Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Posts Tagged ‘Fórmula-1 2010’

O título para o verdadeiro campeão*

November 17th, 2010 | 18 Comments | Filed in Fórmula-1 2010

Um campeão surgido no deserto

Para a alegria geral (do escriba de F1 deste blog…), deu Sebastian Vettel. O mais jovem campeão de Fórmula 1 de todos os tempos escreveu seu nome na história do esporte com uma virada espetacular. Venceu um jovem sim, ainda imaturo, um menino que cometeu erros ao longo da temporada, se expôs e sofreu críticas, enfrentou dentro de sua própria escuderia um experiente intimidador de parceiros (louco para não perder o que pode ter sido a chance da sua vida)  além de outros três campeões mundiais. Só que nas últimas quatro corridas, ele só não venceu uma delas porque na Coreia o seu motor Renault o deixou na mão a algumas esquinas da vitória. Na hora da verdade, Mark Webber rateou, e principalmente, a Ferrari mostrou que precisa de algo além de Fernando Alonso e das suas mutretagens, brilhando assim a nova estrela da Fórmula 1.

Vettel impressiona desde cedo. Ele é cria do projeto de desenvolvimento de pilotos da Red Bull, entrou pela Toro Rosso e deu ao time (lembremos que a Toro Rosso é a finada Minardi vestida de azul) a primeira pole e vitória, subiu ao time principal e repetiu o feito. Ainda completou o serviço com o título de construtores e a cereja do bolo: o campeonato mundial de pilotos.

Palmas para o campeão e para a sua equipe. Adrian Newey construiu um carro magnífico, todo o time trabalhou com seriedade e não cedeu às pressões para “priorizar” um piloto em detrimento do outro, atitude que tiraria toda a beleza da recuperação e da conquista de Vettel. O choro transmitido via rádio foi ainda mais marcante pela espontaneidade: para que o piloto se mantivesse focado na corrida, ele não foi informado em nenhum momento pela equipe sobre as posições de seus oponentes, e só após a bandeirada o alemão despenteado soube que era o vencedor deste que foi o mundial mais disputado da história da categoria.

Vamos combinar: um fim de campeonato desses não merecia uma pista tão horrorosa, chatíssima. Não adianta ficar dizendo a toda hora que é um espetáculo no seu entorno, que os hotéis blablabla…, que o parque da Ferrari blablabla… Eu estou no meu sofá, a uma distância de 11.751 Km, e tudo o que quero saber é de uma corrida interessante, mas fora o drama, aquilo não diz absolutamente mais nada.

Para dar algum tempero mais sofisticado na corrida, a atuação da McLaren foi fundamental para manter Alonso longe do pódio. Lewis Hamilton,  o francoatirador, bem que tentou acompanhar Vettel na espera por um milagre. Jenson Button, já de olho em 2011, foi malandro o suficiente para pular na frente de Alonso logo na largada e dessa forma decretou que o dia estava nublado em Maranello. Castigo merecido, praga rogada por um mundo inteiro que ficou estupefato com o ridículo episódio “Fernando is faster than you“.

Vitaly Petrov = Ivan Drago

O mais engraçado é que, se não fosse a estupidez que a Ferrari cometeu na Alemanha, com menos sete pontos na tabela, Alonso ainda estaria na disputa, porém teria que brigar para ganhar. Porém, com a condição de líder fajuto, a Ferrari trabalhou na mediocridade para, no máximo, aquele quinto lugar que lhe daria o título. Só aí já identificamos dois pecados: preguiça e soberba. As condições da corrida mudaram, a equipe errou pateticamente a estratégia e então Vitaly Petrov baixou com o peso da cortina de ferro sobre as pretensões ferraristas. O soviético russo não tem lugar certo para 2011, mas teve sua mais brilhante atuação nesse domingo, contendo com muita eficiência a fúria do touro espanhol.

Outro piloto que não tem contrato para correr no ano que vem é Nico Hülkenberg. A mais nova fera germânica melhorou muito na segunda metade do campeonato, sendo seu auge a brilhante pole-position em Interlagos, nas mesmas condições dificílimas que o seu professor Rubens Barrichello enfrentou em um longínquo GP da Bélgica em 1994, quando obteve também sua primeira pole. Nem todo talento do mundo salvaria o alemão da draga financeira que vive a Williams, e ele deve ser substituído por Pastor Maldonado, venezuelano e cheio do dinheiro liberado por Hugo Chávez. Já o ancião brasileiro partirá para sua 19ª temporada.

Bruno Senna ainda não disse a que veio, mas tudo indica que seguirá para a Lotus – aquela que não merece se chamar Lotus. Tony Fernandes, marketeiro que só ele, já anunciou parceria com os motores Renault e que seus carros no ano que vem profanarão a nossa memória do preto e dourado da velha Lotus. E aproveitando o capacete do Senna sobrinho quase idêntico ao do tio, quer trazer uma onda saudosista, apesar de saudosismo por si só não levar ninguém a lugar nenhum. O maior problema dele é que o grupo Proton – este detentor dos direitos sobre a marca Lotus para carros de rua – já negocia a compra de parte da equipe Renault (propriedade do grupo Genii) e o time seria rebatizado de… Lotus-Renault. Peralá: duas????

Resultado: a Embratel vai pagar a mudança de Senna para uma  equipe Lotus-Renault preta e dourada, mas ele pode acabar correndo em uma equipe chamada 1Malaysia Racing Team. É levar gato malaio por lebre. E é muita polêmica para pouco desempenho.

A última imagem de 2010 é esta: o novo campeão cercado pelos dois últimos, sacudindo uma garrafa que não é de champagne. Tempos estranhos na F1… de qualquer forma, as lições estão aí. Aprenda quem quiser.

Campeões saudando o mais novo membro do clube

* os cabeçalhos provisórios para esse post eram “o dia em que o talento perdeu para o ‘regular'”, “Red Bull: como colocar tudo a perder em três atos”a arte de ser campeão sem ter o melhor carro” ou “então, os vermelhos estavam certos?”. Mas ao final da corrida, os deuses da velocidade foram justos. Justíssimos.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.