Home   Open-Bar   Trollagem   Bolão   Mercado da Bola   Copa do Brasil   Seleção   NFL   Contato  

O TIME MODAL

May 24th, 2012 por | Categorias: Futebol.

Raramente escrevo aqui sobre meu time, mas a ocasião obriga. Corinthians classificado com gol aos 43 do segundo tempo para a semifinal da Libertadores. Taí algo raro.

Os dois times não jogaram porra nenhuma no primeiro e no segundo jogo. Mas quem permitiu que o outro não jogasse porra alguma? Sim, foi o próprio adversário, óbvio. Portanto, Corinthians e Vasco protagonizaram o que eu chamo de PARTIDA PERFEITA, ou seja, a partida em que a quantidade de gols tende a zero.

Quase houve um duplo 0×0 e eu apostei todas minhas fichas nisso. A cabeçada de PAULINHO só não foi mais decisiva que CÁSSIO. O homem que era quarto goleiro. Estreou contra o XV de Piracicaba e veio para apagar o incêndio. Gostei dele logo de cara, pois falar CÁÁÁÁÁÁSSIOOOOO em defesas é maneiro, o que valoriza a dramaticidade. Paulinho, há muito tempo decisivo, unanimidade nas eleições do 11 inicial do Brasileirão, é um baluarte. Mas Cássio foi o nome do jogo e as entrevistas após a partida demonstraram.

O final do jogo era hilário: o Corinthians chuveirava e o Vasco perdia a bola. Alecsandro e Carlos Alberto protagonizaram uns lances bizarros. Só não tão bizarro quando o de ALESSANDRO. Ter um lateral-direito que merece música da Lady Gaga não é exclusivo mérito botafoguense. Quando da expulsão de Tite (que pela coletiva não falou nada de ofensivo nessa briga de gaúcho com Vuaden) e CHABU do lateral supracitado, eu vi o filme de sempre na mente. A tragédia estava desenhada, mas foi justamente O ESTILO PRAGMÁTICO DO TIME que o salvou de uma pane total como em outras vezes. Fosse ofensivo-afobadinho, teria se lascado.

Olhando agora, talvez o maior mérito corinthiano foi NÃO QUERER PENAIS e isso é culpa também do Vasco, que cai MUUUITO no segundo tempo das partidas, desde 2011 venho reparando isso dentro da visão de LEIGO sobre o clube. A defesa sólida e o pragmetismo corinthiano não são novidade desde o ano passado e a programação inconsciente dos mesmos em sempre buscar o resultado MODAL de 1 x 0 deu uma tranquilidade quando TUDO apontava para a hecatombe, vergonha e ruína.

Grandes campanhas trazem grandes responsabilidades, e eu, que estava (ainda estou e continuarei a estar) completamente frio com o futebol, por motivos pessoais, continuo sussa. Mas o futebol é isso, é lutar pelo direito de sofrer. Se a desclassificação viesse, meu sono seria quase o mesmo. Não sou o melhor exemplo de corinthiano no momento, mas sou o que escreve em CAPS e twitta coisas malucas, e isso basta.

Inscreva seu e-mail e confirme pelo link eviado para receber novos artigos do Blá blá Gol.

35 Comentarios Enviar por e-mail Enviar por e-mail

35 Comentários para “O TIME MODAL”

  1. Yuri
    24/05/12 - 2:13

    Um adendo: Leandro Vuaden realizou um sonho e apitou COLORADAÇO o jogo.

    Falando em coloradaço, farei uso de uma mídia vermelha também, pois hoje é um dia de exceções:

    impedilmanto: “Válido destacar que o Corinthians sofreu apenas DOIS GOLS nesta Libertadores, em dez jogos, e já vão 471 minutos seguidos sem levar gols.”

    Responda a este comentário

  2. Serginho Valente
    24/05/12 - 5:39

    Sobre o Corinthians: Não é um grande time tecnicamente, mas é um time muito forte fisicamente. Os caras correm pra cacete, brigam o tempo todo e raramente perdem uma dividida. Pelo menos é minha impressão, desde o Brasileiro do ano passado.

    Sobre o Vasco: É um time limitado, mas que vai até o limite das suas capacidades. Nessa Libertadores foi até além, uma vez que perdeu o único jogador importante do elenco que não tem um substituto razoável, Dedé.

    Enfim, no gol de ontem, Rodolfo ficou olhando assustado o Paulinho subir sozinho e cabecear. Rodolfo entrega EM TODOS OS JOGOS, só que em alguns, o Vasco consegue se salvar. Mas não tem ninguém pra colocar no lugar dele.

    Alecsandro (horroroso) não sai do time. Isso explica toda limitação do Vasco.

    Responda a este comentário

    André Bona

    A capacidade dos jogadores do vasco no meio de campo é MUITO superior as do gambá. Mas o vasco vem se acovardando. Ganhar e perder é do esporte, mas abdicar de jogar é impossível…

    O lance de DS foi foda… PQP! Tem que se foder mesmo.

    Essa libertadores foi a mais fácil que assisti até a semi-final. O vasco caiu fora por sua propria incapacidade (não técnica, mas comportamental).

    Responda a este comentário

    rafael botafoguense

    Em 2009 o Grêmio precisou eliminar Universidad San Martín e Caracas para chegar a semifinal. Caiu diante do Cruzeiro, que por sua vez teve que passar por La U e São Paulo para chegar a mesma fase. O bagulho é random, pura sorte. Liberta segue seu curso.

    Responda a este comentário

    André Bona

    A salvação dessa liberta será uma final entre Santos (qdo resolve jogar bola) e Boca. Fora isso, é varzea.

    Responda a este comentário

    Victor

    Ser várzea é um demérito ou um elogio?

    Responda a este comentário

    André Bona

    É demérito sob os olhares dos que defendem o fut-business-elitizado-cotas-de-tv. É um chute no saco pra quem defende que os bons campeonatos só devem ter “grandes” porque esses grandes são o que há de melhor no futebol. Não são. Só o Santos, às vezes, e o Boca, pela tradição, DOS QUE PERMANECEM, não serão várzea.

    O Vasco chegou nas quartas de final sem nenhum jogo dificil. O gambá chegou nas semi sem nenhum jogo dificil.

    Responda a este comentário

    rafael botafoguense

    “Só o Santos, às vezes, e o Boca, pela tradição, DOS QUE PERMANECEM, não serão várzea.”

    Não Bona, não.

    Responda a este comentário

    Alexandre N.

    E tem gente que acha que um time pode “controlar” quem vai jogar contra ele nas fases decisivas…

    Responda a este comentário

    Yuri

    Imprensa babaca para ESQUENTAR a fase de grupos insossa onde quase todo brasileiro passa fácil, fica pilhando essas de melhor campanha. Para quê. Jogadores devem ter consciência do imenso fator sorte que permeia o torneio.

    Vi um texto legal de um torcedor do Flu ontem falando mais ou menos disso:

    http://jornalheiros.blogspot.com.br/2012/05/resenha-tricolor-1-x-1-boca-juniors.html

    Responda a este comentário

    Matheus

    Tom choroso, hein?

    Responda a este comentário

    Yuri

    Choroso porém real em sua maioria.

    Responda a este comentário

    Victor

    Eu fiz um levantamento ano passado com jogos da Copa do Brasil entre 1995 e 2010, considerando das Oitavas de Final em diante onde acredito a escolha do mando final seja randômica.

    Deram 237 confrontos. Coisa legal.
    Vou atualizar com os resultados de 2011, e a essa altura do campeonato (literalmente falando) aguardar os de 2012 (ou soltar um post sensacionalista às vésperas da final)

    De fato não dá para dizer que jogar a 2ª em casa seja vantagem. Aliás, os números de uma análise grosseira não mostram nem uma tendência apesar de… (pausa dramática)… a vantagem mais gritante seja na FINAL (ok. É o menor universo de amostras).

    Como teaser, no geral ficou assim:
    Decidindo o 1º em casa: 48,5%
    Decicindo o 1º fora: 51,5%

    Mas não me convenci pelo equilíbrio porque nas fases a distribuição não é equilibrada. Esses números darão bastante o que falar.

    Responda a este comentário

    Yuri

    Eureka.

    Atlético 2 x 2 Palmeiras
    Palmeiras 2 x 0 Atlético/PR

    total: 4 x 2

    SPFC 2 x 0 Goiás
    Goiás 2 x 2 SPFC

    total: 4 x 2

    Depois dessa, ficou na cara. SPFC jogou ontem como se fosse treino. Palmeiras ficou com o cu na mão até abrir o placar. E os dois fizeram exatamente a mesma coisa, mas invertida pelo mando. Chega dessa palhaçada. Não aceito mais que digam que decidir em casa é melhor.

    Responda a este comentário

    Yuri

    Bona, acho que isso é impressão interna sua por estar na competição. De fora, eu lembro de um monte de Libertadores com coisas bizarras como Deportivo Táchira, Cúcuta e Audax Italiano chegando.

    Como serginho mostrou, essa Libertadores foi a ÚNICA em toda a história que as 8 melhores campanhas fizeram as quartas-de-final. Isso não garante qualidade, mas pelo menos meritocracia, algo que em outras nem houve.

    Bagulho é sorte demais mesmo.

    Responda a este comentário

    saulo

    A grande qualidade do Corinthians é ter bons jogadores em todas as posições, reposição do mesmo nível e ter uma organização tática muito bem feita nas duas linhas de quatro. Apesar dos poucos gols marcados, toda a marcação é feita na linha defensiva do adversário. Falta um jogador acima da média e decisivo, além de um goleador. Tite tem o grande mérito de saber usar todo o potencial do elenco.

    Responda a este comentário

  3. Victor
    24/05/12 - 7:55

    No meio do caminho da leitura do artigo e lembrando do pênalti de futebol nos EUA perdido pelo Diego Souza fiquei pensando no caráter randômico que caracterizou essa partida contrapondo sutilmente com Fluminense x Boca.

    Não lembro se defini a classificação/eliminação de Boca/Fluminense como cara-coroa, mas se fiz, retiro. Nos últimos 5 minutos o Boca Juniors acuou o Tricolor e obteve a tal justiça com o derradeiro gol por desequilibrar 5 em 180 minutos. Nem deu tempo de aqui escrever mas eu tinha sensação que já era ótimo ir para pênaltis e que se houvesse prorrogação o Flu já estaria eliminado.
    Vasco e Corinthians mantiveram posturas similares entre si durante os 180 minutos. O “detalhe” ao meu ver foi mais cruel com o Vasco que com o Fluminense. Nem digo que o Vasco merecia mais a classificação que o Tricolor, mas fez menos por onde perdê-la que o Flu.

    Responda a este comentário

    André Bona

    O que é foda é perder para o 4o. time de São Paulo. É diferente de perder para o primeiro da argentina.

    Responda a este comentário

    Yuri

    Boca, maior em nada. Só em torcida… gostei do critério, hehehe

    Responda a este comentário

    André Bona

    Talvez em 6 libertadores, pra quem gosta de títulos…

    E o gambá? Apesar da fama midiática toda, é o que menos tem brasileiros, continentais e mundiais no estado. foda.

    Responda a este comentário

    Yuri

    mais libertadores = independiente

    mais nacionais – river

    mais torcida = boca

    talvez se o portumeiras chegar a um dia disputar um mundial… possa ultrapassar

    Responda a este comentário

    André Bona

    Reformulo. Talvez o boca sofra do mesmo que o gambá e urubu: a supervalorizaçao de sua realidade. E eu caí.

    Mas de toda forma, dá porrada em qq time brasileiro.

    Entendi, vc tá pleiteando o 3o. posto. Ok. Ele é seu. Continua sendo vergonhoso para o Vasco perder para a 3a. força. Se algum estrangeiro chegar aqui hoje e acompanhar o futebol pela tv, terá certeza que o gambá venceu 10 mundiais, 20 libertadores e 30 brasileiros.

    Responda a este comentário

    Yuri

    E eu odeio a mídia… prejudica o clube com sua pressão (o saldo é negativo). Qualquer mudança seria bem vinda.

    Massifiquem tudo de vez ou tranformem-nos num Santos, escondendo-nos e deixando tudo sussa. Do jeito que tá, é o pior possível.

    Responda a este comentário

    André Bona

    Yuri, vc definitivamente é um corinthiano diferente. Tá “se me” vendendo dessa forma.

    Responda a este comentário

    rafael botafoguense

    Independiente é esquecidaço, fico de cara com isso. Mó galera acha que o Boca é maior vencedor.

    Responda a este comentário

  4. Victor
    24/05/12 - 7:56

    Não sei se Cassio é legal de gritar. Já teve um Wellerson no meu time.

    Responda a este comentário

  5. Andre L
    24/05/12 - 9:23

    Serginho e Bona destilando amargura. Eu também destilei minha cota ontem, a quente, principalmente contra Diego Souza e Vuaden.

    Agora, mais frio… Foi um grande jogo de 180 minutos (perdoem o clichê). Uma batalha tática, dois times perfeitamente ensaiados, muito equilíbrio. Um jogo que (perdoem o novo clichê) teria que ser decidido nos detalhes.

    No RJ, o Vasco fez um gol – mal anulado. Ontem, DS perdeu um gol claro. E o Corinthians fez o dele. Tivemos dois “detalhes”, perdemos um, nos tiraram o outro. O Corinthians fez o seu. Ponto.

    Não vejo covardia, vejo encaixe tático. Vejo um Vasco jogando de igual para igual com o campeão brasileiro que, além disso, é um dos queridinhos do sistema.

    Alecsandro não é Evair, Diego Souza não é Edmundo, Rodolfo não é Mauro Galvão. Mas até aí, Danilo não é Marcelinho, Paulinho não é Rincón, Jorge Henrique não é Edílson. O futebol brasileiro, hoje, não é muito diferente disso.

    Copo meio cheio, meio vazio. O meu Vasco é campeão da LIbertadores, duas vezes vice do mundo, quatro brasileiros, cinco títulos cariocas em oito anos, jogou o Mundial de 2000 com onze titulares que jogaram na Seleção um dia. Tirando o primeiro brasileiro, eu vi isso tudo, muitas delas no estádio. Então, claro que eu não fico satisfeito.

    Mas, por outro lado, durante dez anos o meu Vasco foi o time bizarro dos irmãos Luiz, de Jonílson, dos seis goleiros em um ano, do rebaixamento…

    Então, quando eu vejo, em um ano, uma Copa do Brasil, um vice brasileiro, duas finais de turno no carioca e umas quartas-de-final de Libertadores, eu não posso cair na amargura.

    Ou melhor, caio, porque sou vascaíno, e é do nosso DNA cornetar e dizer que está tudo horrível, que temos um cone no ataque, um entregador de camisas no banco, um frangueiro no gol e um monte de chupa-sangue no meio campo, jogadores que não merecem vestir a camisa do Vasco.

    Ainda temos muito pra melhorar, até voltarmos a ser aquilo que somos. Mas, lá no fundo, e espero que Bona e Serginho saibam disso (mesmo que não admitam), dá um baita orgulho saber que o Vasco voltou a incomodar todos aqueles que torcem contra ele. Podemos ainda estar longe da sombra e água fresca, mas o deserto já ficou pra trás.

    Responda a este comentário

  6. Andre L
    24/05/12 - 10:04

    Piada pronta:

    http://globoesporte.globo.com/futebol/times/corinthians/noticia/2012/05/fotografo-e-roubado-dentro-do-campo-no-pacaembu-apos-partida.html

    Responda a este comentário

    Yuri

    Agradeço os santos do Vasco não matarem um corinthiano como em 2009.

    Responda a este comentário

  7. Bender
    24/05/12 - 10:28

    O jogo foi HORRENDO tecnicamente. As duas equipes não jogaram porra nenhuma, foram 180 minutos de nervosismo e amarração. [3] ou “uma eliminatória quase perfeita”. Dá no mesmo.

    Truncadão. Marcação >>>>>> … >>>>>>> sistemas ofensivos. Como disse no outro post, merecia um duplo 0 a 0 e decisão por penais. O técnico do Vasco colocou seus homens dos pênaltis no jogo. Mas dessa vez sifu. E o Vasco merece ser desclassificado desde a fase anterior contra o Lacus.

    Pra quem não torce pra nenhum dos dois times envolvidos na decisão os arrastados 180 minutos tornam-se maçantes. Jogo bom passa rápido.

    Responda a este comentário

    Yuri

    Eu tinha total convicção dos pênaltis, Cristóvão fez o certo se colocou gente batedora no jogo como você disse. Depois de Diego Souza então… tivesse no betboo era penal na cabeça.

    Responda a este comentário

    Bender

    O Cristovao nao tirou o Juninho nem ALECGOL, alem de ter colocado no jogo o Felipe e Cazalbe. Ele preparou para os penais como no jogo Lacus x Vascu.

    Nesses 2 jogos do Vice e Gamba gostei muito do Sheik e desse Paulinho. Muita disposiçao e raça. E esse Danilo, que nêgo chegou a chamar de Zidanilo (PUTZ!!!), nao é tudo isso… mas nao sei se o bando de loucos estava sendo irônico como o “Obina melhor que Etto”

    Responda a este comentário

    Yuri

    Zidanilo é um misto de ironia com incentivo quando ele joga bem. Tem gente que gosta, mas muitos não gostam. Nem é cosa nostra, pegou esse apelido no SPFC em 2005, o que facilitou o uso. Entre idolatria e haterismo, com certeza ele tem mais haters. Eu não sou um deles, ele é bem frio e joga bem em decisão, gosto dele. Mas não sou louco de chamá-lo assim.

    Responda a este comentário

  8. rafael
    24/05/12 - 18:32

    Gostei do post Yuri, e acho que o curintia venceu e vem chegando graças a essa VONTADE. Como já opnei por aqui, os times da fase final estão todos muito parelhos e a diferença vai ser na garra, no apetite de acreditar até o final. Além do curintias, o próprio Boca demostrou que tbém tem sorte e acreditou até o ultimo minuto.
    Sorte e gana são condicionantes na reta final…

    Responda a este comentário

  9. Atlético Mineiro 3×2 Fluminense: “Fluminense em Estado Puro, amigo”
    22/10/12 - 16:39

    [...] desfere-se dos golpes evitando lesões e injúrias como Anderson Silva provocando golpes no vazio. A similaridade fica pelo contra-ataque fatal e inapelável. Tweet Inscreva seu e-mail e confirme pelo link eviado para receber novos artigos do [...]

Deixe seu comentário