título do Fluminense em 1970. Pelas características da Taça de Prata, disputada entre 1967 e 1970 – chamada até de “embrião” do Campeonato Brasileiro pela similaridade – considero justo que os campeões das quatro edições (Palmeiras duas vezes, Santos e Fluminense) sejam equiparados aos campeões atuais. Sendo assim, é legítimo dizer que o Flu luta pelo tri. Cabe ao clube continuar tentando oficializar isso. Mesmo que para a torcida, mais do que nomenclaturas oficiais, o que vale mesmo é a boa e velha faixa, comprada nos melhores camelôs do ramo.

O Globoesporte.com abre caminho para querendo estampar um belo de um TRICAMPEÃO em sua capa em caso de conquista tricolor à revelia da CBF como fez com o Flamengo ano passado, mas deixa a ressalva negritada acima de tratar o Tricolor de forma diferenciada do Rubronegro condicionando um título ao esforço do clube em oficializá-lo.

De qualquer forma, a torcida do Fluminense está fazendo o seu papel ao valorizar sua conquista mesmo que não entenda o que significa e forçar a barra da mesma forma que a torcida do Flamengo faz. Afinal, o papel de torcida não é ponderar e sim torcer, puxar a brasa para sua sardinha.

Deixe a formalidade das discussões para nós, metidos a sensatos.

——————————————————————————————————————–

Postado em 28 de Novembro de 2010

O Globoesporte.com definiu bem claramente sua linha editorial em relação à Taça Roberto Gomes Pedrosa de 1970.

Globoesporte.com conta para o Flu apenas os títulos reconhecidos pela CBF

——————————————————————————————————————–

Postado em 29 de Outubro de 2010

Na coletiva de Fluminense 2×0 Grêmio um repórter fez uma pergunta mais ou menos assim à respeito de Conca:

Blá blá blá blá blá Conca blá blá blá Conca do começo da competição e blá blá blá blá blá blá blá blá caiu o rendimento e blá blá blá blá agora joga o esperado para levar o Fluminense ao bicampeonato?

Muricy ateve-se ao Abnegado Conca em sua respostae deixou passar batida a referência ao número de títulos do Fluminense.

A esta altura do campeonato de 2009, era um tal de Hexa do Flamengo para cá, Hexa do Flamengo para lá. A CBF definira que o título Brasileiro de 1987 não era do Flamengo. Entretanto, torcida, clube e mídia passaram por cima e davam o time como Campeão alardeando que em 2009 o time buscava seu Hexa campeonato.

Não estavam errados. Clube e torcida dão a interpretação dos fatos que lhe convém, e valorizar um título certamente é conveniente para esses dois agentes. Já os veículos de mídia, seguem sua linha editorial, não necessariamente compromissada com a rigidez dos fatos. Neste caso, a esmagadora maioria dos veículos de massa adotaram o rubronegro carioca como Campeão Brasileiro de 1987 (ainda que adotem vaselinisticamente o rubronegro pernambucano também)

O Fluminense por sua vez pleiteou há algum tempo o reconhecimento do título de 1970 como um Campeonato Brasileiro, além do que sua torcida começa a criar o hábito de colocar o time como Bicampeão Brasileiro em 1970 e 1984, tendo mostrado inclusive em mosaico recente. Já a mídia ignora solenemente o título brasileiro do Tricolor. Quando não o faz, deixa clara a denominação Taça Roberto Gomes Pedrosa.

A grande mídia, usa de dois pesos e duas medidas, uma vez que para o rubronegro, ela fugiu do pragmatismo e comprou o barulho da conquista de 1987, enquanto para o tricolor, basta a frieza do esquecimento que a distância permite dar.

Mas as mídias, como dito, escolhem a linha editorial que bem entende. Seus leitores que interpretem a coerência/incoerência das mesmas e critiquem por si próprio. Pelo seu lado, o Fluminense é quem deveria rechaçar insinuações a um “mero” bicampeonato, além de martelar na cabeça de seu torcedor, a ideia tricampeonatista. For esperar cair do céu, futebol brasileiro em 70 será lembrado apenas pela Seleção Brasileira e não pelo Campeão Brasileiro.

Conca joga o esperado para levar o Fluminense ao título Brasileiro de 2010 desde o início da competição. Joga todos os jogos, sendo que em alguns joga para levar sozinho, como contra o Grêmio.

Portaluppi avaliou que seu time controlou a partida e pressionou o Fluminense, sem descuidar da marcação, onde os gols sairam pela genialidade do argentino Abnegado. Está certo o treinador gremista.

Ao conseguir seu 1º gol, a equipe de Muricy recuou e assistiu o Grêmio alugar meio-campo. O que não necessariamente é ruim para o Fluminense, uma vez que ao ser pressionado, evita que muitas bolas cheguem em Washington. É meio canhestro o raciocínio, mas quanto menos a bola passar por Washington, melhor.

O Grêmio não se valeu desse raciocínio, e insistiu em utilizar André Lima. Por isso perdeu. Merecidamente. Um time que confia em André Lima merece perder, por melhor que jogue.

****

Parabéns à diretoria e torcida do Fluminense. A diretoria entendeu uma das limitações do uso do Engenhão que é a torcida se pulverizar. Por isso, fechou um dos lados para concentrar os torcedores em um só local e aumentar a pressão. Funcionou, e menos de 20.000 tricolores foram suficientes para criar um clima positivo ao time da casa, empurrando-o para a pressão inicial que resultou no golaço de Conca.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Washington carregado no colo

November 9th, 2010 | 33 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2010, Fluminense

O Coração Valente anda caricato. Não só pelo jejum, mas com gols perdidos que fazem corar Josiel.

O curioso dessa história é a peculiar situação do Fluminense, que tem em seu elenco dois atacantes acima da média em habilidade e que marcam gols. No entanto, esses jogadores que fariam a diferença em qualquer time brasileiro não jogam. Desta forma, o Tricolor se sustenta na liderança do campeonato com os atacantes que sobraram, ou mesmo que não sobraram.

Tartá e Washington comemoram gol da vitória

É assim que por mais que atravesse um momento que não o credenciaria para ser titular em qualquer time do campeonato, Washington é o centroavante inquestionável do Fluminense.

Ciente de não ter nenhuma outra opção, Muricy banca e bancará seu artilheiro(?) até o fim da competição. E ciente de ser refém do 99, a torcida pó-de-arroz faz o mesmo que o treinador e carregam Washington no colo. Provável Síndrome de Estocolmo.

No clássico contra o Vasco, Washington teve o nome efusivamente mais gritado que o de Conca na apresentação dos jogadores, e ao fim da partida onde protagonizou uma dramática luta contra o gol, saiu com sua musiquinha cantada em uníssono por uma torcida que embora agoniada, sabe que pode ser ruim, pode ser muito ruim, pode ser Washington.

É perceptível a pressão que sente Washington, algo que transparece em atitudes marcantes nas partidas como no jogo em que Conca teve de tirar a bola de suas mãos para cobrar o penalty ou em seu desalento ao ver o mesmo argentino refernciá-lo em seu segundo gol contra o Grêmio. Atitudes que levam por sua vez ao desespero o arquibaldo. No clássico todos os olhos se voltaram para o grandalhão ao dar uma de Ganso se achando o Pica das Galáxias (FÁBIO, Coronel. 2010) e dizendo que não saia de campo.

No final das contas, Washington é uma figuraça. Uma figuraça que impõe aos torcedores de seu time testes ao coração. Com todo o apoio e reconhecimento ao matador que pegou o time na liderança e sabe-se lá como está entregando assim, a volta de Fred seria um alívio para todos, e a chance do Coração Valente sair de bem com a torcida. Torcida essa que Washington não pode dar um aí para reclamar, mas sem esquecer que a recíproca também é verdadeira…

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Larga essa bola, Washington

October 24th, 2010 | 29 Comments | Filed in Atlético-PR, Campeonato Brasileiro 2010, Fluminense, Futebol

Deitado na cama com pé para o alto via Netbook – O Verão começou mais cedo para mim tendo em vista que passei todo o fim de semana pelos 39 e 40 graus (não tem a bolinha de número nessa merda de tecladinho). Meu breve momento de recuperação e lucidez no fim de semana serviu para ver Washington desencantar marcando um gol contra.

Sim, deu-me raiva, mas quer saber? Fez gol contra porque estava ali cumprindo o que estava determinado a fazer e paciência. Deu azar.

Claro que um azar muito inconveniente pela fase do Canela Valente. Mais um que se soma a outros tantos que vem ocorrendo e que obviamente só explicam a titularidade do 99 (número bizarro) pela completa ausência de opções.

Mas o lixo total é que depois do penalty arrancado pelo time do Muricy, esse Egocêntrico dos Infernos quis cobrá-lo. A raiva suprema só foi superada pela felicidade do Abnegado e Brioso Capitão Conca ter retirado na marra a bola deste Abestalhado com a aprovação imediata do comandante Muricy (aprenda Dorival, voz de comando é para ser dada e cumprida na hora).

Penalty cobrado com raiva para o fundo da rede e empate mais que merecido no jogaço, onde pelas circunstâncias do campeonato e de jogo faz com que algumas partidas os dois oponentes necessitem alterar o placar.

Se ficou a sensação aos tricolores que qualquer coisa diferente da vitória foi ruim, busque olhar a partida com olhar atleticano, time que dentro de casa apoiado pela torcida buscou jogo igual ao Flu com Paulo Baier jogando o fino na armação, com direito a belos dribles na meiuca. O Zidane de pobre.

Fica assim. Sem mais detalhes e sem imagem que a bateria está indo para o saco e meu pé está doendo.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Fred x Michel Simoni

September 10th, 2010 | 26 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2010, Fluminense, Observatório

Fred já treina com bola nas Laranjeiras

Fred esbravejou em entrevista coletiva. Não só com o médico do Fluminense mas com a imprensa, embora esta prefira discutir e repercutir apenas as alfinetadas em Simoni. Faz certo, porque no fim das contas, a categoria com maior respeitabilidade dentre as três envolvidas no caso é a do médico.

Fred ao responder jornalistas que publicam sobre seu repouso na praia enquanto o time joga em Campinas ou alguma noitada que tenha feito está coberto de razão e embasado pelo bom senso ao alegar que está trabalhando como programado aparecendo para seus treinamentos e tratamentos no clube ou onde quer que seja. Quem lhe paga está (ou deveria estar) comprovando isto.

Além do que pouco importa se o artilheiro estiver mentindo ou embromando. Os jornalistas não fazem parte da equipe do Fluminense ou de assessoria do jogador. Fred pode tergivesar e se insurgir contra os mesmos sem prejuízos maiores. Entretanto, há outros profissionais que trabalham em conjunto, fazendo parte de um time, e neste caso, o entendimento deve existir. Ainda mais em se tratando de um trabalho em que a comunicação externa faz parte do negócio.

Custo a crer que a evolução dos problemas de Fred no Fluminense não estivessem sendo colocadas ao jogador, ainda que surpresas ocorressem no desenrolar da história. Há um bom tempo o Fluminense justifica a ausência de Fred com o tratamento de lesões e agiu certo em contratar Washington.

Quem deveria estar mais preocupado com a ausência de Fred, Muricy Ramalho, vem sendo enfático para rechaçar qualquer tipo de pressão em relação ao retorno do jogador ,dando exemplo de como jogar em equipe:

Contra o Guarani vai ser um pouco difícil. Não está descartado, mas o jogador está em processo de recuperação. A contusão foi séria. Precisamos tomar cuidado para que ele não volte a sentir. O Fred tem realizado um trabalho muito duro e nesta reta final é muito importante estar bem condicionado fisicamente para ir até o fim da temporada.

Fred dialoga com Simoni sobre suas lesões

Lógico que Muricy deve todo dia buzinar no ouvido do Simoni: “- Porra! O Fred volta ou não volta?“, até porque ele deve estar ansioso para substituir Washington e ter a tão desejada posse de bola no ataque, impossível com o atual camisa 9 ainda que este esteja cumprindo com esmero seu papel na equipe.

Ao expor Simoni para se defender de quem não tem obrigação de jogar por ele, Fred briga com quem trabalha por ele da mesma forma que contra quem não trabalha e fode com a porra toda, ouvindo uma resposta muito bem dada:

Poucas vezes eu ouvi tanta bobagem em uma entrevista em relação à parte médica. Ele não é capacitado para falar disso, assim como eu não sou para falar sobre a parte técnica ou da vida dele. Ele foi extremamente infeliz em suas colocações. Traiu pessoas que sempre o ajudaram. Ele chegou aqui com sete, oito lesões, e nós sempre estivemos do lado dele.

Resposta muito bem dada, e verdadeira pelo que se constata do período em que está no Fluminense, e ainda mais somando 1+1 para constatar porque alguém novo com o talento dele não está na Europa, e dispensado pelo multicampeão francês Lyon que recebe bem jogadores brasileiros e tem por hábito manter jogadores.

Entre acreditar na palavra de um jogador de futebol bichado com largo histórico de lesões e um médico que não cede a pressões preservando um atleta, eu faço a minha escolha.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Coração Valente de volta ao Fluminense

July 29th, 2010 | 28 Comments | Filed in Fluminense

Pilha à parte, o Fluminense agiu rápido(?) à contusão de Fred e trouxe um reserva de eficiência comprovada.

Eficiência comprovada, assim como irritação certa em quem dele esperar que o time faça fluir jogadas de ataque. Não dá. Washington é o André Lima que dá para o gasto.

Como foi comum, é de bom tom que o Coração Valente esteja vindo ao Fluminense sabedor da condição de reserva de Fred, mesmo depois que faça 18 gols em uma partida. É notória sua capacidade de fazer muxoxo e climinha por sentar no banco.

Há pouco mais de um mês atrás, em um exercício de imaginação, comentei sobre uma hipotética volta de Washington ao Fluminense. Segue:

Fiquei muito satisfeito com a notícia da vinda de Washington para o Flu, e com expectativas correspondidas no 1º semestre de 2008.
No Brasileirão, também não foi o fim do Mundo. Talvez eu tenha comentado por aqui na época que ruim com ele, pior sem ele.
Acompanhando todos os jogos, Washington da mesmo margem para a irritação, porque além de perder alguns gols incríveis, faz a bola bater no ataque e voltar. Mas ele de fato consegue arrumar os gols que faz, e faz bastante.
Eu achei ruim quando ele saiu do Fluminense, embora não queira de volta.
Vi alguns jogos no São Paulo, além de melhores momentos de outros. Quem contratou não via como ele jogava, porque ele é rigorosamente a mesma coisa dos tempos de Fluminense. Esperavam que ele fosse um primor de domínio de bola? humpf.
Ele é o Tuta melhorado. Tem seu valor.
Especificamente no caso do Vasco, eu preferiria ficar com Elton. Acho que o centroavante é o menor dos problemas do time.
Se trouxerem Washington, não podem se decepcionar com a irritação que Washington vai causar por não dominar a bola direito, matar contra-ataques e perder alguns gols feitos, ele é assim apesar de ter seu valor.

Outros blablagolianos comentaram sobre Washington neste post.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Quantos neurônios tem Roberto Horcades?

December 17th, 2008 | 57 Comments | Filed in Fluminense
Roberto Horcades fala com a imprensa

Roberto Horcades fala com a imprensa

Não me surpreende que algum dirigente de clube de futebol fale uma batatada dessas. Estarrecedor mesmo é lembrar que o sujeito é médico.

Difícil é dizer com precisão quantos neurônios teria o presidente de um clube que no ano que buscava conquistar o Mundo briga para não cair, se supormos que as Vice-Campeãs Mundiais tenham apenas 2.

Peço ajuda para entender quantos neurônios tem o jenial presidente do Fluminense.

n
Quantos neurônios tem Roberto Horcades?
View Results

Pelo menos Washington parece ter mais de dois neurônios

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Eu ganho, nós empatamos, eles perdem

April 21st, 2008 | 23 Comments | Filed in Campeonato Carioca 2008, Fluminense

Arrependi-me duplamente de uma coisa apenas ontem no Maracanã:

Deliberadamente não ter levado a máquina digital.

 

  1. O Maracanã estava lindo e o local que eu estava dariam excelentes fotos tanto do Maraca quanto do jogo em si.
  2. Com a máquinda daria para gravar o que eu e Robinson falávamos durante o jogo (mais especificamente o 2º tempo em sua plenitude) que será basicamente o que será lido na íntegra no texto que segue.

Tenho certeza que quem não esteve no Maracanã, ou não torce para Botafogo ou Fluminense, viu um jogo chato e modorrento ontem. Mesmo que esteve no Maracanã e torce para Botafogo ou Fluminense viu um jogo chato e modorrento ontem no 1º tempo.

Pegando os melhores momentos em qualquer jornal, é provável que encontre-se dois no 1º tempo: pênalti no Washington e chute na trave do Alessandro.

Já o 2º tempo começou com outros ingredientes.

Os melhores momentos foram raros também, só que este foi diferente do 1º, e como…

Começou com o Botafogo alugando meio-campo, mesmo sem levar perigo ao gol de Fernando Henrique. Túlio e Diguinho ditavam o jogo encurralando o Fluminense em seu campo.

A torcida do Botafogo sentia o mesmo e cresceu, e dessa vez, eu que tanto meto o malho em torcidas, sou obrigado a dar a mão à palmatória. A do Fluminense reagiu por conta própria e formou-se o caldeirão. Desta vez, garanto que não é exagero dizer que o Maracanã ferveu.

E quando Cuca preparava a primeira substituição, isso com o Botafogo já tomando conta das ações do jogo, contra um Fluminense que nem contra-ataque esboçava, Robínson já levantou a bola:

O Cuca vai bagunçar com o Renato. O Botafogo já domina e ele ainda vai renovar o fôlego do time.

Na mesma hora, veio à minha mente a lembrança da semi-final contra o Vasco, onde Renato resolveu segurar todos os titulares em campo para que estes cobrassem os penalties. Nesta hora, começou a bater o desespero. Comentamos que ao contrário do Vasco que era um time fraco e com um treinador recém-chegado, o Botafogo engoliria o Fluminense. Seria muito difícil e improvável um time encolhido sem renovação de pernas e pulmões segurar um time bom como o do Botafogo.

Estavamos atrás de Renato e a gritaria era:

Mexe no time, Renato. Deixa de ser babaca com essa porra de penalti e mexe logo nessa merda.

E o Cuca ia fazendo suas substituições, fossem elas por contusão ou escolha de seu treinador, o que importa é que o Botafogo jogava melhor e tinha tudo para jogar melhor ainda.

Mas aí, o futebol resolve dar uma mãozinha para Renato. Se o que o jogo se apresentava, se os gritos de torcedores, se nada disso adiantava para fazer o treineiro do Fluminense enxergar o óbvio e sair do seu esconderijo de deixar os cascudos (sic) em campo, o futebol enviou este sinal. Em uma arrancada do Junior Cesar, Alessandro levou um segundo amarelo e deixou o Botafogo com 1 a menos em campo, com bastante tempo de jogo. A previsão era de uma guinada de 180º, considerando que o Fluminense dispunha ainda de 3 substituições e a possibilidade de colocar seu time escalado para se defender jogando no ataque.

Mas, puta que pariu. Renato deixou a merda do seu time do mesmo jeito. Apenas ocorreu uma ligeira translação do jogo um pouco para o campo do Botafogo, absolutamente natural na condição de 1 jogador a menos.

Se nós já comentávamos antes da expulsão da necessidade do Renato colocar um outro atacante (que poderia ser o Allan ou avançar o Cícero lá para frente) para tirar o Botafogo de cima, imagine agora então com um a mais. Aí ficava gritante a necessidade de se colocar Tartá e Allan, e tome correria para cima do Botafogo.

Renato não fez isso, e de repente… gol do Botafogo.

Explosão de um lado da arquibancada. E uma explosão que não deixa que o outro lado cogite abafar. Primeiro porque era a vibração da torcida do time que buscava o jogo, segundo porque só encontrou sua explosão em um momento de adversidade. E do outro lado, a torcida que apoiou teve de se calar frente a apatia (eufemismo de burrice) de seu treinador que com um a mais, com o elenco mais caro e escolhido por ele (não venham falar de desfalques. Dois atacantes de fora apenas) tentava deliberadamente segurar o Botafogo para decidir nos penalties.

O treineiro do Fluminense é um bobalhão. Faz uma pose dos infernos na beira do campo. Em diversas ocasiões pelo Blá blá Gol, comentei em jogos que o Fluminense tomava um gol no 1º tempo, Renato bobalhão mandava o time para o aquecimento. Sempre, invariavelmente. Parece que para o treineiro, substituições são instrumentos de punição/premiação (outra palhaçada dele é essa de ficar colocando o Roger para entrar em jogos que não valem nada e definidos aos 40 e tantos minutos do 2º tempo). Como bem disse Robínson, é inadmissível que um treinador não utilize as substituições em uma partida de futebol nos dias de hoje, em ordem de grandeza aproximada, renova-se quase 30% do time.

Então, lá para 40 e tal, o vacilão coloca o Tartá. E para falar disso, prefiro tentar reproduzir o que Cuca disse na coletiva sobre isso:

O Renato substituiu bem. Quando entrou o Tartá, ele e o Junior Cesar conseguiram nos dar trabalho e levar perigo pelo nosso lado direito que tinha perdido o Alessandro.

Fazendo uma tradução livre aqui, podemos ler a frase da seguinte forma:

Se o Renato coloca o Tartá assim que o Alessandro fora expulso, estavamos fudidos. Teria de rebolar para segurar o Tartá e o Junior Cesar pela nossa direita

E comentei com Robínson que tinha certeza que o Cuca sabia que o Renato não mexeria no time com o jogo empatado. Renato fez isso contra o Vasco, que oferece muito menos perigo que o Botafogo. Não se exporia contra o Glorioso.

A torcida do Fluminense teve de sair pianinha do Maracanã. Nem mesmo esboçar o orgulho bobo dos vascaínos ao perderem a semi-final com a superação de sua equipe ouo chororô do Glorioso contra os rubro-negros, já que contou com um pênalti a seu favor e duas expulsões do adversário.

Viu um adversário merecedor da vitória e se viu merecedor da derrota.

****

A tarde trágica de Renato poderia parar em campo. Mas o arrogante-mor do futebol carioca resolveu ser o campeão da estupidez ontem ao dar entrevista coletiva.

Primeiro, Renato confirmou o medo. O medo foi treinado e orquestrado. O Fluminense não entrou recuado pela falta de atacantes (na verdade, dois desfalques já sabidos há mais de um mês) e sim por vontade e medo do treineiro:

Na expulsão do Alessandro, eu adiantei o Cícero. Gosto de futebol ofensivo, mas se eu coloco o Cícero na frente desde o início, a gente ficaria com quatro jogadores que não marcam. E eu não sou burro, pois o forte do Botafogo é o meio-de-campo. (Renato Gaúcho)

Depois vieram os festivais de “eles perderam”:

Para variar, Renato sempre explica o que faz, mas nunca erra. Como sempre, ele vem dizer que o Fluminense tomou um gol de desatenção e que isso não pode acontecer (sei lá, mas acho que se não fosse por desatenção, todos os jogos terminariam empatados em 0x0 – para Renato o gol não saiu porque o Fluminense deu o campo por opção sua ao Botafogo).

Também, sem querer colocar culpa no jogador (sic) disse que um lance do Tartá em que ele não driblou o Castillo para sofrer pênalti comprovava que ele estava certo em não colocar o menino na fogueira:

Não adianta botar um garoto e queimá-lo. O próprio Tartá poderia ter driblado o goleiro naquele lance no fim do jogo, mas ele não tem experiência e não podemos jogar a culpa nele.

E o caso do Washigton então. Esse foi o pior. Os de cima podem até passar (com muita boa-vontade) por ato falho. Mas o comentário à respeito do pênalti foi a mais cara-dura de tirar o dele da reta:

Eu vou conversar com eles na terça-feira para saber o que aconteceu. Antes do jogo, eu havia conversado com Thiago Neves, Conca e Gabriel. Eles deveriam decidir entre eles quem bateria um pênalti, caso houvesse. Não era para ter sido o Washington, que não estava nas melhores condições. Só que, na confusão, quando vi, o Washington é que estava com a bola, e naquela hora eu não poderia gritar mandando ele não não bater, porque ia tirar toda a moral do jogador.

Que porra é essa de conversar com eles na terça-feira?

Cara-de-pau, hipocrisia do diabo. Em conversa com Gabão depois do jogo, o mesmo levantou a seguinte questão:

Ué? Se o pênalti foi no primeiro tempo, por que ele não falou no intervalo?

Outra coisa:

Washington era um dos piores em campo, assim como no jogo contra o Vasco. Possivelmente sentia sua contusão. Mas mesmo assim, Renato fez questão de mantê-lo para cobrar os penalties contra o Vasco, e fazia o mesmo contra o Botafogo. Que história é essa agora que seu artilheiro não é cobrador de penalties? E se essa historinha é verdade, que porra é essa que não pode mandar ele não bater. Se o Renato tinha tanta convicção assim que o Washington não deveria cobrar o penalti, porque não pedir para o capitão Luis Alberto ir lá e desautorizar que o artilheiro cobrasse?

Sem contar que Washington bateu e fez contra o Vasco na semana anterior. Sem sacanagem, alguém acha que um jogador profissional, artilheiro do time, precisa de uma preparação especial para cobrar penalties em um jogo específico. O cara perdeu o penalti e pronto. Por nenhum motivo em especial. Simples assim.

O Washington deveria ter sido substituido no jogo, não por ter perdido o penalti, mas porque não conseguia dar seqüências às jogadas. Deveria ter sido também contra o Vasco. Mais erros na conta do Renato.

A crítica maior de Serginho Valente a Renato, é que ele despiroca-se todo na hora de decidir e mexr no time. Tem medo de decidir. Fez de novo contra Vasco e Botafogo. Teve o desprazer de levar o jogo contra um time reconhecidamente mais limitado para os penaltis (e teve de se dar por satisfeito pelo jogo apresentado) e uma derrota incontestável para um com melhor futebol. Teve o jogo do Vasco como aviso e não aprendeu. Teve a exspulsão de Alessandro e não aprendeu. Renato na berlinda.

****

Outra coisa é não minimizar essa derrota no Estadual. Ela não é só um sinal de alerta vermelho. Vejamos o que essa derrota para o Botafogo representa:

  1. Uma freguesia começa a ser escrita. 3 vitórias do Botafogo sobre o Fluminense, duas decisivas, onde em nenhuma delas o Fluminense mostrou que ao menos poderia fazer sombra ao Alvinegro
  2. Com dois anos seguidos de decisão entre Botafogo e Flamengo, o Fluminense com todos os seus investimentos, vê este clássico se tornando o principal do Rio.
  3. O Fluminense se vê na condição de ter delegado poderes ao Botafogo. Resta agora apenas torcer para que o Alvinegro vença o Flamengo para manter a dianteira no número de conquistas de títulos estaduais sobre os rivais cariocas.
  4. A conquista da Copa do Brasil e a 4ª colocação no Brasileirão 2007 foram conquistados mais na base em se fazer difícil de ser derrotado do que de um time que busque a vitória (ao contrário da 3ª posição rubro-negra no mesmo Brasileirão). Os jogos únicos e decisivos contra o Botafogo mostraram deficiência do time quando este é testado contra um equipe boa (mas que nem mesmo é confiável) na obrigação de buscar a vitória

Para ganhar a Libertadores, o Fluminense terá de superar mais 4 adversários. Certamente contra um ou dois desses, o Tricolor deverá buscar um resultado. Ainda deve uma demonstração que consegue fazer isso.

Reanto classificava seu time do ano passado como verde para a Libertadores. Mas será que o próprio também não é?

****

Renato é um ídolo da torcida do Fluminense. Além de ser um cara que tem bom trato com a mídia. Essas características mascaram suas deificiências e, o seu jeito descontraído somado ao fato de falar bem encobrem a falta de humildade.

Continuo achando que faria um bem danado ao Fluminense que Renato comandasse o time lá de cima. Ele arma bem o esquema defensivo, e acho que menos preocupado em fazer jogo de cena à beira do campo, entenderia um pouco mais o que é necessário para colocar o time para vencer.

Aliás, comandar a equipe do alto é um conselho que deveria ser extendido a todos os técnicos de futebol. O campo é muito extenso para ter algum ganho do cara tentar controlar dali de baixo, com o agravente do sujeito não ver direito a partida e ainda se deixar levar pelo calor do jogo.

 

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.