Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Posts Tagged ‘Adilson Baptista’

O que tem o Santos para a Libertadores

February 15th, 2011 | 20 Comments | Filed in Libertadores 2011, Santos

Por Glauco, Futepoca

Depois de dois anos fora da Libertadores, o Santos volta ao torneio continental com boas perspectivas. Mas, sabe como é, torneios com fase de mata-mata nem sempre privilegiam o melhor time ou aquele com futebol mais vistoso. Às vezes o que ajuda a definir um campeão é a tal da raça, o algo a mais, o acaso, um lance genial, um acidente, um erro de arbitragem ou o sobrenatural de Almeida. Mas ter um bom time é um bom começo. E isso o Santos tem, além de outros motivos que podem fazer o torcedor acreditar no Tri da Libertadores.

O que deixa o torcedor animado

Neymar: contar com o craque do Sul-Americano Sub-20, com 19 anos recém-completados nesse mês e evoluindo não é pouca coisa. O moleque amadureceu depois do sinistro episódio que resultou na demissão de Dorival Júnior e, no Santos, vai ter um ambiente e companheiros de equipe que devem deixá-lo ainda mais à vontade do que na seleção que conquistou a vaga nas Olimpíadas. Mesmo quando está apagado, o mocinho cobiçado pode decidir num lance ou mesmo cavar uma expulsão dos adversários. No torneio pré-olímpico, já teve uma amostra de como (não) será camarada a arbitragem sul-americana, assim como já sabe que os adversários não serão nem um pouco benevolentes. Já tem conhecimento também que projeções similares a saltos ornamentias não vão resolver. Como tem personalidade e aprende rápido, deve voltar mais preparado pro embate continental. Sem dúvida, via se destacar.

Dunga pagou a conta

Elano: antes de se contundir (na verdade, ser “contundido”) na Copa da África do Sul, o meia era a melhor figura da seleção brasileira. Muitos, aliás, atribuem parte do fracasso canarinho a sua ausência. Curioso, porque antes do Mundial muitos torciam o nariz para Elano. Mas é indubitável sua inteligência tática e o fato de conhecer todos os fundamentos, podendo fazer um passe, um lançamento, um drible e gols de fora da área ou de cabeça. Deve ser decisivo, entretanto, em uma de suas especialidades que resultaram em inúmeros gols da seleção de Dunga, como o que definiu o título da Copa das Confederações: a bola parada. Além de tudo, o jogador é considerado um “talismã” pela torcida peixeira, por ter feito o segundo e decisivo gol da vitória que tirou o time da fila, contra o Corinthians, em 2002, e o segundo da vitória alvinegra contra o Vasco, que garantiu o título brasileiro de 2004. Na final da Libertadores contra o Boca, em 2003, Elano não jogou e o Peixe foi vice. Coincidência?

O que deixa o torcedor ressabiado

Ganso: muitos santistas vão me xingar por colocar o camisa 10 como um motivo incerto para animar o torcedor, mas é só ponderar. O jogador andou reclamando do tratamento oferecido pela diretoria do clube e o grupo DIS, camarilha do mundo da bola que tinha negócios quase familiares com o ex-presidente santista Marcelo ex-Eterno e que detém 45% dos direitos econômicos do atleta, andou oferecendo o mesmo a clubes rivais (curioso, aliás, que Ganso precise ser “oferecido” a alguém…). Mas, fora isso, existe outro ponto: o atleta passou por uma cirurgia delicada e a Libertadores não é conhecida por apresentar marcadores clássicos como Falcão e Clodoaldo, mas tem na sua galeria de herois eméritos açougueiros como Dinho, Pintado e Galeano. Ou seja, ninguém vai ter dó de acertar o atleta que estará voltando depois de um período razoável longe dos gramados. Em suma, são várias questões: ele vai conseguir voltar a jogar plenamente no primeiro semestre? A readaptação será rápida? A recuperação física será completa? Torço que sim, mas certeza não é possível ter…

Adílson Batista: o treinador chegou no clube e não se viu ninguém fazendo festa com a sua contratação. Dentro das opções disponíveis no tal mercado, achei a escolha até interessante e saudei como uma possibilidade de se retomar o futebol ofensivo de Dorival, obscurecido quando o clube escolheu um interino para dirigir a equipe em quase metade do Brasileiro de 2010. Até agora, Adílson está invicto, em que pese ter enfrentado somente uma equipe digna de nota, o São Paulo. Nesse meio tempo, testou várias fórmulas e esquemas táticos, tem vários desfalques mas ainda não passa segurança à torcida. A Libertadores começa como o seu real teste. Pelo lado positivo, Adílson já tem uma final do torneio no currículo, coisa que pretensos gênios como o “profexô” não tem até hoje, mesmo tendo dirigido legítimos esquadrões.

O que faz o torcedor rezar

Na boca do vestiário

Sistema defensivo: o Santos estonteante do primeiro semestre de 2010 não tinha uma das defesas mais confiáveis do futebol tupiniquim. Mas o ataque compensava e fazia com que o rival muitas vezes abdicasse de atacar para não sofrer placares elásticos. Quase um esquema kamikaze que se baseava, principalmente, em talento. No entanto, havia carregadores de piano no meio que eram fundamentais para que tudo funcionasse: Arouca e o multifuncional Wesley. O primeiro está voltando de contusão e o segundo foi substituído por Rodrigo Possebon, volante que não tem a velocidade e as características que faziam de Wesley peça importante no esquema de Dorival. Pará na lateral direita é uma temeridade, mas o veterano Léo tem sido útil na canhota. Contudo, se não tiver cobertura não consegue encarar um atacante veloz. Idem para a dupla de zaga com Dracena e Durval, que parece muito dispersiva em algumas partidas, quase irresponsável, mas brilha em outras, como no clássico contra o São Paulo. Adílson espera o retorno do lateral-direito Jonathan e pode colocar alguns dos laterais da Sub-20 no time titular até como meias. Mas, por enquanto, é bastante claro que ele não conseguiu construir uma defesa consistente. Em competições eliminatórias, isso pesa. Que ache a fórmula logo…

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.

Muricy está perdido

September 16th, 2010 | 53 Comments | Filed in Campeonato Brasileiro 2010, Corinthians, Fluminense

Muricy não está conseguindo descobrir como armar o time sem atacantes, especialmente se esse atacante chama-se Emerson. O treinador tricolor que de nada reclamou desde que chegou ao Fluminense, veio a público apenas para lamentar a perda de Alan, reserva de Emerson.

Muricy e Ruimdriguinho

Muricy sabia que sem Alan, na ausência do Sheik teria de lançar mão de Ruimdriguinho. Sem confiança, tem optado em não entrar com o atacante e jogar com Conca avançado. O Abnegado é um craque talhado para servir e não concluir. Com isso, o ataque do Fluminense resume-se a Washington e às subidas de seus zagueiros em bolas paradas.

O esquema é um nítido acochambre, tanto que ao sofrer um revés, Muricy coloca Ruimdriguinho em campo pois não tem a convicção que o esquema original é passível de superar um adversário fechado com vantagem.

Adilson Baptista matou o ataque tricolor no 1º tempo abusando da linha burra que invariavelmente deixava Washington em impedimento e permitiu a tranquilidade para seu ataque tentar a sorte, obtida com o gol de Jucilei em grande noite.

Voltando do intervalo, Muricy acusou o golpe escalando Ruimdriguinho e entregando nas mãos do acaso, que foi Fiel e ampliou com Iarley para 2×0 deixando o Timão com a faca e o queijo nas mãos. Curiosamente, Ruimdriguinho tem uma mísera utilidade quando é flecha e não precisa tocar a bola para ninguém. Deste personagem que escancara as fragilidades tricolores sairam junto com o Abnegado os últimos suspiros de esperança em manter distância para o Corinthians, que com o time limpo, pode parar Conca de longe com repetidas faltas ao fim do jogo impedido a fluidez carioca.

Deco deve ser um jogador muito diferenciado. Mas tão diferenciado e genial a ponto de que eu não entenda o que ele faz em campo. O talento de sobra vem sendo inócuo.

Há de se considerar a segura arbitragem de Simon. A partida cheia de cascas de banana foi simplificada pelo árbitro. O Fluminense que esboça desde o começo do campeonato não tem podido reclamar das arbitragens, inclusive contra o Corinthians, time-alvo dos chororenses. Como Simon costuma ser execrado, é um dos poucos árbitros que presto atenção, e sigo sempre achando justas suas indicações para Copas do Mundo.

Você pode receber nossos artigos de graça pelo seu e-mail. Apenas inscreva-se pela caixa abaixo.