Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

Sobre o Tempo e as Obras de Arte

August 22nd, 2014 por | Categorias: Copa do Brasil 2013, Cruzeiro, Flamengo, Futebol, Imagens.

Um ano passa rápido, né? Ainda mais se você é aquela pessoa que, como eu, já venceu o 1º quarto de século. Você provavelmente tem trabalho, faculdade, um par de obrigações que fazem com que seu dia, sua semana, sua vida passe cada vez mais célere, quase como um Mayke quando encontra uma brecha pra atacar pela ponta direita.

Um ano passa rápido. Desde 21/08/2013 você, Cruzeirense como eu, viu uma eliminação na Copa do Brasil para o Flamengo, viu um título do Campeonato Brasileiro conquistado de forma indiscutível, viu um título estadual. Viu também uma Copa do Mundo que, dentro de campo, foi das melhores da história. Viu crises entre povos, viu a corrida para próximo Presidente do país começar e viu uma tragédia levar um candidato. E chega hoje, 21/08/2014, às vésperas de mais um importante jogo contra o Grêmio, no Mineirão.

Mas tudo isso são filigranas perto da arte. A arte, senhoras e senhores, é atemporal. Obras de arte ficam na memória por proporcionar, a quem lhes admira, uma sensação comum, independente do tempo ou da situação em que são admiradas. Esse sentimento pode ser de inquietação, felicidade, raiva, tristeza, êxtase, depende da vontade do artista.

Eram por volta das 23 horas e 11 minutos daquele 21 de agosto de 2013. Exatamente um ano atrás.

Quando a bola subiu, desceu e foi chutada com a violência de quem quer transformar seu nome em história para milhões, o que se viu foi uma obra de arte.

Opa, já vai?

Opa, já vai?

Quando aquele camisa 17 (ou seria 10?), rápido como nossa vida, correu para a área, para o gol e depois para a torcida, havia duas sensações comuns em todos Cruzeirenses que admiraram aquele momento raro (e pode-se dizer que em muitos não-Cruzeirenses também). Alegria e Gratidão. Ali foi criada uma obra-prima, já imortalizada por vídeos, narrações, fotos, mas, mais importante que tudo, por sentimento.

Porque o Cruzeirense que presenciou aquele feito jamais se esquecerá do que sentiu naquela virada do relógio, naquela bola encontrando o tecido que delimita o gol.

E, melhor, sempre que ver esse lance, sentirá novamente. Afinal de contas, é arte. Um ano passa rápido, mas tempo algum apaga.

Obrigado, Éverton Ribeiro, por imortalizar a alegria.

Que golaço!

Também publicado em: www.cruzeironews.com.br

Inscreva seu e-mail e confirme pelo link eviado para receber novos artigos do Blá blá Gol.

13 Comentarios Enviar por e-mail Enviar por e-mail

13 Comentários para “Sobre o Tempo e as Obras de Arte”

  1. Victor
    22/08/14 - 18:13

    Esse gol aí é da época em que Luiz Antônio não distribuía carrinhos.

    Responda a este comentário

  2. Andre
    22/08/14 - 19:30

    Uma belíssima obra de arte!

    Segue abaixo uma exposição COMPLETA!

    Responda a este comentário

    Victor

    Cara, tem de ser no Mineirão para valer.

    Responda a este comentário

    Andre

    Juninho, Euller, Romário… outra galeria de arte…

    Responda a este comentário

    Andre

    Não dá pra esquecer tb a bicicleta de (André Luis) Viola (Bona). Tudo bem, foi em S. Januário. Mas foi na Liberta antes do inchaço.

    Responda a este comentário

    Alexandre N.

    Tem uma partida entre Cruzeiro e Fluminense no Mineirão que não teve goleada. Mas esta foi uma das partidas que constam na minha lista de jogos inesquecíveis. Aqueles jogos em que você chega a perceber uma lágrima no cantos dos olhos assim que você se recorda delas.

    Que jogo sensacional, senhores.

    P.S.: Saudades, Maicon Bolt! Volta pro teu povo que te ama!

    Responda a este comentário

    Matheus

    É muito gol pra pouco espaço!

    Responda a este comentário

    Andre

    Valendo título:

    Cheque mate.

    Responda a este comentário

    Andre

    E antes do xororô, as cenas lamentáveis do jogo do mineirão protagonizando porradaria com o juiz pelos dirigentes raposinhas…

    E também o gol (MAL ANULADO) do Vasco no jogo derradeiro que fecharia o caixão com mais tranquilidade:

    ==================================

    A supremacia celeste sobre o Machão da Gama inexistiu desde sempre até o ano de 2008, quando os confrontos ficaram empatados e só então a modinha passou a dianteira.

    Responda a este comentário

    Matheus

    Modinha…Hahahaha.

    Escreve um dossiê, Bona!

    Responda a este comentário

    Andre

    Dossiê? Só olhar as imagens.

    VIVA O VASCO! VOLTA EURICO!

    PS: só tomei conhecimento que o Cruzeiro existia na faculdade, por conta de um amigo Cruzeirense. (95-98). Galo eu já conhecia desde sempre.

    Responda a este comentário

  3. RB
    22/08/14 - 19:56

    10 anos desse golaço do Mestre dos Golaços:

    Responda a este comentário

Deixe seu comentário